Investigação da CPI X Investigação do Ministério Público

0

As luzes sobre as investigações iniciadas pelas CPIs já não brilham como antes. Aos poucos vão perdendo a força, na mesma proporção em que os assistentes vão perdendo o interesse no seu acompanhamento. Não há nada de estranho e mesmo errado nessa situação. As CPIs, já se sabe à exaustão, são julgamentos políticos, e assim sendo, nada melhor do que utilizar o termômetro do povo para medi-la. No início dos depoimentos, demasiadamente longos, diga-se, tornava-se o assunto geral do País. A cobertura da imprensa era total. Aos poucos os parlamentares, absorvendo a vontade popular de punição foram temperando  o molho até chegarem ao número de cassáveis mínimo necessário para satisfazer o “senso de justiça” popular. Quais e quantos deveriam, ou devem ser cassados para que não se experimente a sensação de impunidade? Aí estão as cabeças. Com o tempo, ainda há tentativas de se aliviar o resultado, afinal, punir os pares não é tarefa fácil mesmo.

Foram produzidas toneladas de documentos, entre os próprios depoimentos gravados, e depois transcritos, quebras de sigilos, bancários, fiscais e telefônicos. Toda uma imensa malha de documentação que, sem muita estrutura, dificilmente será analisada a contento. Isso porque as “quebras dos sigilos” também são, ou foram realizadas, sem critérios, muito mais para satisfazer a vontade punitiva da população do que com a isenção e os critérios necessários à obtenção de prova conclusiva. A investigação criminal deve ser objetiva, “seca”, direcionada, criteriosa. Mas repito, não se pode recriminar os Parlamentares pelo pouco critério na ação investigativa porque a atuação deles é correta dentro do âmbito a que se propõe. Eles representam o povo, em o que se poderia chamar de “investigação política” – preparando, exatamente, o “julgamento político”. Não há imparcialidade absoluta, mas parcialidade conforme a vontade do povo. A principal característica de um julgamento, a valoração imparcial das provas, é relegada a segundo plano. Não que deixe de ser considerada, não é isso, mas não assume tanta importância como no plano do julgamento judicial. O principal exercício mental realizado pelo Juiz de Direito é “valorar provas”, uma vez reunidas no âmbito do devido processo legal. As CPIs não tem “processo”, e portanto não têm ritos. O julgamento sobrevém diretamente da investigação (que seria preliminar) na justiça. Os tribunais superiores se esforçam para garantir do direito da ampla defesa – mesmo em fase de investigação – e não processual.

A maioria dos parlamentares não tem conhecimentos técnicos jurídicos, e aqueles que o tem acabam sobrecarregados, sem tempo hábil para executar tantas tarefas. Isso não é demérito, pois não se poderia imaginar uma Câmara representativa do povo somente com juristas, – evidentemente.

Concluído o seu trabalho, por determinação legal, toda a documentação é encaminhada ao Ministério Público, para separação, organização, análise e direcionamento. Haverá muito o que aproveitar, mas também muito o que dispensar. Será a investigação do Ministério Público, que seguramente necessitará do trabalho da Polícia e mesmo de outros órgãos, como Receitas, INSS, experts diversos etc. Concluída a investigação, aí sim, terá início o processo criminal – o tal “devido processo legal”, conforme os princípios, aqueles conhecidos “ampla defesa”, “contraditório”, publicidade” etc.

Sobrevirá o julgamento judicial, este sim devendo ser absolutamente imparcial. Entrará em cena a confrontação entre o anterior “julgamento político” e o “julgamento judicial”. Haverá, possivelmente, divergências entre ambos. Natural. São instâncias distintas, com fundamentos e conclusões diferentes. A população poderá confrontar os dois julgamentos, compará-los, e concluir,…e analisar as opções da próxima eleição.

E assim se constrói uma democracia sólida. Apesar dos pesares, como se diz por aí, as Instituições estão funcionando. Vamos no caminho certo. Melhor assim, seguir a passos firmes, mesmo que lentos, porque se sedimentam e formam a cultura capaz de transformar o País.


Informações Sobre o Autor

Marcelo Batlouni Mendroni

Promotor de Justiça/SP – GEDEC, Doutor em Processo Penal pela Universidad de Madrid, Pós-Doutorado na Università di Bologna/Italia


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais