A orquestra está desafinando

0

Publicitários são especialistas
em sonhos, aspirações e esperanças. Eles seduzem as massas através de símbolos
e manipulam com  facilidade a credulidade humana.  Através de suas
técnicas, tudo se transforma em produto a ser consumido, inclusive, a política.

Em seu best seller “$ 29,99”,
Frédéric Beigbeder mostra
como funciona o poder de persuasão através dos falsos desejos do “homo consommatus”. Seu personagem principal, que encarna um
publicitário como ele, afirma com sarcasmo: “Humm,
é tão bom penetrar no cérebro de vocês. Gozo no hemisfério direito. O desejo
não lhes pertence mais: imponho-lhes o meu. Proíbo-lhes de desejar ao acaso.
Sou eu quem decide hoje o que vocês vão querer amanhã”.

Beigbeder não se furta em citar algumas frases de Joseph Goebbels: “O que buscamos não é a verdade, mas o efeito
produzido”. “Quanto maior a mentira, mais ela passa”. Mas é o jovem e brilhante
autor que, reconhecendo como técnicas de persuasão a
dissimulação, o jeitinho e o humor, desfere um pensamento ainda mais
sinistro: “O sistema atingiu seu objetivo: até a desobediência se tornou uma
forma de obediência”. A essas alturas, pode-se indagar: haverá limite para
tanto poder?
No Brasil não escapamos ao “totalitarismo” da
propaganda. Pelo contrário. No comando do poder das ilusões políticas, o
publicitário Duda Mendonça, que operou a metamorfose do perdedor de três
eleições em vencedor sempre em campanha, é exímio manipulador de símbolos
capazes de penetrar com força o inconsciente coletivo. Então Mendonça
transformou o próprio presidente da República em símbolo. Mas
como a simbologia é mutável, o presidente trocou o torno mecânico, de seu
longínquo passado, pelo violino.

Alguém já disse que “o poder é
como violino, se toma com a esquerda mas se toca com a
direita”. De violinista o presidente evolui para maestro e simulou reger a
orquestra-escola da Petrobrás. Muito interessante, pois seguindo o pensamento
de Elias Canetti, em  “Massa e Poder”, o maestro
é o único que está de pé num plano elevado. Atrás de si se encontra a platéia,
que emudece à sua chegada e o segue  através do espetáculo que ele
proporciona. O maestro é o guia e arrebata o público que o escuta embevecido.
Todos estão ali para aplaudi-lo estrondosamente e sua aclamação se dará à
medida de sua vitória. Seu exército de músicos obedecem
aos gestos de sua mão e a obra executada é de natureza complexa. Cada
integrante da orquestra é observado atentamente pelo maestro, que é o único que
tem a partitura completa na cabeça. Ele ouve atentamente qualquer som errado e
o corrige. Durante a execução da peça o mundo não pode ser outra coisa que não
a peça, durante esse tempo o maestro é senhor do mundo.

Mas é certo que há um poder maior
que controla a propaganda, ao qual a propaganda serve. O presidente pode
simular reger a orquestra, mas ele é apenas o executor da obra. O compositor é
outro, que quase não aparece, mas que em última instância é o grande poderoso.
Entre nós, ninguém desconhece que seu nome é Zeus, perdão, Joseph Dirceu, o super-ministro que tem nas mãos o poder de nomear e demitir,
de negociar privilégios e  “comprar” votos no Congresso, de se impor pelo
medo do castigo ou pela esperança da recompensa. Ele é, portanto, o autor da
partitura, o grande timoneiro, o cérebro por trás da propaganda.
Haverá limite para tanto poder? A única
brecha se abre quando a orquestra desafina, quando a harmonia entre os músicos
se rompe e a platéia em vez de aplaudir, vaia. E a orquestra esta
desafinando. Já existem músicos descontentes com a regência. O espetáculo não
está tão belo assim, ainda que nos digam que está. O tempo irá demonstrar se
nos resta algum desejo ou se  estamos proibidos de desejar.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Maria Lucia Victor Barbosa

 

Socióloga, jornalista e escritora, autora entre outros livros de: “O voto da pobreza e a pobreza do voto: a ética da malandragem (Jorge Zahar Editor) e América Latina: em busca do paraíso perdido (Editora Saraiva).

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais