Crédito de ICMS na contratação de Serviços de Comunicação

0

Introdução

O ICMS é um imposto regido pelo princípio da não-cumulatividade, ou seja, o imposto debitado nas operações ou prestações de serviço anteriores pode ser compensado com o montante cobrado nas saídas subseqüentes.

No presente artigo, trataremos sobre as particularidades e restrições do crédito de ICMS nos Serviços de Comunicação.

I – Direito ao crédito de ICMS

O direito ao crédito de ICMS vem do princípio constitucional da não-cumulatividade, previsto no inciso I, §2º, art. 155 da Constituição Federal:

“Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre:

(…)

II – operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior;

(…)

§ 2.º O imposto previsto no inciso II atenderá ao seguinte:

I – será não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou prestação de serviços com o montante cobrado nas anteriores pelo mesmo ou outro Estado ou pelo Distrito Federal;”

Este princípio consiste na compensação do valor do ICMS pago na operação anterior com o imposto a pagar na operação subseqüente pelo mesmo ou outro Estado ou pelo Distrito Federal.

Em termos práticos, a não-cumulatividade ocorre da seguinte forma:

– Um comerciante do Regime Periódico de Apuração:

Compra Ventiladores por R$ 20.000,00 – ICMS 18% = R$ 3.600,00.

Vende os Ventiladores por R$ 30.000,00 – ICMS 18% = R$ 5.400,00.

Neste caso, conforme o princípio da não-cumulatividade, o comerciante poderá se creditar de R$ 3.600,00, ou seja, ele irá pagar a diferença entre R$ 3.600,00 (crédito) – R$ 5.400,00 (débito) = R$ 1.800,00.

II – Crédito de ICMS na utilização de Serviços de Comunicação

A Lei Complementar 87/96 (Lei Kandir), traz em seu art. 20 a possibilidade de o tomador de serviço creditar-se de ICMS na contratação de serviços de comunicação:

“Art. 20. Para a compensação a que se refere o artigo anterior, é assegurado ao sujeito passivo o direito de creditar-se do imposto anteriormente cobrado em operações de que tenha resultado a entrada de mercadoria, real ou simbólica, no estabelecimento, inclusive a destinada ao seu uso ou consumo ou ao ativo permanente, ou o recebimento de serviços de transporte interestadual e intermunicipal ou de comunicação.”

Em relação a estes serviços, havia a possibilidade de creditamento pela indústria e comércio, na contratação destes serviços como uso e consumo.

No entanto, a Lei Complementar 102/00 acrescentou o inciso IV, alíneas a e b no art. 33, da Lei 87/96, restringindo assim a possibilidade de creditamento:

Art. 33. Na aplicação do art. 20 observar-se-á o seguinte:

(…)

IV – somente dará direito a crédito o recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo estabelecimento:    

a) ao qual tenham sido prestados na execução de serviços da mesma natureza;

b) quando sua utilização resultar em operação de saída ou prestação para o exterior, na proporção desta sobre as saídas ou prestações totais; e

c) a partir de 1o de janeiro de 2020 nas demais hipóteses.”

Desta forma, somente poderão se creditar do ICMS na contratação de serviços de comunicação os estabelecimentos que; utilizam o serviço de comunicação na execução de serviços da mesma natureza; e quando a utilização resultar em operação de saída ou prestação para o exterior (no caso os exportadores).

Como exemplo de crédito de ICMS nos serviços de comunicação, imaginemos uma Nota Fiscal Conta de Serviços de Telecomunicação com ICMS destacado no valor de R$ 2.000,00, sendo o serviço contratado pelos seguintes tomadores:

– Comércio atacadista que realiza as suas vendas por telefone – Crédito Vedado

– Empresa de telefonia que contrata serviços de outras operadoras do setor para poder completar suas ligações – Crédito Permitido

– Indústria de calçados que realiza vendas apenas no mercado interno – Crédito Vedado

– Indústria de calçados que exportou 80% do seu movimento – Tem direito a R$ 1.600,00 de crédito (80% do valor da Nota)

 – Comercial Exportadora que exportou 100% do seu movimento – Tem direito a R$ 2.000,00 de crédito (100% do valor da Nota)

Em relação ao creitamento pela indústria e comércio, a previsão de volta é janeiro de 2020, conforme previsto na alínea c, inciso IV, da Lei Complementar 87/96.

III – Crédito de ICMS na utilização de Serviços de Comunicação por tomador localizado no Estado de São Paulo

O Estado de São Paulo prevê o direito ao crédito de ICMS pelo tomador de serviços de comunicação, no art. 1º das Disposições Transitórias:

“Artigo 1° (DDTT) – O crédito do imposto com relação à entrada de energia elétrica e aos serviços de comunicação tomados pelo contribuinte, ocorridos a partir de 1° de janeiro de 2011 e até 31 de dezembro de 2019, somente será efetuado relativamente:

(…) 

II – ao recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo contribuinte, quando:

a) tenham sido prestados na execução de serviços da mesma natureza;

b) de sua utilização resultar operação de saída ou prestação para o exterior, na proporção desta sobre as saídas ou prestações totais.”

Desta forma, recomendamos os contribuintes ao se creditarem do ICMS destacado nas Notas

Fiscais Conta dos Serviços de Telecomunicação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais