A nova garantia da empregada temporária gestante

0

Resumo: A nova redação da Súmula 244 do TST estende a empregada temporária a garantia de emprego em caso de gravidez.

Palavras-chaves: estabilidade, gravidez, contrato por prazo determinado.

A garantia de emprego da empregada gestante é um direito “construído em harmonia com o princípio da continuidade da relação de emprego”, nos dizeres de Maurício Godinho Delgado (2006:1104).

Há de ser ressaltado que o direito aqui estabelecido é uma garantia de emprego, e não uma estabilidade. Ambos são direitos contrários ao poder arbitrário de rescisão unilateral do empregador, mas enquanto a estabilidade pressupõe uma circunstancia sem definição de tempo, a garantia, apesar de igualmente depender de uma circunstância, sempre se dá por prazo determinado.

O artigo 10 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição da República de 1988 prescreve que:

“Art. 10- Até que seja promulgada a lei complementar a que se refere o Art. 7º, I, da Constituição:(…)

II– fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa:(…)

b) da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.”

Por sua vez, o artigo 7º da CR/88 a que faz referencia o ADCT dispõe que:

“Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

I – relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos;”

Até o momento, a referida lei complementar que protege os empregados contra dispensa arbitrária não foi promulgada pelo Congresso Nacional.

Por isto, na presente matéria, a interpretação do Tribunal Superior do Trabalho nos termos da Súmula 244 que foi recentemente editada em seu item III, dita a orientação do direito. A alteração estendeu a garantia de emprego até 05 (cinco) meses após o parto às empregadas cujo contrato de trabalho é por prazo determinado.

A nova redação é a seguinte:

“Súmula nº 244 do TST

GESTANTE. ESTABILIDADE PROVISÓRIA (redação do item III alterada na sessão do Tribunal Pleno realizada em 14.09.2012) – Res. 185/2012, DEJT divulgado em 25, 26 e 27.09.2012

I – O desconhecimento do estado gravídico pelo empregador não afasta o direito ao pagamento da indenização decorrente da estabilidade (art. 10, II, "b" do ADCT).

II – A garantia de emprego à gestante só autoriza a reintegração se esta se der durante o período de estabilidade. Do contrário, a garantia restringe-se aos salários e demais direitos correspondentes ao período de estabilidade.

III – A empregada gestante tem direito à estabilidade provisória prevista no art. 10, inciso II, alínea “b”, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, mesmo na hipótese de admissão mediante contrato por tempo determinado.”

No julgamento, o TST acompanhou o entendimento antes já apontado pelo Supremo Tribunal Federal no sentido de que a norma constitucional não dependia de qualquer requisito para ser aplicada, se não apenas do estado gravídico.

Ressalta-se que não importa se a gestante sabia de tal fato ou se o comunicou ao empregador no curso do contrato de trabalho. Os tribunais inclusive já firmaram entendimento que a referida estabilidade é devida mesmo quando a gravidez ocorre no curso do aviso prévio, indenizado ou não, já que este integra o contrato de trabalho para todos os efeitos.

A novidade é que apesar de tais entendimentos, a antiga redação da súmula 244, afastava de tal garantia as gestantes admitidas por prazo determinado, que agora foram incluídas.

No voto que conduziu o julgamento, o ministro relator Dr. Maurício Godinho Delgado assegurou:

A proteção à maternidade e à criança advém do respeito, fixado na ordem constitucional, à dignidade da pessoa humana e à própria vida (art. 1º, III, e 5º, caput, da CF). E, por se tratar de direito constitucional fundamental, deve ser interpretado de forma a conferir-se, na prática, sua efetividade”.

O i. relator citou ainda precedentes do Supremo Tribunal Federal que mostram a intenção da Corte em proteger a maternidade garantindo a estabilidade ainda que em contratos de trabalhos que vão em sentido contrário: RE-435.759, Rel. Min. Dias Toffoli, Dje 09.12.09; RE-368.460, Rel. Min. Dias Toffoli, Dje 16.12.09; RE-597.807, Rel. Min. Celso de Mello, Dje 16.04.09; RE-509775, Rel. Min. Cármen Lúcia, Dje 10.02.10; RMS 24.263/DF e RMS 21.328/DF, Rel. Min. Carlos Velloso; AI 675.851/SC e AI 547.104/RS, Rel. Min. Gilmar Mendes; AI 395.255/SP, Rel. Min. Celso de Mello; RE 569.552/PR, Rel. Min. Cármen Lúcia.

A decisão do TST é um avanço no direito do trabalho que realmente protege o operário massacrado pelas condutas capitalistas que dominam os empregadores.

O próprio contrato de trabalho por prazo determinado, como bem assegurou o i. Relator, não é modalidade de contrato que reafirma as normas de Direito do Trabalho, muito pelo contrário, o instituto é frequentemente usado para burlar as normas materiais e garantir mão de obra com custos reduzidos tendo em vista a redução de parcelas rescisórias nestes casos.

Outros Tribunais Regionais do Trabalho já tinham decidido neste sentido, como é o caso da 9ª turma do TRT da 4ª região ao julgar o processo 0182900-57.2009.5.04.0661 (RO), em que ressaltou o i. Relator desembargador Cláudio Antônio Cassou Barbosa:

A garantia no emprego contra a despedida arbitrária ou sem justa causa tem por objeto a proteção do nascituro, sendo a trabalhadora gestante mera beneficiária da condição material protetiva da natalidade. Sendo assim, não cabe estabelecer qualquer limitação ao direito garantido constitucionalmente”.

Neste julgamento específico, o i. Relator desembargador Cláudio Antônio Cassou Barbosa esclarece um ponto sobre o qual o TST não se manifestou.

A garantia de emprego seria causa de indeterminação do contrato de trabalho ou apenas prorrogaria seu término?

Para o Relator, a hipótese é de prorrogação do contrato e não de indeterminação: “Assim, a gravidez da empregada posterga o término do contrato de trabalho em proteção à maternidade e ao nascituro”, como também assegurou o Desembargador José Felipe Ledur, no julgamento do Recurso Ordinário 00574-2007-373-04-00-5: “Afirmando-se a validade do contrato de experiência e protraída sua eficácia, são indevidas parcelas típicas de um contrato de trabalho por prazo indeterminado”.

Ressalta-se aqui que este posicionamento não foi adotado pelo TST, muito embora se acredite que será o desfecho dos contratos de trabalho.

Se mantida esta linha, quando do fim da estabilidade, o contrato poderá ser rescindido independente de aviso prévio e ainda sem o pagamento da multa de 40% sobre o FGTS.

Caso não ocorra a rescisão no término da garantia, qual seja de cinco meses após o parto, o contrato se indetermina, sendo devidas todas as verbas rescisórias de um contrato por prazo indeterminado, inclusive aviso prévio, que integrará o contrato para todos os efeitos.

 

Referências
DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 5. ed. São Paulo: LTr, 2006.

Informações Sobre o Autor

Flávia Pires Veloso Melo

Advogada, pós-graduanda em Direito Empresarial pela UGF


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais