Tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas nas licitações públicas inovação da Lei Complementar n° 123/06

0


As conseqüências amargas e incalculáveis da corrupção repercutem em diversos segmentos da vida em sociedade. Acabam afetando ricos e pobres. Povos antigos por vezes demonstraram sua aversão à corrupção na forma de clamores. Um dos profetas, Habacuque, expressou seu sentimento de indignação com relação às injustiças e corrupções cometidas. Ele escreveu: “…Até quando clamarei a ti por socorro contra a violência e tu não salvarás? Por que me fazes ver o que é prejudicial e continuas a olhar para a mera desgraça? E por que há assolação e violência diante de mim, e por que vem a haver altercação, e por que se sustenta contenda? Portanto, a lei fica entorpecida e a justiça nunca sai. Visto que o iníquo está em torno do justo, por isso a justiça sai pervertida.” Habacuque 1:1-4


Os atuais governos não estão imunes à corrupção. Podem ser minados por influências e pagamento de propinas. Nas licitações, o favorecimento de licitantes, em vez de um tratamento igualitário entre todos, é que corrompe o sistema. Não podemos negar que os clamores da sociedade por justiça e lisura na condução da máquina pública foram responsáveis pela elaboração de novas leis. Apesar de ainda existirem, as práticas de imoralidade administrativa diminuíram bastante com o advento da Lei de Licitações, em 1993. Também a Constituição, além de assegurar os direitos individuais, prima pela obrigatoriedade das licitações.


A igualdade entre os licitantes, princípio que impede a discriminação entre os participantes do certame ainda é o epicentro da licitação. “Seu desatendimento constitui a forma mais insidiosa de desvio de poder”, importando, inclusive, ato de improbidade administrativa. Desde dezembro de 2006 a Lei Federal n° 8.666/93 ganhou destaque com a publicação da Lei Complementar n° 123/06, com a inovação deste tratamento igualitário obrigatório. As microempresas e empresas de pequeno porte passam a ter um tratamento diferenciado, no intuito de promover o desenvolvimento regional dos municípios brasileiros.


Numa espécie de esboço aos primeiros comentários acerca da praticidade ou não desta nova lei, poderíamos comparar o novo modelo como um protótipo, embora já em vigor, tendo um assomo perfeito ao fim que se destina, porém inábil frente a algumas atuais realidades. Tal modelo poderia ser mais aceitável e realista se se permitisse a livre concorrência entre os participantes como na redação original da Lei 8.666/93, embora, da mesma forma, alguns aspectos devam ser questionados. Por exemplo, o legislador permitiu, por menos crível que pareça, a participação dessas pequenas empresas no certame ainda que sua regularidade fiscal esteja maculada. Assim dispõe o art. 42, onde a regularidade fiscal somente será exigida para fins de formalização e assinatura do instrumento contratual.


Como se não bastasse essa violação à igualdade, há ainda a possibilidade de regularização da documentação exigida pela microempresa e empresa de pequeno porte dois dias úteis após o encerramento do certame, caso se consagre vencedora. Menos gravoso tal assertiva legal foi assegurar apenas o seu favorecimento à participação mínima de três concorrentes enquadrados nesta condição de benefício, e aptas a arcarem com as obrigações assumidas, sob pena de descumprimento, como disposto no art. 81 da Lei de Licitações.


No caso de empate, e na dicção do art. 44, §§ 1° e 2° da Lei Complementar, entenda como as propostas até 10% (dez por cento) superiores às apresentadas pela pessoa jurídica não enquadrada como microempresa ou EPP haverá a possibilidade de favorecimento dessas pequenas e microempresas. Isso para os casos de Licitação na modalidade Carta-Convite, ou seja, apenas para as compras que atinjam patamares de até R$ 80.000,00 (oitenta mil reais). Para a modalidade Pregão, o percentual de empate é de até 5% (cinco por cento) da menor proposta final de lance.


Quando houver uma proposta válida de menor preço e que não seja de microempresas e EPP’s, e estejam dentro da margem de empate, estas poderão novamente ofertar lances a fim de abaixarem seus preços e sagrarem-se vencedoras. Por outro lado, ocorrendo empate entre as microempresas e EPP’s estas ensejarão um sorteio para definir a ordem em que poderão ofertar lances menores que o “vencedor” original. Estranho como pareça, o legislador previu um prazo de 5 (cinco) minutos para formulação de novas propostas inferiores, sob pena de preclusão, para a modalidade Pregão. Se não ofertarem preços menores será adjudicado à vencedora original o produto ou serviço. Para Carta-Convite, pelo menos da intelecção do art. 45, I, o legislador permitiu a apresentação de nova proposta “de preço inferior àquela considerada vencedora do certame”, porém não definiu a forma tampouco o prazo para tal manifestação.


Analisando alguns pomos de discórdia que porventura surgirão, a atual redação da Lei permitirá injustiças. Não necessariamente requer que a nova proposta formulada atinja percentuais inferiores consideráveis. Se assim desejarem, poderão as pessoas jurídicas beneficiadas pela nova Lei em comento patrocinarem percentuais ínfimos apenas para abaixar o preço vencedor. Assim, frustraria não a aquisição de bens e serviços por preços mais acessíveis, até porque esta se concretizou em razão de um preço realmente menor, embora de poucos centavos, mas o caráter competitivo da licitação, deixando de “assegurar igualdade de condições a todos os concorrentes”.


Deverá sim haver mecanismos que impulsionem o desenvolvimento econômico e social precipuamente nos rincões do Brasil, mas empregá-los em todas as compras talvez não se traduza em benefícios para a região ou município. Microempresas e empresas de pequeno porte têm em seus quadros uma quantidade menor de funcionários, ao passo que grandes empresas, em que pese o pequeno vulto das compras, em alguns casos, com condições de oferta mais vantajosas, poderão nem participar de novos certames. Uma coisa é tratar as microempresas e EPP’s com diferença quando concorrem com grandes empresas, até porque neste caso a grande empresa, com condições de preços melhores, forçaria a queda dos preços; mas outra coisa é concorrerem entre si pequenas empresas que – me parece – dificilmente abaixarão seus preços aos níveis conseguidos pelas grandes empresas, ainda mais porque a Lei se aplica apenas se a oferta vencedora não tiver sido oriunda de microempresa ou EPP, art. 45, § 2°. E se o resultado será uma maior onerosidade para os municípios, deverá ser descartada essa hipótese de preferência na contratação, consoante art. 49, III da Lei Complementar.


Outra novidade é a desconstituição do caráter personalíssimo da obrigação assumida com a possibilidade de subcontratação pela licitante vencedora, desde que microempresa ou EPP e que não transcenda o limite de 30% (trinta por cento) do valor total adjudicado, cujos pagamentos poderão ser feitos diretamente a estas subcontratadas. De mais a mais, para confirmar e garantir o efetivo emprego dos ditames desta Lei reservou-se a possibilidade de realização de certames com garantia de 25% (vinte e cinco por cento) do total do objeto licitado, para bens e serviços de naturezas divisíveis, às beneficiárias desta Lei. Além de garantir, durante um exercício inteiro, um total de igual percentual para que a Administração Pública realize procedimentos licitatórios conforme o beneplácito de favorecimento a essas pequenas e importantes impulsionadoras da economia brasileira.


Não quer dizer, noutra vertente, que os percentuais e formas de licitação dispostos no art. 48 deverão ser sempre utilizados. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira traduz a palavra “poderá”, assim disposta como faculdade da Administração Pública em realizar licitações desta natureza, como, também, “ter ocasião ou oportunidade, a razão ou o motivo de”. Sempre que julgar adequada a ocasião e as razões forem inequívocas e relevantes o Administrador poderá realizar licitações desta forma. Se não vislumbrar a eficiência ao fim público que se destina a licitação, não haverá motivo nem razão para a compra atendendo ao dispositivo legal Complementar.


A sensatez já dita que enormes expectativas envolvem o risco de decepções. Quão duradoura e eficaz será a nova Lei e até que ponto esta contribuirá para o desaparecimento de grandes empresas nos certames só o tempo poderá nos dar a resposta. As opiniões talvez divirjam mais do que a distância que separa o céu da terra. Com a publicação e conseqüente entrada em vigor desta Lei, talvez vejamos o auspício de microempresas e EPP’s interessadas unicamente em protelar o certame, quiçá, solapar os direitos das outras pessoas jurídicas concorrentes, com representantes habilidosamente treinados para tal fim capcioso. Caberá, então, às Comissões de Licitação e aos Pregoeiros o prudente critério de desmascarar falsas lutas pelo direito, muito mais letais que o enfrentamento de realidades inexoráveis à sobrevivência desses pequenos empresários no mercado, guindados a uma posição diferenciada para o bem-estar da região. Para as grandes empresas, receio que a “lei fique entorpecida” e não haja tratamento justo. E a menos que o senso de igualdade passe a operar em cada Administrador público, será inútil clamar por ela.



Informações Sobre o Autor

Bruno Soares de Souza

Acadêmico do Curso de Direito das Faculdades Integradas do Oeste de Minas – FADOM/Divinópolis/MG


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais