Nem cega e nem surda

0

Não mais serve para identificar a
justiça a imagem de uma mulher sentada, de olhos vendados, tendo em mãos uma
balança e uma espada. Ainda que venha aumentando a participação feminina nos
quadros da magistratura, tal ainda não se refletiu em julgamentos atentos às
questões de gênero. Como a justiça deve ser dinâmica, ágil e célere, descabe
representá-la em posição inerte, comodamente sentada. A balança com seus pratos
em equilíbrio de há muito não significa eqüidade, pois é imperioso o tratamento
diferenciado de partes em posições desiguais. A espada, se visava a representar
efetividade, traduz mais idéia de agressividade e não se compatibiliza com a
postura socializante e sensível que deve ter o julgador.

Se a justiça não deve ser
representada pela deusa Têmis, igualmente descabe que continue sendo
considerada também surda. Imperioso que ouça o clamor do povo, se aproxime dos
jurisdicionados, atente às queixas das partes, se preocupe com a eficiência da
atividade mais essencial ao cidadão. Urge a criação da Ouvidoria da Justiça,
com a finalidade específica de buscar uma rápida prestação jurisdicional.
Mister colocar à disposição de advogados, servidores e partes, meios diversos
para denúncias, sugestões e reclamações. Dada ciência ao reclamado do fato
denunciado, disporia ele de prazo para responder, devendo comunicar a
providência tomada e a solução final. O desatendimento a tais determinações
seria anotado na ficha funcional do serventuário ou magistrado, cabendo a
instauração do processo administrativo, se for o caso. Além de dar uma resposta
a cada reclamante, mister a publicação mensal do relatório de suas atividades.

Indispensável que a Ouvidoria tenha acesso a todas
as informações dos demais órgãos do Poder Judiciário, sendo-lhe disponibilizado
o andamento dos processos em todas as comarcas, bem como dos recursos em
tramitação no Tribunal, dados que o atual estágio da informática permite
acessar com facilidade. Também ficariam à sua disposição os dados referentes ao
desempenho de cada magistrado e, exercendo atividade censória, poderia
solicitar informações sobre as causas de retardamento de algum ou alguns
processos, buscar justificativas para o eventual acúmulo, estabelecer metas,
planos de trabalho, bem como implantar mecanismos para dinamizar o andamento
dos feitos: regime de exceção, redistribuição de processos ou formação de
equipe de magistrados para socorrer determinadas varas, comarcas ou câmaras.

O ocupante de tal cargo necessita
conhecer o funcionamento da justiça, mas não ser um integrante de seu quadro.
Sua legitimidade deve vir do referendo dos magistrados e sua independência
assegurada pela investidura temporária. Talvez o Ouvidor da Justiça deva ser
Desembargador aposentado, eleito por todos os magistrados, com mandato limitado
e sem possibilidade de recondução.

Urge que o próprio Poder
Judiciário busque mecanismos visando a otimizar a distribuição da Justiça, já
que a criação de um controle externo inquestionavelmente viria fragilizar a
independência da atividade jurisdicional e comprometer a garantia maior de um
estado democrático de direito: um julgamento atento à realização do direito,
mas ágil.


Informações Sobre o Autor

Maria Berenice Dias

Advogada, Ex-Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais