Seqüestro do lucro???

0

Existe muita desinformação pública no reino dos tributos, uma das quais que o lucro distribuído pelas empresas aos sócios é tributado em apenas 15%.

Em um artigo, o sr. Albino Joaquim Pimenta da Cunha, Auditor da Receita Federal, alega que tal alíquota fere o princípio constitucional da generalidade e universalidade, e que as pessoas físicas pagam mais tributos do que as jurídicas. Recomenda, ainda,  “tri-tributar” os lucros distribuídos aos sócios para “compensar” a distorção, bem como aumentar a tabela do I.R dos atuais 27,5% para 45%, da seguinte forma:

ALÍQUOTAS DE IRF, proposta por Albino Joaquim Pimenta da Cunha, Auditor da Receita Federal, em artigo ao Fiscosoft – Artigo – Federal nº 2005/1027, com o título “Imposto sobre a Renda Justo”:

BASE DE CÁLCULO ANUAL (R$) ALÍQUOTA (%) VALOR A DEDUZIR (R$)
Até 14.000,00 isento
De 14.000,01 a 25.000,00 5,0 700,00
De 25.000,01 a 40.000,00 15,0 3.200,00
De 40.000,01 a 80.000,00 25,0 7.200,00
De 80.000,01 a 150.000,00 35,0 15.200,00
Acima de 150.000,00 45,0 30.200,00

É uma mentira que o imposto sobre o lucro das empresas é de apenas 15%, pois há um adicional de IR de 10%, sobre o lucro real, presumido ou arbitrado, superior a R$ 20.000,00 mês. Também há a CSLL, aplicada sobre o lucro líquido, cuja alíquota é de 9%.

Então, a empresa paga 15% (IRPJ normal) + 10% (IRPJ adicional) + 9% (CSLL) = até 34% sobre o lucro. Portanto, é mais tributada que a pessoa física (IR máximo de 27,5%).

Além disso, para alcançar o lucro a ser distribuído, as empresas pagam dezenas de outros tributos, como PIS, COFINS, CPMF, taxas, INSS, FGTS, IPI, ICMS, Salário-Educação, INCRA, Sebrae, etc.,como exemplificado a seguir.

Uma empresa industrial com um lucro anual de R$ 1.000.000,00, tributada pelo lucro real e faturamento anual de R$ 10.000.000,00, pagará os seguintes tributos:

Descrição Alíquota e Base de cálculo Valor R$
IRPJ 15% x 1.000.000,00 150.000,00
Adicional IRPJ 10% x (1.000.000,00-240.000,00) 76.000,00
Contribuição Social sobre o lucro 9% x 1.000.000,00 90.000,00
Total sobre a renda 316.000,00
PIS 1,65% x 10.000.000,00 165.000,00
COFINS 7,6% x 10.000.000,00 760.000,00
IPI (alíquota média) 5% x 10.000.000,00 500.000,00
ICMS 12% x 10.000.000,00 1.200.000,00
CPMF 0,38% x 10.000.000,00 38.000,00
INSS, SAT, Sebrae, INCRA, etc. 28,8% x 1.560.000,00* 449.280,00
FGTS 8,5% x 1.560.000,00* 133.000,00
Total de Tributos 38,77% sobre faturamento 3.877.280,00

Observação: a taxa de lucratividade de 10% ao ano, sobre o faturamento, é um sonho para qualquer empresário.

* 120 empregados, percebendo em média R$ 1.000,00 mensais x 13 meses (incluso 13º salário).

Para gerar uma distribuição de lucros (líquido do IRPJ e CSLL) de R$ 684.000,00, há um gasto tributário direto em torno de R$ 3.877.280,00, (sem incluir os tributos pagos indiretamente, como IPVA, ITBI, CIDE, IOF, tributos não recuperáveis sobre o imobilizado e outros), ou seja, 387,73% sobre o lucro líquido. Sem considerar que o lucro é incerto, há um risco, pois a empresa pode ter prejuízo.

Em artigos anteriores, comentei que a Receita Federal desperdiça quase R$ 6,0 bilhões anuais e 30 bilhões qüinqüenais, relativo aos Juros sobre Capital Próprio, com a renúncia do IRPJ e CSLL aos Banqueiros e às grandes Multinacionais (1).

O governo federal torrou, com o pagamento de juros, R$ 727,5 bilhões, no período 1995-2004 (2).

Uma empresa não pode aumentar seus preços, senão perde faturamento para a concorrência. Ela deve sim diminuir seus custos e tornar-se competitiva. Por que o governo, ao invés de treinar pessoas para “injustificarem” o aumento tributário, não investe em pessoas para aprender a arte de gerenciar? Visando diminuir seus custos e investir corretamente os recursos oriundos do suado esforço de milhões de brasileiros que pagam vorazes impostos.

Não pode nem ser cogitada a possibilidade de aumentos de impostos neste país e muito menos seqüestrar a distribuição de lucro, aumentando a carga de 387,73% para 432,73%, como insinua justificar o Sr. Auditor Fiscal da Receita Federal, em seu pérfido artigo.

 

Fontes:
(1)     Artigos “Impostos Altos sobre Pequeno Empresário Contrastam com Renúncia Fiscal aos Bancos e Grandes Empresas“ – http://www.portaltributario.com.br/artigos/impostosaltos.htm e “INCOERÊNCIA: PEQUENA EMPRESA PAGA MAIS IMPOSTO QUE BANCOS – II” – http://www.portaltributario.com.br/artigos/incoerenciatributaria2.htm
(2)     Artigo “Corrupção, Tributação, Ineficiência, Despotismo” – http://www.portaltributario.com.br/artigos/corrupcao.htm

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Paulo Henrique Teixeira

 

Contador, Consultor Tributário, Escritor e Articulista do site www.portaltributario.com.br

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais