O cálculo da produtividade da produção mineral no Brasil através do DNPM para reforma agrária

0

Resumo: Tendo em vista a necessidade de uma fiscalização da produção mineral nesse país, somada a mais um mecanismo de apoio para procedimento de aplicação da reforma agrária, vislumbrou-se o debate de criação de um cálculo em propriedade rural de empresa de mineração com concessão para lavra pelo Departamento Nacional de Produção Mineral.


Palavras chaves: produtividade, mineração, reforma agrária.


Abstract: Given the need for a review of mineral production in that country, plus an additional support mechanism for implementation procedure of land reform, the debate is envisioned to create a calculation in a farm business with the mining lease for mining National Department of Mineral Production.


Keywords: productivity, mining, land reform.


A celeuma tratativa deste texto refletirá da constituição do cálculo da produtividade mineral para fins de reforma agrária. Hoje, somente aplicado a pecuária e a produção vegetal como critério de índice de rentabilidade do imóvel rural estabelecido pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA).


Tal órgão é o gestor da Política de Reforma Agrária, inegável responsabilidade nas desapropriações por não aproveitamento econômico pelos proprietários rurais, salvo exceções legais. Enquanto isso, a atividade minerária nesse país não tem um parâmetro similar de cálculos tanto do GUT – Grau de Utilização da Terra – e GEE – Grau de Eficiência de Exploração.


Apesar do serviço minerário ser mais agressivo ao meio ambiente do que os outros tipos explorações econômicas do imóvel rural, a mineração é um setor extremamente importante no desenvolvimento e crescimento do Brasil.


Deve-se ressaltar que mesmo a atividade minerária não sendo objeto de estudo do direito agrário e ambiental, a mineração está interligada com esses dois campos, principalmente desde o início descobrimento do Brasil, por referir-se ao mesmo objeto, propriedade rural.


O setor minerário desse país tem se mantido como responsável por grandes transformações benignas e malignas ambientais, sociais e econômicas. Não se deve desprezar sua potencialidade com um maior rigor de fiscalização, mesmo sabendo da sua importância para o desenvolvimento do Brasil.


Por isso, a necessidade de trabalhar a natureza com o meio minerário de forma sustentável para inclusive criar um cálculo de produtividade que leva em consideração o aproveitamento do subsolo para não perder a concessão de exploração mineral concedida pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).


Um dos escopos do INCRA é a busca incessante por áreas consideradas improdutivas para fins de reforma agrária, in casu, o produtor rural. No entanto, o explorador de minérios não tem sua atividade inclusa num índice de rendimento para produtividade da atividade que explora.


Somente é aplicado cálculo de produtividade para a agricultura e pecuária, levando em consideração, desde o início, com a Instrução Normativa nº 19/1980: vale destacar a existência de cálculos diferenciados por região, sendo estes fiscalizados pelo INCRA.


A Lei Federal nº 8.629/93, tratativa da regulamentação dos dispositivos relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CRFB/88), traz em seu artigo 9º:


Art. 9º A função social é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo graus e critérios estabelecidos nesta lei, os seguintes requisitos:


I – aproveitamento racional e adequado;


II – utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente;


III – observância das disposições que regulam as relações de trabalho;


IV – exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.


 Mais adiante o artigo 10 da mesma Lei diz:


Art. 10. Para efeito do que dispõe esta lei, consideram-se não aproveitáveis:


I – as áreas ocupadas por construções e instalações, excetuadas aquelas destinadas a fins produtivos, como estufas, viveiros, sementeiros, tanques de reprodução e criação de peixes e outros semelhantes;


II – as áreas comprovadamente imprestáveis para qualquer tipo de exploração agrícola, pecuária, florestal ou extrativa vegetal;


III – as áreas sob efetiva exploração mineral;


IV – as áreas de efetiva preservação permanente e demais áreas protegidas por legislação relativa à conservação dos recursos naturais e à preservação do meio ambiente.” (Negritação Nossa)


Já a Carta Política de 1988, em seu artigo 184, estabelece ser insuscetível de desapropriação para fins de reforma agrária a propriedade produtiva.


Ora, respeitado determinados critérios regionais, um cálculo de produtividade estabelecido pelo DNPM estabeleceria um parâmetro qualificado de aproveitamento da exploração minerária neste país, com isso o subsolo explorado pela atividade minerária serviria de base para melhor trabalho fiscalização, não só do DNPM, mas das autoridades ambientais e trabalhistas. 


Já que, caso a empresa ou responsável pela exploração de minerários não atingissem determinado patamar poderia ser levado laudo pericial mineralógico do DNPM levaria a perda da concessão de tal atividade.


Além de estarem cumprindo a CRFB/88, essas duas entidades estariam trabalhando do crescimento e do desenvolvimento do Brasil de uma forma mais sólida e responsável.


A par disso, não só o produtor rural (pecuarista e agricultor), mas, também, o responsável pela exploração mineral deverá estar atento a ter uma produção mínima a ser estabelecido pelo DNPM. 


Pois então, ao confeccionar pelo DNMP um método de rendimento de produtividade de imóvel rural que produz minérios, o responsável pela atividade minerária também deverá cumprir com mais rigor ainda as áreas ambientais e trabalhistas.


O cálculo de produtividade realizado periodicamente forneceria ao explorador minerário dados sobre a situação do imóvel, podendo tomar as medidas que forem necessárias antes de ocorrer uma vistoria do DNPM.


Diante disso, será de fundamental importância a realização da blindagem, pois prevenirá o subsolo em relação às futuras vistorias do órgão competente.


A devida blindagem nada mais seria que uma forma de prevenir, onde explorador minerário conseguiria obter informações a respeito de sua produção e assegurar a posse de sua propriedade, evitando assim a utilização do solo e subsolo somente para interesses próprios.


Salienta-se, no entanto, a inteligência do artigo 87 do Decreto-lei nº 1.985, de 29 de janeiro de 1940, Código de Minas, que dispõe que o sobrestamento, da atividade mineradora, não é possível, verbis:


Art. 87 – Não se impedirá por ação judicial de quem quer que seja o prosseguimento da pesquisa ou lavra”.


Parágrafo único – Após a decretação do litígio, será procedida a necessária vistoria a fim de evitar-se solução de continuidade dos trabalhos“.


Não obstante, o cálculo de produtividade do solo, hodiernamente regulamentado, afetar somente a pecuária e a agricultura, a exploração minerária não pode ficar sem uma fiscalização da sua produtividade no subsolo de propriedade da União em todo território nacional.


Mesmo pertencente à União, o subsolo explorado pela atividade minerária não deve ficar isenta da concepção de critérios para cálculo de produtividade na extração de minérios.


Tanto a pecuária quanto a agricultura tem papel importante no desenvolvimento e crescimento social e econômico deste país, dessa forma o setor minerário também empreende suporte salutar no cenário brasileiro.


Compulsada a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, encontramos o sucinto procedimento para desapropriação para reforma agrária neste país:


Art. 184. Compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei.


§ 1º – As benfeitorias úteis e necessárias serão indenizadas em dinheiro.


§ 2º – O decreto que declarar o imóvel como de interesse social, para fins de reforma agrária, autoriza a União a propor a ação de desapropriação.


§ 3º – Cabe à lei complementar estabelecer procedimento contraditório especial, de rito sumário, para o processo judicial de desapropriação.


§ 4º – O orçamento fixará anualmente o volume total de títulos da dívida agrária, assim como o montante de recursos para atender ao programa de reforma agrária no exercício.


§ 5º – São isentas de impostos federais, estaduais e municipais as operações de transferência de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária.


Art. 185. São insuscetíveis de desapropriação para fins de reforma agrária:


I – a pequena e média propriedade rural, assim definida em lei, desde que seu proprietário não possua outra;


II – a propriedade produtiva.


Parágrafo único. A lei garantirá tratamento especial à propriedade produtiva e fixará normas para o cumprimento dos requisitos relativos a sua função social.


Art. 186. A função social é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei, aos seguintes requisitos:


I – aproveitamento racional e adequado;


II – utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente;


III – observância das disposições que regulam as relações de trabalho;


IV – exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.


Apesar do artigo 184 acima referir-se a imóvel rural o subsolo pertencer a União, poderia caber a aplicação da desapropriação do mesmo, caso o explorador minerária fosse o próprio proprietário do bem, ou a perda da concessão pelo DNPM se não atingissem uma rentabilidade mínima de produção a ser estabelecida por este órgão.


Ora, o entendimento é complexo, mas não podemos fugir de enfrentá-lo. Assim, caso uma empresa mineradora ou um empresário não utilizassem do imóvel que tem capacidade e vocação para mineração e deixassem o imóvel parado, pois tinha em mãos a concessão de exploração fornecida pelo DNPM solicitada pelas mesmas.


Haveria a possibilidade do processo de desapropriação do imóvel na descrição acima, assim como ocorreu no caso abaixo:


Desapropriação. Reforma Agrária. Valor de Indenização. Área Degradada por Ação Extrativista Mineral. Cobertura Florística. Indenização em Separado. Constitucionalidade do art. 12 da Lei Federal n.º 8.629/1993. Benfeitorias Realizadas por Terceiros.” AC 2004.01.00.015944-8/RO, Rel. Juiz Guilherme Doehler (convocado), julgado em 05/07/05.


Sendo que os mecanismos do cálculo de produtividade aplicados em áreas não aproveitadas ou aproveitadas com ínfima produção estariam submetidos à fiscalização do DNPM para averiguar o seu aproveitamento, caso contrário, apresentassem baixa expectativa de rentabilidade estariam possivelmente submetidas em reforma agrária.


Dessa forma, haveria mais embasamento técnico para realizar a desapropriação de imóvel não aproveitado na área de mineração e que seria de extrema importância para a reforma agrária desse país, consequentemente, melhor aplicação da justiça social e distribuição de renda.


 


Fonte:





Informações Sobre o Autor

Luciano Francisco de Oliveira Novais

Graduado Bacharel em Direito/UFG, Especialista Direito Processual Penal/UFG e Especializando em Direito Agrário e Ambiental/UFG. Técnico Judiciário Bacharel em Direito concursado no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais