Tributos tornam brasileiro semi-escravo do governo

0

Recente estudo do IBPT – Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário – acendeu a luz vermelha sobre um assunto que é uma “caixa preta” do governo: o montante da arrecadação tributária sobre o contribuinte, considerando somente a arrecadação sobre o mercado interno brasileiro. O estudo denuncia, inclusive, possíveis erros de metodologias e incoerências nos vários cálculos ditos “oficiais”.

O estudo confirma o que todos nós já temos sentindo há muito tempo: uma esmagadora tributação sobre o cidadão e as classes produtivas: em 2004, o nível de tributação atingiu 40,28% sobre os bens e serviços produzidos e consumidos no Brasil!

Ou seja, de cada R$ 1.000,00 que eu e você produzimos para nossos cidadãos brasileiros, R$ 402,80 são destinados à manutenção do governo!

Então posso afirmar que eu e você somos “semi-escravos” de uma federação em que nascemos, pois o nível absurdo de tributação compromete nossos investimentos, retira nosso ânimo de trabalho e nos penaliza, a cada ano, com aumento de tributos. Até quando?

Juros altos, desperdícios de recursos, mordomias, corrupção, aumento de salários dos congressistas … o problema do Brasil está no Governo, e não em seu laborioso povo. Um governo que gasta mal, exige cada vez mais do cidadão um esforço para financiá-lo e, em troca não oferece um mínimo de benefícios em educação, segurança e saúde!

Recentemente, a sociedade se manifestou, e contrariando o espírito de passividade, típica do brasileiro, assumiu feroz guerra contra a MP 232, que aumenta violentamente tributos sobre a pequena empresa e os agricultores. Sinal que os semi-escravos não querem se tornar escravos – ou agimos agora, pressionando maciçamente o Congresso e o Executivo, ou não poderemos reclamar depois do leite derramado!

Nós, cidadãos do Brasil, contribuintes, estamos cansados de sermos esmagados pela máquina estatal, taxados de “sonegadores”, insultados pelas autoridades, desrespeitados em nossos direitos à saúde, educação e segurança, e exigimos do atual governo e dos futuros a REDUÇÃO DA CARGA FISCAL.

Caso contrário, proponho a RETIRADA dos seguintes trechos de nosso Hino Nacional:

E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos,

Brilhou no céu da Pátria nesse instante

Se o penhor dessa igualdade

Conseguimos conquistar com braço forte,

Em teu seio, ó Liberdade,

Desafia o nosso peito a própria morte!

Liberdade para os brasileiros!

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Júlio César Zanluca

 

Contabilista em Curitiba/PR

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais