Teoria da democracia

0

Sumário: 1- Abertura temática; 2- A ideologia da democracia pela maioria; 3- Democracia pelos destinatários da norma; 4- O processo constitucional como discurso institucionalizado; 5- Resumo.


1- ABERTURA TEMÁTICA


Democracia é uma palavra bonita e fácil de falar, mas de difícil compreensão. Primeiro, é preciso definir com clareza o que se entende por Teoria da Democracia. Depois, resta o penoso e delicado problema de saber o que é um Estado de Direito Democrático (art. 1º CB/88). No entanto, há ainda quem sustente que Democracia é o governo do povo, pelo povo e para o povo. Esse é um slogam de um dos discursos mais conhecidos. É uma retórica que nem chega perto da tensão que a palavra Democracia carrega. Discursos como esse, disfarçados de Democracia, transformaram-se na tragédia do Holocausto. O tema é muito mais complexo. Aliás, a palavra Povo exige certa precaução já sinalizada por Friedrich Müller[1] em estudo específico sobre o tema. Em uma sociedade nacional, organizada em estruturas complexas, como a brasileira, é preferível falar em cidadãos. É mais exato e elegante. A palavra Povo é repleta de equívocos. Não explica nada ou muito pouco. Daí, nossa preferência para um estudo voltado a pesquisar quem é o Cidadão?


A Constituição de 1988 trouxe a Democracia de volta, se é que o Brasil um dia teve Democracia estável e segura. Basta relembrarmos o período de distorção lamentável de 1964 a 1985. Há alguns anos, entretanto, estamos sofrendo a falta de implementação das regras do Estado de Direito Democrático, pois a imensa maioria ainda não trabalha indexada a esse marco teórico. As poucas Universidades grandes e pensantes, no Brasil, por intermédio da pós-graduação, começaram, nos últimos anos, a tomar iniciativas para desenvolver novas idéias e conhecimentos.


Os Estados Unidos foram um dos primeiros países, na modernidade, a enfrentar os sérios problemas de racismo. No século 20 a luta contra o terrorismo provocou preocupações com as minorias. Economia, hoje, é o meio científico mais adequado para comprovação da exclusão social. Até onde as pessoas vão compactuar com a afirmação de que democracia é o governo da maioria? Quanto tempo levará para rejeitarmos definitivamente essa visão de que onde uma maioria governa a minoria não teria direitos assegurados? Por que, então, falar em Minorias e Democracia no Brasil?.[2]


2- A IDEOLOGIA DA DEMOCRACIA PELA MAIORIA


É óbvio que é impossível ter a ciência atrelada à ideologia. São excludentes. A ideologia não esclarece o discurso. Torna-o obscuro. O que se impõe distinguir, no Direito do terceiro milênio, é como já mencionamos o esclarecimento das teorias. Exemplo desse estudo é o de Carlos Walter, [3] que ao apontar, lineamentos para a compreensão da Democracia, sinalizou os entraves ideológicos à exeqüibilidade do planejamento demarcado no texto constitucional brasileiro vigente. O Direito assim estudado, por meio de uma situação conjeturada e submetida à crítica é que permite que o “progresso do conhecimento venha de problemas velhos para novos problemas”.[4]


Assim, os Estados Unidos não eram democráticos em 1800, pois utilizavam a escravidão. A França, em 1789, defendia a democracia, mas, na Constituição de 1791, a regra era a de que só era considerado “cidadão” o homem (não a mulher), acima de 35 anos e que conseguisse comprovar renda de três dias de trabalho no distrito onde morava. Certos pensadores, todavia, têm feito sérias afirmações ao apontar alguns países como democráticos por existirem, tão-somente, eleições. Dessa forma, pelo critério do voto, aparecem desvios que produziram teorias imaginativas, nunca Democracia.


Percebe-se, dessa forma, que a massa de eleitores é a primeira vítima. Muitos entendem que o eixo da democracia está no voto e, por isso, fazem ramificações do problema pela conexão democracia-voto-cidadania. A partir dessa conclusão, dizem que a aquisição da cidadania, na democracia, dá-se mediante a retirada do título de eleitor. [5] Não podemos pensar assim. Essas explicações foram malogradas, pois, ainda, emboscam-se por trás da complexidade da Teoria da Democracia, que se exerce pelo cumprimento da Constituição, que é um projeto assegurado por lei para ser operacionalizado por todos (maiorias e minorias).


Por conseguinte, o voto deve ser visto como uma parcela mínima da democracia, uma vez que o povo não se inclui no sistema somente pelos direitos políticos, mas pelo cumprimento de outros direitos fundamentais, que passam, obviamente, pelo exercício do Devido Processo Constitucional (reivindicação e fiscalização).  Com isso, deve-se admitir que, no sentido até aqui exposto, o conceito de cidadania continua corrigível, ou seja, passível de ser substituído por um melhor. Se considerarmos isso, veremos que melhor se explica a cidadania como “um deliberado vínculo jurídico-político-constitucional que qualifica o indivíduo como condutor de decisões, construtor e reconstrutor do ordenamento jurídico da sociedade a que se filiou”.[6] Tudo isso pode ser resumido pela ótica de que a cidadania é o fundamento da democracia.


A Democracia é um sistema exercível pelos cidadãos (destinatários do direito), os quais não podem ser infantilizados por um Estado maternal (doação de direito/assistencialismo), como se fossem apenas consumidores, e não gestores-fiscalizadores do Direito.  De todo modo, quando se diz que a sociedade não está praticando democracia, o que está havendo é uma confissão de omissão dos operacionalizadores do sistema (cidadãos e instituições), na execução da Constituição (projeto democrático).


Em contrapartida, há democracia quando a Constituição é observada por todos (Cidadãos, Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público, Defensoria Pública, Universidades, Escolas, etc…) e mesmo quando não houver aplicação do Texto Constitucional, é necessário que haja possibilidade de exigir os direitos fundamentais por via das chamadas ações constitucionais (mandado de segurança, habeas corpus, ação popular, habeas data, mandado de injunção e ações de inconstitucionalidade), as quais estão à disposição do cidadão na Constituição, como meio de inclusão de todos no sistema jurídico. Se de tudo ainda existir alguém (analfabetos) que não saibam ou tenham dificuldade de exigir o cumprimento desse projeto constitucional. É necessário que haja Instituições Públicas aptas a representá-los (Defensoria Pública, Ministério Público, Magistratura, OAB, Parlamentos). Somente assim, é possível falar em uma implementação democrática lenta, gradual e segura. Dessa forma, articular um multiculturalismo, para que a maioria não exclua a minoria, só é possível pela Teoria do Discurso (Direito Processual Constitucional).


Segundo Habermas, os “cidadãos só podem fazer uso adequado de sua autonomia pública quando são independentes o bastante, em razão de uma autonomia privada que esteja equanimemente assegurada;”[7] Assim, conclui-se que a Constituição Brasileira (Estado de Direito Democrático e não Social de Direito) assegura direitos às minorias e, também, procedimentos efetivadores (ações constitucionais) para reivindicá-los, por elas mesmas ou por seus representantes.


Como se vê, esse insólito raciocínio de similitude entre democracia e maioria, como bem anota Paulo Otero,[8] deve ser repudiado, pois a exacerbação do princípio revelador da vontade maioritária como critério decisório de verdade, poderá levar a um totalitarismo extremado, tal qual ocorreu nas deliberações parlamentares na Alemanha nazi e na Rússia estalinista. Talvez, por essas razões, muitos países ainda tenham dificuldades de operacionalizar e implementar a Teoria da Democracia.


De fato, na história pela conquista do poder percebe-se que a necessidade de apelar a uma parte considerável da população fez com que houvesse a divinização do princípio maioritário, o qual elevado à categoria de fonte de verdade expressa na lei, acabou “por fazer sucumbir às suas próprias mãos a democracia, assistindo-se a instauração de um totalitarismo democraticamente legitimado,”[9] no qual a democracia converteu-se em uma palavra vazia, originando um modelo paradoxal de democracia antidemocrática. Portanto, já é tempo de pensar a quebra desse princípio majoritário, como defendido por Locke, [10] onde “a maioria tem a prerrogativa de agir e resolver por todos”, pois vem propiciando a utilização de uma ideologia intencionalmente falsificante, mascaradora e ocultadora da realidade e, com isso, um retorno ao pensamento perturbador de enquadramento teórico da decisão pela autoridade-vontade-maioria, o que não encontra guarida nas democracias da modernidade.


3- DEMOCRACIA PELOS DESTINATÁRIOS DA NORMA


No século XX, o filósofo Karl Popper (1902-94) apresentou ao mundo sua versão de ciência, com grande persuasão, a qual foi fundamental para marcar o cenário das idéias científicas até hoje. Seu livro “A Sociedade Aberta e seus Inimigos”[11] tornou-se uma linha segura de pesquisa, uma vez que o pensamento crítico defendido por ele é favorecido em uma sociedade democrática,[12] que assegure o máximo possível de liberdade e tolerância. Nesse caso, todos são livres para formar suas opiniões e discuti-las criticamente entre os outros. Na síntese de sua teoria, o conceito de sociedade fechada passa a ser visto como tribo, por não existir multiculturalismo. Com efeito, para o Filósofo da Ciência, “a transição da sociedade fechada para a aberta pode ser descrita como uma das mais profundas e significativas revoluções por que passou a humanidade”[13] preconizando que a lei só pode ser feita e alterada pelo homem.[14] Daí é que na  construção da Sociedade Aberta, a “democracia seria aquele governo onde é possível a substituição institucional dos governantes […].” [15]


Nesse sentido, o que o argumento popperiano sugere é um ataque à ideologia platônica em razão do subjetivismo do elemento autoridade, o que o fez colocar a obra de Platão[16] (A República) como alvo de ferrenhas críticas, justamente por esse acreditar na superioridade mítica (altamente purificada) dos sábios, em dirigir e governar. Por conseguinte, na busca da neutralidade de qualquer privilégio natural, Popper acaba atribuindo a Platão a responsabilidade por implementar um retrocesso ao tribalismo, identificando sua ideologia com o totalitarismo e com o racismo,[17] algo totalmente contrário à Sociedade Aberta, que é baseada em “instituições democráticas que aceitam a convivência com todas as idéias alternativas cuja defesa se dê no campo da argumentação racional”.


Mesmo depois que Popper , na década de 70, publicou seus estudos contra os inimigos da democracia, algumas políticas liberalizantes continuaram sendo expostas, mas acabaram obscurecidas, como por exemplo, a idéia de elitismo democrático (administração de especialistas), segundo a qual, a democracia passaria a ser vista como um processo de tomada de decisões pelas melhores mentes (ápice do saber). Sem dúvida, a defesa dessa afirmação é um grande embaraço.


O problema é que a maioria pensa a Democracia a partir do consenso, não do conflito (divergência). Para nós, há Democracia quando esses dois pontos são observados: o direito ao conflito e o respeito à divergência. Evidente, portanto, que na democracia moderna, existe a ausência de um ponto de equilíbrio, uma harmonia definitiva, o que deixa a instituição sempre aberta a reivindicações e possibilidades ainda a realizar.


Mesmo que a democracia, na visão moderna, apresente distorções, a postura de fazer da democracia a melhor forma de convivência[18] é visivelmente equivocada, se visualizarmos a autonomia do indivíduo (todos os indivíduos) fora dos perfis do processo como direito-garantia constitucional.


Em desfecho conclusivo, resta claro que em regra geral as teorias democráticas existentes (elitismo democrático) a democracia não é estudada por meio da Instituição do Processo.


4- O PROCESSO CONSTITUCIONAL COMO DISCURSO INSTITUCIONALIZADO


Temos, então, que é preferível falar em sociedades abertas e democráticas, porque são mais receptivas à discussão crítica e, por conseqüência, a correções dos erros sociais pelo Direito.[19]


É em Francis Wolff que encontramos um estudo bem elaborado sobre o discurso por intermédio do pensamento crítico, o qual demonstra que o nascimento da razão surgiu com a prática discursiva e com o advento da democracia e que o discurso da verdade, feito no século V, na Grécia, reconhecia apenas a figura do locutor “(poeta, advinho, rei de justiça)”, [20] pois somente esse era autorizado a enunciar verdades por meio do discurso de autoridade. Segundo Wolff,[21] nessa época, reconhecia-se apenas o locutor autorizado.


O estudo do discurso, como Wolff apresenta, é importante para a compreensão de que, nas democracias modernas, o cidadão não pode mais aceitar qualquer discurso de forma unilateral, pois para efetivar a democracia política é necessário o abandono do discurso de autoridade. Essa forma de atribuição democrática é importantíssima para se evitar, tanto quanto possível, os erros do passado no que diz respeito à aceitação das verdades já julgadas.


Com base nesse argumento, Wolff resumiu, de forma lúcida, que a instituição da democracia é a rejeição do locutor autorizado, do insubstituível, monopolizador do discurso de autoridade e é exatamente em busca desse modelo que “a democracia é por excelência o regime do discurso, isto é, da palavra pública […] toda decisão (política, jurídica ou judiciária) supõe a discussão aberta, a confrontação explícita das posições das partes presentes, a exposição a todos de razões válidas para todos, o estabelecimento em comum dos valores comuns. De modo que, na democracia, a política se confunde com o intercambiável, tanto por seus objetos (o político é discutível) como por sua forma (publicidade dos debates, transmissibilidade das opiniões).”[22]


Essa advertência faz com que haja um comprometimento com a sociedade aberta para a qual tanto o locutor quanto o interlocutor são “uma pura função sem sujeito”,[23] isto é, qualquer um na sociedade democrática poderia, segundo Wolff, realizar essas funções, pois toda pessoa é “substituível indefinidamente”.


Um dos entraves filosófico-processual-constitucional, para se falar em legitimidade no Direito, foi a referência obrigatória na figura isolada do sujeito. Foi Habermas,[24] em Direito e Democracia, que transformou lentamente a legitimidade do Direito em Teoria da Legitimidade.


As respostas para a integração de sociedades multiculturais deveria, portanto, vir de uma teoria discursiva. Assim, um dos seus objetivos foi solucionar os problemas da contemporaneidade. Ao defendê-la frente às dificuldades do mundo da vida (diversidade das formas culturais de vida) preconizou que tais problemas só poderão ser resolvidos sob o prisma da Teoria do Discurso que, para ser efetivada, deve desenvolver-se através do diálogo exercido pelos denominados atores sociais.


Dessa forma, Habermas conclui que o Direito é a instituição hábil  a promover a integração e a dar respostas satisfatórias em sociedades multiculturais. É por isso que temos o processo constitucional como o oportunizador do discurso (contraditado em isonomia), institucionalizado nas sociedades democráticas. Ou seja, a legitimidade do Direito, no mundo moderno, é obtida por intermédio do Princípio do Discurso (ampla defesa, contraditório e igualdade), o qual é encontrado no estudo da Teoria do Processo. Na produção[25] do Direito (devido processo legislativo) e na aplicação[26] do Direito (devido processo legal).


É exatamente aí que o filósofo francês, Francis Wolff oferece um excelente material aproveitável para o esclarecimento de instituições jurídicas como o Processo Constitucional, ao descrever sobre o sistema democrático, tendo em vista a preocupação em estabelecer um equilíbrio por meio de princípios discursivos como a Isonomia, Isegoria e a Isocrítica que legitimam o discurso na Democracia.[27]


Considerações dessa ordem ajudam a entender como a igualdade constitucionalizada (isonomia) interessa ao estudo do provimento, para que haja, na base de sua preparação, a igualdade processual de todos em sua participação; capacidade de todos em distinguir e, não, admitir um discurso, substituindo-o por um melhor (isocrítica), o que ocorreria por intermédio da legitimação dos destinatários das normas para que possam desenvolver seus discursos críticos, por meio do controle de constitucionalidade; e, por fim, a igualdade dialógica que é a igualdade de todos estarem em posições equânimes de comunicação discursiva dentro de um espaço político-jurídico (isegoria).


Esse espaço-político-jurídico (criação e aplicação) do Direito, num Estado Democrático, caracterizado pela discussão crítica, cria-se, afirma-se e legitima-se pelo Processo Constitucional, produzindo a garantia dos direitos das minorias e maiorias por intermédio dos princípios constitucionalmente fundamentais do Processo.


 


Bibliografia

BOBBIO, Norberto. Teoria geral da política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Rio de Janeiro: Campus, 2000, p. 422.

CATTONI, Marcelo. Minorias e Democracia no Brasil. Revista eletrônica da PUC-Minas. (virtuajus) www.fmd.pucminas.br, dezembro de 2005.

DEL NEGRI, André. Controle de constitucionalidade no processo legislativo. Belo Horizonte: Fórum, 2003.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro. São Paulo: Loyola, 2002.

__________. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler.  Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997. v.2.

LEAL, Rosemiro Pereira. Relativização inconstitucional da coisa julgada: temática processual e reflexões jurídicas. Del Rey: Belo Horizonte, 2005.

__________. Processo civil e sociedade civil. Revista eletrônica da PUC-Minas (virtuajus). www.fmd.pucminas.br, dezembro de 2005.

___________. Teoria do processual da decisão jurídica. São Paulo: Landy, 2002.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o Governo. São Paulo: Martin Claret, 2002, p.76.

MÜLLER, Friedrich. Quem é o povo? A questão fundamental da democracia. Tradução de Peter Naumann.  São Paulo: Max Limonad, 2000.

NEIVA, Eduardo. O racionalismo crítico de Popper. Rio de Janeiro: Francisco Alves: 1999.

OTERO, Paulo. A democracia totalitária: Do Estado totalitário à sociedade totalitária. A influência do totalitarismo na democracia do século XXI. Lisboa: Principia, 2001.

PEREIRA, Júlio César R.  A estrutura de uma sociedade aberta . In: BARROS, Roque Spencer Maciel de; CAPONI, Gustavo; CARVALHO, Maria Cecília; PEREIRA, Júlio César R. (Org).  Popper; as aventuras da racionalidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995. p.117-144. (Coleção Filosofia).

POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1987, v.1.

___________. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária.. Belo Horizonte: Itatiaia, 1999.

SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 1998.

WALTER, Carlos Humberto. Apontamentos para a compreensão do discurso  jurídico da democracia. 2006. Dissertação (Mestrado em Direito) Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura –FUMEC. Belo Horizonte, Disponível em: www.fch.fumec.br/fch/Mestrado/banco.asp

WOLFF, Francis.  Nascimento da razão, origem da crise. In: CHAUÍ, Marilena; LEFORT, Claude; NOVAIS, Adauto. (Org.). A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

 

Notas:

[1] MÜLLER, Friedrich. Quem é o povo? A questão fundamental da democracia. Tradução de Peter Naumann.  São Paulo: Max Limonad, 2000.

[2] CATTONI, Marcelo. Minorias e Democracia no Brasil. Revista eletrônica da PUC-Minas. (virtuajus) www.fmd.pucminas.br.

[3] WALTER, Carlos Humberto. Apontamentos para a compreensão do discurso  jurídico da democracia. 2006. Dissertação (Mestrado em Direito) Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura –FUMEC. Belo Horizonte, Disponível em: www.fch.fumec.br/fch/Mestrado/banco.asp

[4] POPPER, Karl. Conhecimento objetivo. Belo Horizonte: Itatiaia, 1999, p. 238.

[5] SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 1998, p. 347.

[6] LEAL, Rosemiro Pereira. Teoria do processual da decisão jurídica. São Paulo: Landy, 2002, p. 151.

[7] HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro. São Paulo: Loyola, 2002, p. 294.

[8] OTERO, Paulo. A democracia totalitária: Do Estado totalitário à sociedade totalitária. A influência do totalitarismo na democracia do século XXI. Lisboa: Principia, 2001. p. 171-172.

[9] OTERO, Paulo. A democracia totalitária, 2001, p. 172.

[10] LOCKE, John. Segundo tratado sobre o Governo. São Paulo: Martin Claret, 2002, p.76.

[11] POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos. Belo Horizonte: Iatiaia, 1987, v.1 e v2.

[12] POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1987, Tomo 1 e 2.

[13] POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos, 1987, v.1, p. 191.

[14] POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos, 1987, v.1, p. 75.

[15] PEREIRA, Júlio César R.  A estrutura de uma sociedade aberta . In: BARROS, Roque Spencer Maciel de; CAPONI, Gustavo; CARVALHO, Maria Cecília;  PEREIRA, Júlio César R. (Org).  Popper; as aventuras da racionalidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995. p. 133.

[16] POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos, 1987, v. 1, p. 135.

[17] POPPER, Karl. A sociedade aberta e seus inimigos, 1987, v. 1, p. 184-185.

[18] BOBBIO, Norberto. Teoria geral da política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Rio de Janeiro: Campus, 2000, p. 422.

[19] NEIVA, Eduardo. O racionalismo crítico de Popper. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1999, p. 154-155.

[20] WOLFF, Francis.  Nascimento da razão, origem da crise. In: CHAUÍ, Marilena; LEFORT, Claude; NOVAIS, Adauto. (Org.). A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, p. 70.

[21] WOLFF, Francis. Nascimento da razão, origem da crise, 1996, p. 71.

[22] WOLFF, Francis. Nascimento da razão, origem da crise, 1996, p. 73.

[23] WOLFF, Francis. Nascimento da razão, origem da crise, 1996, p.74.

[24]  HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997. v.2.

[25] DEL NEGRI, André. Controle de constitucionalidade no processo legislativo. Belo Horizonte: Fórum, 2003.

[26] LEAL, Rosemiro Pereira. Teoria processual da decisão jurídica.. São Paulo: Landy, 2002.

[27] WOLFF, Francis. Nascimento da razão, origem da crise, 1996, p. 73-74.

Informações Sobre o Autor

André Del Negri

Mestre em Direito Constitucional pela UFMG; Professor de Direito Processual Constitucional (Pós-Graduação), Teoria da Constituição e Direito Constitucional (graduação) na Universidade de Uberaba. Advogado.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais