Análise crítica do art. 479, do Codex adjetivo penal, específico do procedimento do tribunal do júri e o amesquinhamento do direito a plenitude de defesa

0

Resumo: O artigo científico em cotejo tem como objeto desvelar os segredos contidos no artigo 479 do Código de Processo Penal e garantir sua aplicação pratica em face do princípio da plenitude de defesa; 

Interessa salientar que a Constituição Federal faz uma distinção evidente entre os conceitos de “ampla defesa” (CF, art. 5.º LV), e, “plenitude de defesa” (CF, art. 5.º, XXXVIII);

A ampla defesa, exercida nos processos judiciais e administrativos, compreende a defesa técnica em sentido estrito; sendo, portanto, o direito de trazer ao processo todos os elementos necessários a esclarecer a verdade, o direito de omitir-se, calar-se, produzir provas, recorrer de decisões, contraditar testemunhas, conhecer de todos atos e documentos do feito;

Por seu turno, a plenitude de defesa é aquela atribuída ao acusado de crime doloso contra a vida, no Plenário do Júri e, vale dizer, tem maior incidência do que a ampla defesa. É correto afirmar que a ampla defesa está contida na plenitude de defesa!

Logo, a imagem simbólica de que a “plenitude de defesa é um círculo grande que contém o círculo menor chamado ampla defesa” – é uma parábola perfeita;

Ao nosso ver, defesa plena, é ir além das amaras legais com o móbil de demonstrar a verdade; não é pura e simplesmente a somatória, quase mecânica, da defesa técnica, autodefesa, e, argumentos supra-legais (morais, religiosos, políticos, analogias, etc);

Exercer a defesa com plenitude é vencer o sistema de “pré-nulidades” formatado, transmutando o conhecimento técnico, jurídico e científico em informação útil a formação do convencimento dos jurados;

Para tanto, imprescindível a análise crítica do art. 479, do Código de Processo Penal, e, seu amesquinhamento perante o princípio constitucional da plenitude de defesa; 

A título de contextualização do tema vale a transcrição prévia dos artigos 475 (antigo) e o 479 (novo), do procedimento do Tribunal do Júri:

“Art. 475 – Durante o julgamento não será permitida a produção ou leitura de documento que não tiver sido comunicada à parte contrária, com antecedência, pelo menos, de três dias, compreendida nessa proibição a leitura de jornais ou qualquer escrito, cujo conteúdo versar sobre matéria de fato constante do processo.

Art. 479. Durante o julgamento não será permitida a leitura de documento ou a exibição de objeto que não tiver sido juntado aos autos com a antecedência mínima de 3 (três) dias úteis, dando-se ciência à outra parte. (Redação dada pela Lei nº 11.689, de 2008)

Parágrafo único. Compreende-se na proibição deste artigo a leitura de jornais ou qualquer outro escrito, bem como a exibição de vídeos, gravações, fotografias, laudos, quadros, croqui ou qualquer outro meio assemelhado, cujo conteúdo versar sobre a matéria de fato submetida à apreciação e julgamento dos jurados.” (Incluído pela Lei nº 11.689, de 2008) (grifo nosso)

Diz o conhecido brocardo do Direito: “a lei não contem palavras inúteis”;

In casu – nos parece que a “vírgula” tem um papel preponderante na interpretação legal;

A bem da verdade – a aparente simplicidade hermenêutica da referida legislação, esconde mistérios que pretendemos desvelar;

Vejamos o amesquinhamento do Direito a PLENITUDE DE DEFESA, transcrita no livro Código de Processo Penal:

“Jornais, revistas, vídeos, fitas gravadas, entre outras, contendo reportagens sobre o caso em julgamento: podem ser exibidas em plenário, desde que respeitado o disposto neste artigo (prazo e ciência da parte contrária). Em que pese haver emotividade e parcialidade nessas reportagens, não há como impedir a sua exibição aos jurados, merecendo, no entanto, que o juiz presidente advirta o Conselho de Sentença da sua característica peculiar. Esse procedimento já foi adotado e confirmado, como correto, pelo Tribunal de Justiça de São Paulo: “(…) a divulgação sonora de fita magnética é permitida em Plenário do Júri. O conteúdo de fita de vídeo se constitui em modalidade de prova como outra qualquer e, como tal, deve ser aceito, desde que, obtida de forma lícita e legitimamente introduzida no processo. (…) Desta forma, nada impedia fossem as mesmas reproduzidas em plenário e não apenas a simples leitura da transcrição, como pretendido pela ilustre Defesa, posto que, em se tratando de delitos dolosos contra a vida, é o Tribunal do Júri o destinatário de toas as provas (…). Deve também ser ressaltado, que após a exibição das fitas de vídeo, o d. Magistrado ‘alertou os jurados de que as reportagens envolvem opiniões de repórteres, que devem ser vistas e analisadas dessa forma e não como depoimentos oficiais, produzidos no processo. Assim também devem ponderar que as entrevistas foram feitas com parentes e amigos da vítima, contando com certa dose de emotividade” (Ap. 221.881-3, São Paulo. 6.° C., rel. Augusto César, 22.05.1997, v.u)[1]

A interpretação supramencionada restringe, obsta, fere de morte o direito fundamental relativo à plenitude de defesa (CF, art. 5.º, XXXVIII); sim, pois sugere, ser obrigatória a ingerência, e, consequentemente manipulação da vontade dos Jurados, acerca da interpretação de determinada prova, feita exatamente por quem deveria ser absolutamente imparcial, ou seja, o Juiz Presidente do Tribunal do Júri;

Por outro lado – é também preconceituosa a advertência, tendo em vista que “supõe” que o Jurado não teria capacidade intelectual (não técnica), de fazer uma diferenciação entre conteúdo probatório e informativo;

Fazendo uma analogia rasteira, seria o mesmo que manipular a vontade de um eleitor antes de depositar o seu voto na urna, esclarecendo, com argumento de autoridade inatacável – quem mereceria seu voto;

Passando o jurado por um severo processo de seleção, e, sendo ele a “nata da sociedade” e também o reflexo direito da vontade popular; não é justo, nem jurídico, na fase processual do Tribunal do Júri a pretensão de manipular a vontade do Jurado sobre tudo que ali viu, ouviu e sentiu; caracterizando essa “pretensão” um golpe ao direito fundamental da plenitude de defesa;

Ao contrário, defendemos o entendimento que o Jurado é mais do que capacitado para ouvir Acusação e Defesa, e, a partir da dialética travada lealmente entre as partes formar o seu convencimento;

Cabe as exclusivamente as partes explicar as provas licitamente introduzidas nos autos, e, não ao Juiz Presidente; que apenas deve regular os debates – “sem emitir ou dar a entender sua opinião”.

O doutrinador João Meireles Camara, na avançada obra “No Plenário do Júri” – analisando um caso prático, explicou o seguinte:

“A defesa preparara para o desfecho um recorte de jornal, uma entrevista do Procurador Geral dos Presídios, onde ele afirmava que o sistema carcerário não tem condições de recuperar presidiários.(…)

ACUSAÇÃO (levantou-se e sem pedir aparte foi gritando) – É demais. V. Exa. Está brincando com minha paciência. V. Exa. Está apresentando provas intempestivamente. A acusação protesta e não vai permitir que tais provas sejam apresentadas agora.(…)

DEFESA – Vejam, senhores jurados. A proibição contida neste artigo refere-se à leitura de jornais ou qualquer escrito, cujo conteúdo versar sobre matéria de fato constante do processo.

O Advogado dirige-se à sua mesa, põe o Código em cima, pega os autos e vai para perto dos jurados.

DEFESA – V. Exas., senhores jurados, têm os autos aqui presentes. Peço que o examinem. Constatarão que a matéria do jornal não tem nada que ver com os fatos aqui descritos. Trata-se de uma entrevista de autoridade ligada ao sistema carcerário.

Agora, senhores jurados, podemos identificar quem foi que fugiu da escola entre nós. Passo o Código às mãos do nobre acusador, para que ele mesmo faça a leitura, se o desejar. A defesa, MM. Juiz, para que não tenha sua atuação cerceada neste Tribunal, passa a fazer a leitura do recorte.

ACUSADOR (abriu o código, verificou o artigo) – Disse, realmente, eu não li com atenção este artigo.”[2]

O artigo deixa bem claro que poderão ser levados ao conhecimento dos jurados qualquer outro documento, sem apresentação prévia de 3 (três) dias, todo o “conteúdo que não versar sobre a matéria de fato submetida à apreciação e julgamento dos jurados”;

Ad exemplum – “A” efetua disparos de arma de fogo em “B” – eis a matéria de fato;

“B” – é morto por “C”; esse fato, não submetido a apreciação dos jurados é amplamente divulgado na mídia;

Significa dizer – que é legal explorar esse “fato” (público e notório), diverso do fato sub judice – sem a necessidade de apresentar o documento ou mídia a parte contrária;

Qualquer ressalva ao referido entendimento é causticar a interpretação do artigo sob comento, e, ferir de morte o direito fundamental a plenitude de defesa;

Vejamos o seguinte caso prático:

Processo 1:     “A” efetua disparos de arma de fogo em “B” e “C” – (configurando tentativa de homicídio) – eis a matéria de fato submetida ao crivo dos Jurados;

“B” e “C”, são policiais militares investigados pela Corregedoria da Polícia Militar, por existirem indícios de integralizarem grupo de extermínio – a referida informação é largamente divulgada por diversos canais de mídia;

Processo 2:     “B” e “C” são vítimas de disparos de arma de fogo, vindo a óbito – eis a matéria de fato relacionada a esse processo; não guarda conexão com o processo 1;

Os fatos tratados no Processo 2, são largamente difundidos por diversos canais de mídia – sendo o motivo do crime, os fortes indícios de “B” e “C” fazerem parte de grupo de extermínio da Polícia Militar;

Existe limitação (pré-nulidade) de apresentação de jornais, escritos, vídeos, fotos ou qualquer material relativo ao Processo 2, a apreciação e julgamento dos jurados no Tribunal do Júri que estão julgando o Processo 1?

Evidentemente que não!

Versar sobre conteúdo – significa dizer estar DIRETAMENTE RELACIONADO. Ainda que no exemplo acima, a matéria possa estar “indiretamente” relacionada ao conteúdo fático – a Lei Ordinária não fez essa distinção; e, onde o legislador não faz distinção não cabe ao exegeta fazê-lo!

Em resumo conclusivo: Todo e qualquer material que colaborar na formação da convicção dos jurados no Tribunal do Júri, cujo conteúdo não versar diretamente sobre a matéria submetida à apreciação e julgamento – poderá ser exibida sem apresentação prévia a parte contrária, máxime tratar-se de material defensivo em razão do princípio fundamental da plenitude de defesa.

 

Referências:
CAMARA. João Meireles. No Plenário do Júri. Ed. Saraiva. P. 158 e 161. 2. ed. 1982.
FERRAJOLI, Luigi. Direito e razão: teoria do garantismo penal. Tradução Ana Paula Zomer Sica; Fauzi Hassan Choukr; Juarez Tavares e Luiz Flávio    Gomes. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
GUIMARÃES, Luiz Carlos Forguieri. Direitos Fundamentais e Relações      Desiguais nos contratos bancários. ed. Letras Jurídicas, 2009;
LOPES JUNIOR, Aury. Introdução crítica ao processo penal: fundamentos da instrumentalidade garantista. 3. ed. ver., atual e ampl. Rio de Janeiro: Lumen      Júris, 2005.
MALATESTA, Nicola Framarino Dei. A lógica das provas em matéria criminal. Tradução da 3. ed. de 1912, de Waleska Girotto Silveberg. São Paulo: Conan, 1995.
MEDEIROS, Júlio. O Tribunal do Júri e suas polêmicas sob a ótica de um advogado criminalista. Jus Navigandi, Teresina, ano 17n. 321217 abr. 2012 . Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/21538>. Acesso em:  8 jul. 2013.
MIRABETE, Julio Fabbrini. Código de processo penal interpretado. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1995.
NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado. 3. ed.      ver., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.
 
Notas:
 
[1] NUCCI. Guilherme de Souza. Código de Processo Penal, ed. RT. Pag. 886-7, 2013.
[2] CAMARA. João Meireles. No Plenário do Júri. Ed. Saraiva. P. 158 e 161. 2. ed. 1982.

Informações Sobre o Autor

Henrique Perez Esteves

Advogado criminalista; Especialista em Direito Processual Penal (Unisantos); Presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas do Advogado – OAB/Cubatão;


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais