A abusividade da cobrança da “consumação mínima”

0

Quem
milita nas lides forenses em matérias versando essencialmente sobre Direito do
Consumidor, volta e meia depara-se com as mais esdrúxulas afrontas a comezinhas
regras desse monumental microssistema. As
ilegalidades e abusividades são as mais diversas, sempre
tendo alguém para inventar algo que possa, de algum modo, burlar a frágil
estrutura negocial do consumidor que, em sua maioria absoluta, é composto de
pessoas de baixa renda e tirocínio comercial.


há algum tempo, a novel abusivididade atinge, por
mais das vezes, a jovial camada de consumidores que freqüentam as casas e os restaurantes
noturnos. Trata-se da por muito conhecida “cobrança mínima”. Além dos estabelecimentos
comerciais freqüentemente não comunicarem, previamente, o consumidor sobre a cobrança
de serviços extras, outros tantos infringem o Código de Defesa do Consumidor e
cobram taxas ilegais.

Segue
a mesma linha de raciocínio a cobrança, muitas vezes exagerada, pela perda do
cartão de consumação. Ante a transferência da responsabilidade pelo controle de
consumo (que, originariamente, é do estabelecimento comercial), tem o
consumidor sido compelido a pagar valores previamente fixados pelos
fornecedores, em patamares deveras elevados. Às claras, o consumidor não pode
ser obrigado a pagar o montante exigido pela casa nos casos de perda do cartão.

Por
primeiro, cumpre observar que, o artigo 39 do Código de Defesa e Proteção do
Consumidor, explicita claramente que é vedado ao fornecedor de produtos ou
serviços, condicionar o fornecimento de um produto ou de serviço ao de outro,
bem como, sem justa causa, a limites quantitativos (inciso I, in fine).

A
primeira parte desse dispositivo proíbe a chamada “venda casada”, sob o manto
da qual repousa, inexoravelmente, a limitação do fornecimento do produto
através da consumação mínima. A prática, portanto, redunda em prática
totalmente ilícita e abusiva, nos exatos termos do artigo 39 (inciso I, primeira parte). Nenhum fornecedor pode
condicionar a venda de um produto à aquisição de outro; no caso fluente, nenhum
estabelecimento comercial pode condicionar a entrada de um consumidor em seu
recinto ao pagamento de certa quantia mínima, determinando-lhe previamente
quanto tem de gastar. O que se permite é a cobrança fixa de ingresso de
entrada, ou qualquer valor sob rubrica semelhante.

Afora
a abusividade da limitação do fornecimento do
produto, tisnando-a de ilegal pela venda casada, a parte final do inciso I do
artigo 39, de per si, veda a imposição de
limites ao consumo do cliente. Não se pode condicionar a compra a mais nem a
menos, sob pena de afronta a liberdade de contratação e a autonomia da vontade.
O cliente, neste tocante, tem direito de consumidor apenas alguma ínfima
parcela dos produtos vendidos pelo fornecedor, e, em conseqüência, de pagar só
aquilo que consumir. Se a consumação mínima for apresentada para pagamento,
incluída na nota de débito, o consumidor tem todo o direito de se recusar ao
pagamento.

Prevendo,
desde já, que esta recusa ao pagamento pode resultar em imensuráveis transtornos,
então que o consumidor requeira nota fiscal especificando o que foi cobrado a
título de consumação mínima no documento. Ao depois, munido da prova do
pagamento indevido, que se valha o consumidor da ação objetivando o reembolso
do que fora coagido a pagar indevidamente, em dobro.

Outro
aspecto também merece especial relevo: a consumação mínima fomenta o
enriquecimento ilícito do estabelecimento comercial, por permitir-lhe promover
a cobrança de produto ou um serviço não consumido pelo cliente. Se o consumidor,
simplesmente entra no estabelecimento, conversa com amigos, e coloca-se em
retirada, nada ingerindo, ainda assim tem de pagar a “consumação mínima”! Não
há qualquer contraprestação, apenas uma das partes está sofrendo desfalque
patrimonial: o consumidor. O fornecedor nada vende,
nada fornece, mas ainda assim está sendo remunerado. Absurda a proposição!

Logo,
mesmo sem navegar profundamente pelas veredas protecionistas do Código de
Defesa do Consumidor, facilmente se conclui a impossibilidade jurídica dos
estabelecimentos comerciais continuarem promovendo a cobrança da malfadada
“consumação mínima”, posto abusiva e de nenhum efeito.
Eventual montante pago pelo consumidor a tal título,
outorga-lhe o direito à repetição em dobro do que desembolsou, corrigido
monetariamente e acrescido dos juros legais.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Alex Sandro Ribeiro

 

Advogado, Escritor e Consultor.
Pós-Graduado em Direito Civil pelo uniFMU.
Membro do IV Tribunal de Ética da OAB/SP.
Autor dos livros Ofensa à Honra da Pessoa Jurídica e
Arrematação e Adjudicação de Imóvel: Efeitos Materiais.
Autor de dezenas de artigos e trabalhos publicados.
Consultor especializado em ME e EPP.

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais