Pós-modernidade e democracia participativa na Administração Púbica brasileira

0

Sumário: Intróito; 1. Atributos intrínsecos do Direito Moderno e o seu momento de crise; 2. Novo paradigma do Direito: os pilares da pós-modernidade; 3. Administração Pública e poder comunicativo; 4. Redefinição do papel e atuação do Estado na criação de novas categorias de relações entre este e a sociedade; Considerações Finais; Referências.


Intróito.


Em oportunas leituras e acaloradas discussões acadêmicas, sempre tivemos a idéia de poder trabalhar a questão da democracia participativa no que se refere ao efetivo controle social da Administração Pública brasileira não por mera intuição, mas por acreditarmos que este é o caminho para a conscientização política e conseqüente evolução de um povo, de uma nação.


Encontramos opiniões desestimulantes e por muitas vezes ouvimos dizer que a idéia era utópica e isso, confessamos, cada vez mais fomos estimulados a provar o contrário, a demonstrar que é possível sermos otimistas quanto aos rumos políticos tomados pela minoria esclarecida ante a ingenuidade de tantos. Aceitamos o desafio quando nos demos conta que há muito tempo, outros já falavam sobre isso, a exemplo: Hannah Arendt[1] e Habermas[2]. Não estamos sonhando sozinhos!


1. Atributos intrínsecos do Direito Moderno e o seu momento de crise.


Foi então a partir do estudo do Direito Moderno que começamos a trabalhar o tema proposto uma vez que a sua crise desencadeou o surgimento de um novo paradigma ao Direito: a pós-modernidade.


São novas perspectivas anunciadas à humanidade com o Direito pós-moderno para compatibilizá-lo com a realidade da vida e não simplesmente deixá-lo no plano lógico-formal, harmonizando-o com a justiça social, alcançando a condição humana para minimizar desigualdades e renovando as “esperanças nos valores sociais e nos princípios jurídicos de aplicação imediata e obrigatória em favor do bem comum, ainda que isso ocorra de forma transversal, criando micro transformações sociais” [3] para realizar os interesses fundamentais da sociedade, compartilhando esta prerrogativa com o Estado.


Assim, quando falamos em Administração Pública relembramos as idéias produzidas pelas revoluções burguesas resultantes da necessidade de se impor limites à sociedade, distanciando-se do exercício de atividades políticas e atuando em torno do princípio central da legalidade, isentando-se de interferências externas e comportamentais de seus agentes. Este modelo ainda dominante é o burocrático, centralizado na hierarquia e na execução de leis. “Conquanto a burocracia fosse como exemplo típico de atuação legal-racional, preconizava-se que a administração não deveria ser analisada dentro de uma camisa de força normativa, senão em contato direto com a sociedade” [4].


Assim, abre-se novo curso ao Direito e às atividades de controle com a substituição do princípio da legalidade estrita pela juridicidade, onde a concepção jurídica se renova numa perspectiva de superação de uma rigidez lógico-formal, implementando aparatos de avaliação do poder público.


“Hoje, portanto, caminha-se para a construção de um princípio da legalidade não no sentido da vinculação positiva à lei, mas de vinculação da Administração ao Direito. O princípio da legalidade ganha, assim, a conotação de um princípio da juridicidade. Não sendo possível a inteira programação legal da Administração Pública contemporânea, é forçoso, contudo, mantê-la totalmente subordinada aos princípios e regras do ordenamento jurídico, especialmente do ordenamento constitucional. A atividade administrativa deve haurir seu fundamento diretamente no texto constitucional[5].”


Mas qual foi a crise que desencadeou o paradigma do Direito pós-moderno? Sabemos que a consolidação do fenômeno jurídico se deu no período da modernidade e é exatamente esta compreensão clássica do Direito que vem passando por um período de crise. As grandes mudanças e movimentos sociais globais nos demonstram a necessidade de estudarmos o Direito em conjunto com os fenômenos sociais, em razão de um movimento de construção de conhecimento dessas estruturas.


Assim, o contexto da modernidade surge da cultura ocidental, entre os séculos XVII e XX, “com a consolidação de certos valores, entre eles: a crença nas virtudes da razão, responsáveis pela construção de alguns mitos, como a crença nas virtudes da ciência; a idéia de progresso (com a melhoria progressiva das condições sociais); a concepção de que a história tem um sentido e a razão deve progressivamente impor sua lei aos acontecimentos; a convicção de um universalismo dos modelos construídos no Ocidente, entendidos como modelos de referência e expressão dessa razão; a pressuposição de uma sociedade homogênea e não diferenciada; a ruptura de dois grandes sistemas normativos (direito e moral / direito e política)” [6].


A partir desta inserção compreendemos que na modernidade, o Direito simplificava as estruturas sociais partindo de uma compreensão individualista, da singularidade dos indivíduos e do reconhecimento de autonomia e liberdade individual que permite ao indivíduo guiar-se por sua vontade própria, seu livre-arbítrio.


Esse individualismo social domina também a esfera pública uma vez que o Estado expressa a comunhão dessas vontades individuais através da declaração de vontades gerais. Para Boaventura Santos[7], no momento em que deixam de ser cumpridos os princípios da modernidade, as relações sociais passam a ser construídas numa nova base, surgindo o conceito de pós-modernidade.


O argumento de Habermas, no seu estudo da Crise do Estado providência e o esgotamento das energias utópicas, apresenta “que a tese da ruptura da pós-modernidade com a modernidade não pode ser fundada, visto que nem a estrutura do espírito do tempo, nem todo o modo de controvérsia sobre as possibilidades da vida no futuro mudaram”[8], esclarecendo que ainda não temos alternativas racionais para modos de vida modernos. Neste breve estudo, parece-nos que Habermas é aquele cuja teoria é a mais apta para a formulação do Direito pós-moderno, sendo por isso adotado como marco teórico deste artigo.


Exploremos um pouco mais a questão da modernidade e do Direito. Este último muitas vezes surge como força motriz daquela quando organiza racionalmente os processos de integração social e em outros momentos, surge como componente da crise da modernidade, constituindo a sua base jurídica referencial para a coletividade.


Como atributos do Direito moderno temos a sistematicidade das normas hierarquizadas, a generalidade delas para compreensão da realidade social e a estabilidade das mesmas que lhes garante uma certa durabilidade. Seguem-se a estes atributos outras teorias como a que tende a confundir a norma jurídica com a própria realidade e aquelas que acreditam no seu rigor formal e em seu poder regulatório.


O Direito moderno que tem por base o individualismo também foi formado através de um processo de subjetivação que busca a garantia dos direitos do homem. E, as teorias sobre a modernidade aos poucos foram desaparecendo, relacionando-se com as mudanças do Estado Social que nasceu de uma inspiração de justiça, igualdade e liberdade[9] e que foi o que melhor consagrou os valores de um sistema democrático.


Há de se observar que o Estado Moderno, diferentemente do Estado Social, caracteriza-se pela autoridade de poder sobre a sociedade que nos dizeres de Floriano P. de A. Marques Neto, o mesmo “apresenta como traço característico a concentração do poder de coordenar e conduzir a sociedade, que se traduz num poder dentro de uma perspectiva governativa” [10] .


É necessário se demarcar alguns pontos-chave do Estado Moderno como a unificação do poder governamental soberano para afirmação dos interesses individuais, a delimitação dos campos público e privado e o necessário processo de legitimação do poder político para exercício da autoridade governamental.


Desta forma, é nesta percepção de crise da modernidade que surge o novo paradigma do Direito por vezes conhecido como sendo uma continuidade da modernidade, com outros fundamentos, como hiper modernidade ou como antimodernidade[11]. De todas estas possíveis denominações abraçamos este novo momento do fenômeno jurídico como pós-modernidade.


A solução para crise da modernidade exige novas formas de conceber e de gerir a coisa pública. Acredita Norbert Lechner[12] que o ambiente pós-moderno nos ajuda a tornar relativa a centralização da política e do Estado, introduzindo uma política de sociabilidade menos rígida e um governo mais lúdico o que conferirá aos processos de democratização sua dinâmica, mas também uma certa instabilidade. Desta reflexão, passamos a nos questionar se o direito pós-moderno realmente contribuirá para a geração de uma cultura política democrática e se será capaz de corresponder aos anseios históricos da nossa sociedade para uma maior participação e controle nas ações públicas.


A questão democrática central no pensamento habermasiano sintetiza estas idéias, ao afirmar que é necessário se conceber uma representação política sensível aos anseios dos representados para que haja legitimidade uma vez que só através da democracia, o Direito se desenvolve de maneira a cumprir o seu mister sem coibir a justiça e a segurança. E para tanto, a democracia deve também ser compreendida como poder comunicativo que buscará concretizar a competência comunicativa dos envolvidos para que estes não sofram limitações políticas ou ideológicas sendo nesta situação ideal de comunicação que poderemos vislumbrar a dialética entre o indivíduo e a sociedade[13].


“Discursos conduzidos de forma representativa podem preencher esta condição de igual participação de todos os envolvidos somente se permanecerem abertos, sensíveis e receptivos às sugestões, questões e contribuições, informações e fundamentos que derivam de uma esfera pública que seja, por sua vez, discursivamente estruturada, assim com […] pluralista […] e que dilua os efeitos do poder”.[14]


2. Novo paradigma do Direito: os pilares da pós-modernidade.


Podemos considerar a complexidade dos mecanismos de produção do Direito e das modalidades de articulação das normas jurídicas e a flexibilidade do conteúdo das normas e dos processos de aproximação com a sociedade como pilares da pós-modernidade, posto que estas duas dimensões “explicam os pontos de ruptura do direito ‘pós-moderno’ com o direito da modernidade: à unidade, opõe-se o pluralismo; à hierarquia, a diversidade; à coação, a regulação e a emancipação; à estabilidade, a adaptabilidade”[15].


“Planeta Terra. Início do século XXI. Ainda sem contato com outros mundos habitados. Entre luz e sombra, descortina-se a pós-modernidade. O rótulo genérico abriga a mistura de estilos, a descrença no poder absoluto da razão, o desprestígio do Estado. A era da velocidade. A imagem acima do conteúdo. O efêmero e o volátil parecem derrotar o permanente e essencial. Vive-se a angústia do que não pôde ser e a perplexidade de um tempo sem verdades seguras. Uma época aparentemente pós-tudo: pós-marxista, pós-kelseniana, pós-freudiana”[16].


Sempre que nos deparamos com o surgimento de uma nova ordem jurídica fundamentada em novas bases, surge o grande desafio para legitimação do Direito. O Direito pós-moderno pode ser explicado com ajuda de dois institutos jurídicos já conhecidos: o pluralismo e a negociação.


O pluralismo funda-se na solidariedade ao editar normas jurídicas, na formação de centros de autonomia normativa como extenso do poder regulamentar do Estado. Já o instituto da negociação, segundo Chevallier[17], advém do consenso em torno qual a norma jurídica foi elaborada produto de um diálogo permanente entre gestores públicos e administrados.


A flexibilidade vista como pilar do Direito pós-moderno apresenta os caracteres de agilidade (quando o Direito passa a ser um instrumento de guia a serviço de políticas que o ultrapassam) e adaptabilidade (quando o Direito passa a adequar-se às novas situações que surgem).


Em meio aos diversos argumentos apresentados sobre os movimentos de privatização e publicização, perante a redefinição do papel e da atuação do Estado, na criação de novas categorias de relações entre este e a sociedade, verificamos várias tentativas de apropriação de uma esfera pela outra em virtude de interferências conseqüentes de vários fenômenos sociais como a globalização da economia, a desregulamentação de setores produtivos, as privatizações e parcerias público privadas, a expansão de grupos organizados para defesa e representação de parcelas da sociedade, criação de organismos coorporativos, fundações e organizações não-governamentais, alterando o campo de distinção entre o setor público e o privado e conseqüentemente a comunicação entre o Estado e a Sociedade.


A complexidade das relações sociais é o fator preponderante nesse novo contexto de apropriação de uma esfera pela outra, manifestados através da redefinição dos organismos estatais e da abertura à participação da sociedade na gestão da coisa pública. Cabe-nos questionar se essa nova concepção apresenta coerência com relação ao sistema administrativo brasileiro e conseqüentemente, na atuação estatal? Quais os efeitos que a busca deste novo aporte teórico entre o público e o privado pode operar na atuação administrativa perante o processo de dignificação da pessoa humana?


3. Administração Pública e poder comunicativo.


Partindo destes questionamentos, outra preocupação nos aponta: a questão da busca de uma nova legitimação para a Administração Pública uma vez que a sua repousava na legitimidade da própria lei e esta não é mais suficiente para fundamentar esta atuação que deixa de pautar-se pela legalidade lógico-formal da norma e assume outras formas democráticas de legitimação das funções estatais.


Não é por menos que esta questão do déficit de legitimação da Administração Pública é constante objeto de investigação filosófico-jurídica-política em especial, de preocupação do alemão Habermas[18], in verbis:


“Na moderna administração de prestações, avolumam-se os problemas a exigirem o escalonamento dos bens colectivos, a escolha entre fins concorrentes e a avaliação normativa de casos particulares. Para elaborá-los, de modo racional, tornam-se necessários discursos envolvendo a fundamentação e a aplicação, os quais extrapolam o quadro profissional de um preenchimento pragmático de tarefas. Nos casos em que a administração decide, guiada apenas por pontos de vista da eficiência, convém buscar filtros de legitimação, os quais podem ser cedidos pelo direito procedimental (…) Uma vez que a Administração, ao implementar programas de leis abertos, não pode abster-se de lançar mão de argumentos normativos, ela tem que se desenvolver através de formas de comunicação e procedimentos que satisfaçam às condições de legitimação do Estado de Direito.”


Neste contexto, é possível apontar dois possíveis “filtros de legitimação”, conforme a teoria de Habermas. O primeiro baseia-se na orientação da Administração Pública pelos princípios constitucionais conforme afirmávamos anteriormente; e o segundo seria a implementação do poder comunicativo e da participação popular para a legitimação das ações administrativas.


O poder comunicativo e a participação popular que Hermann Heller[19] trata como opinião pública em sua obra, faz com que haja uma identificação do poder estatal com a vontade do povo. A importância política destes institutos da democracia participativa garante a publicidade das ações administrativas e abre a possibilidade de discussão dos problemas sociais, fomentando a autoconsciência política dos administrados através de uma verdadeira manifestação da opinião pública e não somente opiniões teóricas, o que finda por influenciar na vida política.


4. Redefinição do papel e atuação do Estado na criação de novas categorias de relações entre este e a sociedade.


Quando nos propomos a analisar a participação popular e a atuação consensual do Estado sob o prisma do desenvolvimento da democracia participativa para o legítimo exercício da vontade popular devemos aprofundar a investigação sobre os rumos da liberdade social ante os ditames da democracia representativa.


Este confessado propósito está presente no pensamento de Paulo Bonavides quando declara que “democracia participativa e Estado social constituem, por conseguinte, axiomas que hão de permanecer invioláveis e invulneráveis, se os povos continentais da América Latina estiverem no decidido propósito de batalhar por um futuro que reside tão somente na democracia, na liberdade, no desenvolvimento”[20].


O respeitável autor é um dos maiores defensores da democracia participativa no nosso país por acreditar no exercício da cidadania como fator de resistência à alienação do processo mundial de globalização que, no seu entender, põe em risco a identidade nacional, a dignidade da pessoa humana e a soberania popular.


“Não há democracia sem participação. De sorte que a participação aponta para as forças sociais que vitalizam a democracia e lhe assinam o grau de eficácia e legitimidade no quadro social das relações de poder, bem como a extensão e abrangência desse fenômeno político numa sociedade repartida em classes ou em distintas esferas e categorias de interesses”[21].


Além da participação popular outra grande característica da democracia é o respeito aos direitos fundamentais do cidadão, à integridade humana[22]. Compreendendo assim que mesmo sendo recente o discurso da participação administrativa não basta garantir voz ativa ao povo, mas é necessário ouví-lo com respeito, conferindo eficácia àquilo que é possível ser implementado nas ações públicas.


À medida que as estruturas administrativas tradicionais se sobrecarregam através da implementação de novas tecnologias intensifica-se, “a crise das instituições da democracia representativa, aliada às novas configurações da própria atividade administrativa, denuncia o problema da falta de legitimidade democrática da Administração Pública, sobretudo nos domínios da atividade normativa e do poder discricionário. Abriu-se, pois, o espaço necessário para o desenvolvimento da participação administrativa” [23].


Considerações finais.


Não nos restam dúvidas que a crise da democracia representativa abriu espaço para a democracia participativa[24] mesmo que o seu início tenha sido retraído, o que no Brasil só começa a ocorrer após um movimento retórico da doutrina, pós Constituição Federal de 1988.


Com essa nova idéia, não se verifica de forma alguma o abandono ao modelo democrático liberal da democracia representativa, muito pelo contrário uma vez que este impulsiona a efetivação de um regime verdadeiramente democrático[25]. Assim, a participação social surge em virtude de dificuldades apresentadas pela democracia representativa com o objetivo de reforçar os mecanismos de controle sobre a atuação estatal. Mapeando seus institutos,  verificamos que estão sendo gradativamente substituídos pelos instrumentos de participativos ou de democracia semidireta.


Como bem se apresenta a participação popular vista como um instrumento de democracia pressupõe a existência e utilização de instrumentos institucionais relativamente novos como a iniciativa de leis e o referendo, que possibilitam mudanças no modo de atuação dos poderes e entidades estatais bem como alterações no relacionamento entre Estado e sociedade.


Apesar de não ser longínqua a apresentação pelos ordenamentos institucionais dos instrumentos democráticos participativos, no entanto, pode-se afirmar que nunca antes como na contemporaneidade dos movimentos jurídicos de conferiu tamanha relevância à participação popular como pressuposto para realização da democracia. Não nos referimos apenas a uma emissão de opinião, mas ao exercício consciente da cidadania política ativa através das técnicas postas.


 


Notas

[1] Hannah Arendt. A condição humana. Tradução Roberto Raposo, 10. ed., Rio de janeiro: Forense Universitária, 2000.

[2] Jürgen Habermas. Direito e Democracia entre facticidade e validade. Tradução Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997, vols. I e II.

[3] Silvério Carvalho Nunes. O Direito na pós-modernidade. In Luciano Ferraz; Fabrício Motta (orgs.). Direito Público Moderno – homenagem especial ao Professor Paulo Neves de Carvalho. Belo Horizonte: Del Rey, 2003, p. 93.

[4] Luciano Ferraz. Modernização da Administração Pública e auditorias de gestão. In Luciano Ferraz; Fabrício Motta (orgs.). Direito Público Moderno – homenagem especial ao Professor Paulo Neves de Carvalho. Belo Horizonte: Del Rey, 2003, p. 159.

[5] Patrícia Baptista. Transformações do direito administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2003, p. 108.

[6] Maria Tereza Fonseca Dias.  Direito Administrativo Pós-moderno. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003, p. 29.

[7] Boaventura de Sousa Santos. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência; para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 2. ed., São Paulo: Cortez, 2000, v.1.

[8] Jürgen Habermas apud Maria Tereza Fonseca Dias.  Direito Administrativo Pós-moderno. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003, p. 30.

[9] Paulo Bonavides. Teoria Constitucional da Democracia Participativa: por um Direito Constitucional de luta e resistência por uma Nova Hermenêutica por uma repolitização da legitimidade. 2 ed., São Paulo: Malheiros, 2003, p. 156.

[10] Floriano Peixoto de Azevedo Marques Neto. Regulação estatal e interesses públicos. São Paulo: Malheiros, 2002, p. 29.

[11] Maria Tereza Fonseca Dias.  Direito Administrativo Pós-moderno. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003, p. 34.

[12] Norbert Lechner. Los pátios interiores de la democracia – subjetividad y política. 2 ed., México: Fondo de Cultura Económica Carretera Picacho-Ajusco 227, 1995, pp.112-113.

[13] Jürgen Habermas apud  Marcelo Campos Galuppo.  Igualdade e diferença – Estado Democrático de Direito a partir do pensamento de Habermas. Belo Horizonte: Mandamentos, 2002, pp. 149-154.

[14] Jürgen Habermas apud Marcelo Campos Galuppo.  Igualdade e diferença – Estado Democrático de Direito a partir do pensamento de Habermas. Belo Horizonte: Mandamentos, 2002, p. 152.

[15] Maria Tereza Fonseca Dias.  Direito Administrativo Pós-moderno. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003, p. 35.

[16] Luís Roberto Barroso(org.).A nova interpretação constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas. Rio de Janeiro: Renovar, 2003, p. 2. A extração deste trecho da obra do Profº Barroso deve-se ao fato do seu discurso ser entusiasticamente poético e real como quanto diz “O Estado já não cuida de miudezas como pessoas, seus projetos e seus sonhos, e abandonou o discurso igualitário pelo emancipatório. O desemprego, o subemprego e a informalidade tornam as ruas lugares tristes e inseguros” (p.4). Preocupa-se o autor não só com os caminhos da democracia, mas com a abstenção provocada pelo movimento regulatório.

[17] Jaques Chevallier. Vers um droi post-moderne? Lês transformations de la régulation juridique. Revue du Droit publique: et de la science politique em France e à l’étranger. Paris, n. 3, p. 659-690, mai./juin/1998a. apud Maria Tereza Fonseca Dias.  Direito Administrativo Pós-moderno. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003, pp. 29-38.

[18] Jürgen Habermas. Direito e Democracia entre facticidade e validade. Tradução Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997, 2v., p. 184, apud. Patrícia Baptista. Transformações do direito administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2003, pp. 114-115.

[19] Hermann Heller. Tradução de Luis Tobio. Teoria del Estado. México: Fondo de Cultura Económica,1998, p. 223.

[20] Paulo Bonavides. Teoria Constitucional da Democracia Participativa: por um Direito Constitucional de luta e resistência por uma Nova Hermenêutica por uma repolitização da legitimidade. 2 ed., São Paulo: Malheiros, 2003, p. 9.

[21] Paulo Bonavides. Teoria Constitucional da Democracia Participativa: por um Direito Constitucional de luta e resistência por uma Nova Hermenêutica por uma repolitização da legitimidade. 2 ed., São Paulo: Malheiros, 2003, p. 51.

[22] José Joaquim Gomes Canotilho. Direito Constitucional e teoria da constituição. 2. ed., Coimbra: Almedina, 1998, p. 280.

[23] Patrícia Baptista. Transformações do direito administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2003, p. 126.

[24] José Joaquim Gomes Canotilho. Direito Constitucional e teoria da constituição. 2. ed., Coimbra: Almedina, 1998, pp. 336-338.

[25] BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992, p. 20.

Informações Sobre o Autor

Waleska Bezerra de Carvalho Vasconcelos

Professora titular do Centro Universitário de João Pessoa, Mestre em Ciências Jurídicas pela Universidade Federal da Paraíba.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais