A responsabilidade dos supermercados referente a estacionamento de veículos

0

Os Supermercados, Hipermercados tornam-se a cada dia um local mais agradável, com área de lazer, espaço amplo, opções alimentares das mais diversas naturezas, segurança para locomoção, portanto tudo que se precisa é voltado ao atendimento das necessidades do consumidor.

Logicamente com toda essa estrutura não poderia jamais olvidar de dispor de estacionamento a fim de tornar mais cômoda a vida dos consumidores. A partir daí surgem a torrente de questionamentos. O que acontece se um carro for roubado do estacionamento? E se for avariado? O supermercado é responsável pelos veículos que abriga?

A Súmula 130 do Superior Tribunal de Justiça resolveu a controvérsia acerca da existência ou não de responsabilidade do estabelecimento pelos veículos que permanecem em seus estacionamentos ao preceituar:

 “ A empresa responde, perante o cliente, pela reparação de dano ou furto de veículo ocorridos em seu estacionamento”.

A responsabilidade existe. Se violada, erige o dever de reparação proporcional ao prejuízo que se consolide. Temos aí um contrato de depósito entre os Supermercados e o dono de veículo/ consumidor.

A mais abalizada doutrina especifica que contrato de depósito é:

 “O contrato pelo qual um dos contraentes (depositário) recebe do outro (depositante) um bem móvel, obrigando-se a guarda-lo, temporária e gratuitamente, para restituí-lo quando o for exigido.”

Nos termos acima definidos, o depósito consiste na espécie contratual através do qual o detentor (consumidor) de determinado bem móvel o deixa sob a responsabilidade de outrem (Supermercado), que assume a obrigação de guardá-lo e zelá-lo, em consonância com as estipulações pertinentes a cada caso até que seu possuidor o requeira (consumidor) de volta.

Face a respectiva obrigação de assumir a guarda da coisa depositada, aos Supermercados é atribuída a responsabilidade civil pela execução de sua  prestação, respondendo com perdas e danos se porventura transgredir o respectivo contrato, ocasionando alguma avaria no objeto a ser guardado em seu poder.

O referido assunto também possui amparo no Código de Defesa do Consumidor ao relacionar a respectiva prestação de serviço como uma relação de consumo, em virtude de termos de um lado o Supermercado (prestador/fornecedor), que coloca no mercado serviço visando ao atendimento das necessidades do consumidor.

Recentemente em janeiro de 2007 a 7.ª Câmara de Direito  Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, por votação unânime, aceitou recurso de uma ação promovida por uma casal que sofreu seqüestro relâmpago e teve o carro roubado em uma grande rede de Supermercados do Estado.

O respectivo seqüestro ocorreu em fevereiro de 2005, onde em 1.ª instância a ação fora julgada improcedente, entendendo a MM. Juíza na época que o seqüestro ocorreu “por força maior”, criado pela ação de terceiros, sendo um “caso fortuito” produzido pela força física, em condições na previsíveis pelo supermercado.

Todavia não fora do mesmo entendimento o Relator e demais Desembargadores do Tribunal de Justiça, que para justificar seus argumentos e condenar o Supermercado a indenizar a cada uma das vítimas no valor de 50 salários mínimos por dano moral, além de pagamento pelo veículo roubado argüi a total responsabilidade do Supermercado, tal decisão encontra-se em grau de recurso, podendo ser reformada ou não.

No presente caso a decisão se baseou no fato de que o Supermercado ou qualquer outra empresa atuante no setor de comércio ou de serviços, tem como obrigação a solidariedade e a responsabilidade pelo atendimento seguro dos consumidores de sua loja.

A empresa, portanto nestes casos tem o dever de zelar pela segurança de seus clientes, pois oferece a eles estacionamento como fator de captação do público consumidor, dando a idéia de que os mesmos ao se encontrarem ns dependências do supermercado estão seguros, prestes a consumirem os  serviços oferecidos.

Pelo exposto cabe um alerta aos Supermercados, bem como a todos os prestadores de serviços que possuam estacionamento, pois o consumidor ao deixar seu carro em estacionamento mantido por este estabelecimento, não está a consumi qualquer coisa que seja, mas sim a usufruir de um serviço que lhe é oferecido e mediante o qual o Supermercado se compromete a garantir de forma irretocável, a guarda deste bem, portanto seqüestro, roubo, furto ou avaria no veículo desde que devidamente comprovado, incide em os Supermercados terem que arcar com os prejuízos de perdas e danos que porventura advenham de sua conduta culposa/dolosa.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Gislaine Barbosa de Toledo

 

Advogada de Silveira&Quércia Advogados Associados

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais