O reformado duplo grau de jurisdição

0


Sem dúvida, a sentença de mérito é o mais importante ato praticado pelo juiz no processo seja por ser o ato público pelo qual o Estado cumpre e acaba o seu ofício jurisdicional, dando a razão a quem tem e pondo fim à controvérsia entre as partes, que fica assim, solucionada.


Assim vem a esculpir o direito positivo pátrio a definição de sentença no primeiro parágrafo do art. 162 do CPC que envolve num mesmo único conceito tanto a sentença terminativa quanto a sentença definitiva (que resolve o mérito).


Mas, a própria sentença é aquela que decide sobre o bem da vida objeto de disputa entre as partes. Note-se ainda que a prestação jurisdicional não é, geralmente, prestada numa multiplicidade de instâncias (que vai do primeiro grau até o quarto grau). Mas, uma vez proferida a sentença de mérito, poderá a parte vencida, se inconformada, recorrer da decisão, postulando a sua reforma por órgão superior.


Assim a sentença enquanto ato estatal também tem condições de produzir efeitos tão logo proferida, independente de estar ou não sujeita a impugnação, podendo ou não ser executada provisoriamente conforme a lei entenda em consenti-lo.


Muitas vezes, o legislador, podendo admitir a eficácia imediata da sentença, distende essa eficácia para um momento futuro, quando será menor a possibilidade de que venha a ser reformada (pela limitação dos recursos cabíveis) ou terá desaparecido qualquer possibilidade de que venha ser modificada (esgotamento das vias recursais).


Tendo condições para execução provisória, tem-se a mera eficácia da sentença que é mera aptidão de produzir efeitos, ainda que possa ser reformada em grau de recurso, quando essa eficácia se reforça pela ulterior aquisição de imutabilidade, adquirida com a preclusão de todas as vias recursais, esta passa em julgado, quer dizer, torna-se imutável se torna o seu conteúdo (relação material), que se afirma como última vontade da lei reguladora da questão decidida, dentro e fora do processo (coisa julgada material).


Defende Liebman que a coisa julgada é qualidade que, a determinada altura, a sentença adquire, e que reforça a sua eficácia, que, a partir daí, se afirma como a última e derradeira a vontade da lei disciplinadora do litígio.


O duplo grau de jurisdição previsto no art. 475 do CPC foi reformado pela Lei 10.352/2001 e a ratio essendi de tal instituto é justificada proteção que merece os entes jurídicos, em seus litígios com os particulares, como se fossem “desvalidos”, a merecer a compaixão do legislador.


A reforma suprimiu o inciso I do referido artigo que se referia à anulação do casamento, em virtude da introdução do divórcio que tornou tais ações raras, que manter o duplo grau de jurisdição para tutelar o vínculo matrimonial já não fazia mais sentido.


Sobreveio significativa alteração no inciso III do art. 475 do CPC posto que era inocorrente. Pois a sentença não julgava improcedente a execução , mas sim, procedente os embargos que é ocorrente na prática.


Cumpre-se o princípio do duplo grau de jurisdição se faz cumprir mediante a remessa dos autos pelo juiz ao tribunal, haja ou não apelação – que é o recurso voluntário do ente público e, se não o fizer, deverá o presidente do tribunal avocá-los.


Mas reconheça-se que os privilégios dos entes públicos não devem ir além do necessário para efetiva proteção do interesse público, e que não convém que esse interesse em todas as demandas, ainda que insignificantes.


Assim dispensa-se o duplo grau de jurisdição a condenação cujo valor não seja excedente a 60(sessenta) salários mínimos, inclusive os embargos do devedor procedentes, se a dívida tiver esse mesmo valor.


Aliás, é exatamente esse o valor de alçada para os juizados federais conforme previsto pela Lei 10.259/2001, conquanto tal valor diminua na seara estadual conforme prevê a Lei 9.099/95.


Também não será previsto o duplo grau de jurisdição quando a sentença estiver fundada em jurisprudência do plenário do STF ou em súmula de tribunal superior. Visa tal norma repulsar os recursos repetitivos, o que em 2008 veio a se concretizar por meio da Lei 11.672/08, ao nível do STJ.



Informações Sobre o Autor

Gisele Leite

Professora universitária, Mestre em Direito, Mestre em Filosofia, pedagoga, advogada, conselheira do Instituto Nacional de Pesquisas Jurídicas.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais