Nota fiscal de serviços e boleto bancário

0

Trata-se de estudo e análise sobre a utilização dos boletos bancários em substituição às notas fiscais de serviços, fato que vêm sendo questionado cada vez mais no âmbito da administração fiscal municipal. Discute-se no presente trabalho os principais conceitos jurídicos envolvidos, a prática e o procedimento fiscal correlatos.

1. INTRODUÇÃO.

O presente estudo tem por escopo discutir a questão atinente à substituição da nota fiscal de serviços por boletos bancários, polêmica que vem sendo posta constantemente no âmbito da administração tributária municipal.

A análise do tema torna-se importante a partir do momento em que cada vez mais se observa a utilização do boleto bancário como forma de pagamento das obrigações jurídicas.

Nos parágrafos posteriores o assunto será examinado juridicamente, discutindo os aspectos práticos quanto à utilização das notas fiscais de serviços e dos boletos bancários, os conceitos relacionados ao tema e a legislação tributária aplicável à espécie, tendo por base o Município de Niterói.

2. ASPECTOS PRÁTICOS.

Atualmente, com a difusão da Internet como meio de comunicação acompanhada do desenvolvimento das operações bancárias, foram criados mecanismos e formas de agilizar e de facilitar as operações entre fornecedores e clientes, objetivando atender às expectativas do contratante e do contratado.

Desse modo, os prestadores de serviços passaram a firmar contratos com as instituições bancárias, de forma a permitir que seus clientes (consumidores) tenham comodidade e facilidade no recolhimento do preço do serviço contratado, podendo fazê-lo em local de fácil acesso ou próximo de sua residência ou trabalho, enfim, diminuindo tempo e custo.

Com efeito, na prática das atividades civis e mercantis a aplicação de novas tecnologias e de novos meios eletrônicos facilitam a contratação de operações, o pagamento de obrigações, a circulação do crédito, a relação custo-benefício tanto das empresas (sociedades empresariais) quanto dos clientes (pessoas físicas ou jurídicas).

Assim, exemplificando-se, um determinado fornecedor de serviços, como é o caso das academias de ginástica, que possuem como clientes pessoas físicas de diversas localidades e com bastante rotatividade, pode contratar junto à instituição bancária a utilização de boletos bancários como forma de pagamento, objetivando o recebimento de seus créditos, vale dizer, dos preços dos serviços cobrados dos seus clientes.

Por seu turno, os alunos (clientes da academia) poderão imprimir o boleto bancário de sua própria residência, através da utilização da Internet, recolhendo a obrigação contratada (mensalidade) na agência bancária mais próxima de sua casa.

Contudo, o boleto bancário não significa que a prestadora dos serviços estará desobrigada de emitir a nota fiscal correspondente aos serviços efetivamente prestados. A empresa continuará obrigada, por força de lei, a emitir para cada cliente a respectiva nota fiscal de serviços, com todos os dados e requisitos previstos na lei tributária.

3. DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS.

A nota fiscal de serviços é documento fiscal de emissão obrigatória para o contribuinte prestador de serviços, inclusive para pessoas isentas ou imunes, e comprobatória da operação realizada. A sua emissão constitui-se em obrigação acessória tendo como conteúdo uma obrigação de fazer (positiva), no interesse do fisco, como órgão arrecadador ou fiscalizador dos tributos. O Código Tributário Nacional dispõe no seu art. 113, § 2º, in verbis:

“Art. 113. A obrigação tributária é principal ou acessória.

……………………

§ 2º. A obrigação acessória decorre da legislação tributária e tem por objeto as prestações, positivas ou negativas, nela previstas no interesse da arrecadação ou da fiscalização dos tributos.”

Relativamente ao Município de Niterói a obrigação da emissão de nota fiscal para cada serviço prestado, com a discriminação dos dados dos clientes-usuários (nome, CPF ou CGC, endereço) está estabelecida no arts. 47 e 56, inciso I, do Decreto nº 4.652/85, alterado pelo Decreto nº 8.464/01, verbis:

“Art. 47  –  Os prestadores de serviços  –  ainda que isentos ou imunes, inclusive consórcios, cooperativas e condomínios  –  que prestem serviços a terceiros, deverão possuir e emitir obrigatoriamente Notas Fiscais de Serviços e outras, conforme modelos aprovados e relacionados a seguir e publicados ao final desse Decreto:

……………..”

 “Art. 56  –  O estabelecimento prestador de serviços emitirá Nota Fiscal de Serviços, Modelo 1 ou 2, conforme descrita no artigo 47:

I. Sempre que executar serviços;”

A nota fiscal de serviços de natureza comum é autorizada mediante a apresentação de uma série de documentos ao Fisco Municipal, mais precisamente no Plantão Fiscal da respectiva Secretaria Municipal de Fazenda.

No que tange ao Município de Niterói o art. 53 do Decreto nº 4.652/85, alterado pelos Decretos nº 8.464/01 e nº 9.549/05, prescreve o procedimento fiscal para a autorização do documento fiscal, a saber:

“Art. 53  –  Os estabelecimentos gráficos somente poderão confeccionar os documentos fiscais, enumerados no artigo 47, mediante prévia autorização da Secretaria Municipal de Fazenda.

……………………..

§4º A Autorização do Município de Niterói para Impressão de Documentos Fiscais será emitida exclusivamente pela Secretaria Municipal de Fazenda, mediante solicitação do contribuinte ao Plantão Fiscal e apresentação do Cartão de Alvará de Localização”.

§5º  –  Na primeira solicitação pelo Sistema Computadorizado de AIDF, o Contribuinte deverá apresentar a última autorização de AIDF obtida, para que a mesma seja cadastrada no sistema.

§6º  –    O requerente receberá a Autorização do Município de Niterói para Impressão de Documentos Fiscais em duas vias:

1.      a primeira via será destinada ao estabelecimento prestador do serviço;

2.      a segunda via será destinada ao estabelecimento gráfico, devendo ficar à disposição da Fiscalização, devidamente assinada pelo responsável pela empresa que contratou a prestação do serviço.

……………..”

Desse modo, no momento da apresentação pelo contribuinte da AIDF (Autorização Para a Impressão de Documentos Fiscais) o fiscal de tributos plantonista possui como uma das suas atribuições a verificação da numeração correta das notas fiscais a serem autorizadas e confeccionadas pelas gráficas cadastradas no Município de Niterói, seguindo a ordem seqüencial própria.

A numeração das notas fiscais de serviços em ordem seqüencial bem como sua correta escrituração nos livros fiscais por parte do contribuinte são fundamentais para a Fazenda Municipal manter o controle fiscal das operações praticadas no Município.

Assim, ao solicitar a documentação fiscal da empresa o fiscal de tributos além de apurar o montante do ISS devido também verifica a correta emissão das notas fiscais de serviços quantos aos requisitos legais e regulamentares, inclusive atentando-se à exata seqüência numérica das mesmas, em conformidade com as AIDF’S autorizadas, e a conseqüente escrituração com exatidão no Livro de Registro de Apuração do ISS.

Destaca-se a questão da ordem seqüencial das notas fiscais de serviços por ser de fundamental importância para o tema que será tratado adiante, ao se discutir a utilização dos boletos bancários (item 5).

4. DO REGIME ESPECIAL.

O regime especial de emissão de nota fiscal de serviços foi instituído pela lei objetivando facilitar o preenchimento e a emissão das notas fiscais pelo contribuinte, quando tivesse grande volume de serviços prestados, com muitos clientes e usuários, utilizando-se de processamento e preenchimento eletrônico, que acelera a emissão da nota e diminui o volume de papel, com gravação em disquete, programa ou fita magnética.

Trata-se de modalidade de autorização de nota fiscal de serviços em que o Município permite a utilização de documento fiscal substitutivo do normalmente autorizado nos plantões fiscais, sob a condição de atenderem os requisitos legais e de maneira excepcional.

Assim, como exceção à regra, a utilização do regime especial de documento fiscal deve ser analisada sem perder de vista o seu caráter excepcional. Por conseguinte, a emissão do documento fiscal substitutivo só poderá ser autorizada através de processo específico, em que se examinará se estão presentes os requisitos e as condições impostas pela lei municipal.

A título exemplificativo, no Município de Niterói, o Fisco admite aos estabelecimentos de ensino a emissão de carnês de pagamento em substituição às notas fiscais de serviços, nos termos do art. 47, VIII e § 2º, inciso III do Decreto nº 4.652/85, alterado pelo Decreto nº 8.464/01, ipsis litteris:

“Art. 47  –  Os prestadores de serviços  –  ainda que isentos ou imunes, inclusive consórcios, cooperativas e condomínios  –  que prestem serviços a terceiros, deverão possuir e emitir obrigatoriamente Notas Fiscais de Serviços e outras, conforme modelos aprovados e relacionados a seguir e publicados ao final desse Decreto:

……………..

VIII – Nota Fiscal em Regime Especial

(Só poderá ser autorizada a sua impressão, se colocado o número do processo que deferiu o seu uso)

……………..

§2º  –  Excetuam-se do disposto no caput deste artigo:

……………..

III – Os estabelecimentos de ensino, desde que, em substituição à nota-fiscal de serviços, emitam carnês de pagamentos para todas as mensalidades escolares, observando as informações necessárias exigidas por este Regulamento;”

Dessa forma, os estabelecimentos de ensino podem emitir carnês de pagamento em substituição às notas fiscais de serviços, todavia sob a condição de atender às informações necessárias dispostas no Regulamento (Decreto nº 4.652/85).

Os referidos carnês de pagamento são documentos equivalentes e com as mesmas indicações da nota fiscal de serviços (art. 47, inciso III do Decreto nº 4.652/85), inclusive com numeração fornecida pelo Fisco e com o controle do mesmo através das AIDF’S.

Resulta do exposto que deverão constar nos carnês de pagamento das mensalidades os seguintes itens:

I – denominação “carnê de pagamento de prestações escolares”;

II – nº de ordem e nº de via;

III – a natureza da operação: serviços de ensino, instrução, etc.;

IV – data da emissão;

V – o nome, o endereço e o nº de inscrição municipal e no CGC/CNPJ do estabelecimento emitente;

VI – o nome e o nº de matrícula do aluno;

VII – a discriminação das unidades e quantidades;

VIII – a discriminação dos serviços prestados (pré-escolar, de 1ª a 4ª séries, de 5ª a 8ª séries, de 2º grau, etc);

IX – os valores;

X – a expressão: “o ISS foi calculado pela alíquota de……% de acordo com a Lei nº 480/83).

Nota-se, portanto, que o regime especial, entendido como situação excepcional, não autoriza a emissão de documento fiscal que não contenha os requisitos legais, que não disponha no seu bojo dos dados necessários à comprovação da efetiva prestação dos serviços e que não permita o controle das operações pelo Fisco Municipal.

5. DO BOLETO BANCÁRIO.

O ‘Boleto Bancário’ é título de crédito, sua função primordial é a de permitir a circulação do crédito nele contido. Possui os elementos inerentes aos títulos de crédito em geral (letra de câmbio, nota promissória, duplicata, cheque, conhecimento de depósito, warrant, etc): literalidade, cartularidade e autonomia.

Neste ponto, peço vênia, para destacar ótimas linhas traçadas pelo Desembargador Jessé Torres no seu voto no julgamento da Apelação Cível nº 2004.001.07799, em 05/05/2004, da 2ª Câmara Cível do Egrégio Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, ad litteris et verbis:

“O direito empresarial é dinâmico, notadamente quando faz uso dos títulos de crédito, cujo escopo é a rápida circulação do capital, a permitir que deles melhor se disponha a serviço da produção de riqueza. Segue-se ser praxe do mercado bancário a notificação por boletos, que integram os chamados usos convencionais, decorrentes da prática espontânea e constante dos empresários em suas relações comerciais…”

Ademais, o ‘Boleto Bancário’ objetiva fazer com que aquele determinado crédito contido no documento possa ser transmitido dentro da cadeia de circulação do título, existe para facilitar as operações comerciais entre cliente-Banco-empresa. Valem, ainda, como documento suficiente para ensejar o procedimento monitório.

Por isso, a verificação no referido título da existência de termos como: ‘cedente’, ‘aceite’, ‘código cedente’, ‘sacado’, ‘sacador’, avalista’, etc, atinentes aos títulos de crédito.

Entende-se que a utilização dos ‘Boletos Bancários’ é decorrência da modernização das operações comerciais (bancárias, de venda e de serviços), trazendo muitos benefícios e facilidades, não se negando os efeitos práticos de tais documentos.

No campo da fiscalização, quando se insere na corrente acima o elemento ‘Fisco’, deve-se ter em foco que este tem posição central na relação jurídico-tributária, no que se refere ao tributo incidente nas operações, por isso mesmo determinando as regras pelas quais serão documentadas as operações para efeitos fiscais.

Nada impede a utilização dos ‘Boletos’ como documento necessário à circulação do crédito decorrente da relação mercantil ou da relação civil, mas não como documento fiscal, comprobatório da relação tributária (prestação dos serviços – fato gerador do ISS), aqueles servirão apenas para facilitar o pagamento das obrigações.

Apenas para concluir o raciocínio acima, comparam-se os elementos contidos normalmente em uma nota fiscal de serviços com os dos ‘Boletos Bancários’  utilizados comumente:

– Nº de ordem e nº de via (ausentes no BB);

– Natureza da operação (descrita de forma sucinta no BB);

– Data da emissão (não há, apenas a do vencimento);

– Data-limite para a emissão (inexistente no BB);

– Endereço e nº da inscrição municipal do emitente (inexistentes no BB);

– Declaração de que os serviços foram prestados (inexistente no BB);

– Valor do ISS incidente na operação (inexistente no BB, frisa-se que o imposto sobre serviços incide em cada operação, embora seu recolhimento seja mensal);

– Alíquota aplicável e nº da Lei Municipal (inexistentes no BB).

CONCLUSÃO.

Finalmente há de se registrar que a admissão do uso de boletos bancários em substituição às notas fiscais de serviços geraria efeitos práticos nocivos em termos tributários e acarretaria um precedente perigoso no âmbito da administração fiscal.

 

Com efeito, além de não haver previsão legal para tanto, caso se permitisse a substituição supramencionada o Fisco Municipal perderia o controle da comprovação das operações (prestações de serviços) realizadas pelo contribuinte, das notas fiscais autorizadas e do subseqüente imposto devido nas operações.

Explica-se: atualmente, exempli gratia, nos serviços de ensino, o aluno pode obter o boleto bancário até mesmo pela Internet, com a impressão do documento em casa, sem qualquer interferência do estabelecimento de ensino. Assim, ao ser solicitada a documentação fiscal, a prestadora de serviços não apresentará todos os boletos por falta de condições práticas para tanto. À semelhança: é como se admitir que o próprio contratante (aluno, cliente) emitisse a nota fiscal de serviços em lugar do prestador. Situação absurda.

Ademais, o aluno, quando precisar de comprovante dos serviços prestados, até mesmo para fins de contabilidade pessoal ou deduções no IRPF, deverá ter documento fiscal idôneo, previsto na lei e que realmente comprove a prestação dos serviços educacionais e, nesse caso, a legislação municipal admite apenas a emissão de nota fiscal de serviços ou de carnê de pagamento de prestações escolares, não possuindo o boleto bancário este intuito.

Isto posto, com a falta da emissão das notas fiscais de serviços e o uso tão somente de boletos bancários, ficaria difícil até mesmo para a empresa prestadora dos serviços relacionar todos os boletos emitidos, que dependeria de informações das instituições bancárias, atrelando o Fisco Municipal a terceiro não vinculado ao fato gerador.

O Município deixaria de arrecadar o ISSQN incidente nas operações por falta de controle dos fatos geradores ocorridos e conseqüentemente geraria arbitramentos e litígios tributários que poderiam ser evitados com o controle e emissão das notas fiscais de serviços juntamente com os boletos bancários: as primeiras como documentos fiscais obrigatórios e que registram os fatos geradores ocorridos e os segundos como título de crédito e que facilitam e possibilitam a  circulação do crédito.


Informações Sobre o Autor

Francisco da Cunha Ferreira

Fiscal de Tributos do Município de Niterói e Bacharel em Direito pela Universidade Federal Fluminense.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais