Aborto, uma questão de saúde pública

0

1. Introdução[1]


A interrupção da gravidez, espontânea ou provocada, é denominada de aborto. Quando esta interrupção é espontânea, ou provocada por motivos humanitários ou de necessidade, os efeitos não chegam a ter, regra geral, reflexos na área jurídico-criminal. Todavia, diferente é o que sucede quando o ato é provocado fora das situações excepcionais, pois, então, incidem as sanções legais.


Não obstante, desde os primórdios da humanidade o aborto vem sendo praticado pelas gestantes que não almejam dar continuidade a uma gravidez indesejada, tanto é assim que restou sendo criminalizado. Contudo, o crescimento progressivo da prática do aborto provocado culminou constituindo-se num problema de saúde pública, carecedor de medidas fortes e eficazes por parte das autoridades governamentais no intuito preventivo.


Os métodos empregados naquela prática, geralmente caseiros, permaneceram impassíveis aos novos conhecimentos médicos e científicos, e quando destes se valem, são realizados clandestinamente, sem condições ambientais adequadas e oferecendo risco à saúde e vida das pacientes. Neste ínterim, desencadeado pelo aumento dos índices de abortamento irregulares, difundiu-se a idéia de sua descriminalização como meio indireto de combate aos procedimentos inseguros.


A proposta de descriminalização gerou grande discussão, acabando por se transformar na celeuma atual que tem maior abrangência nos ramos do conhecimento, setores da sociedade e classes sociais, manifestando-se em ciclos impulsivos: conforme a ocorrência de fatos referentes ela revive, insurge em cada conversa, embora longe do consenso nos entendimentos e opiniões a seu respeito.


O último fato a trazer à tona a polêmica no Brasil foi a descriminalização da prática abortiva em Portugal, corroborada e catalisada pela recente visita do Papa Bento XVI ao nosso país, que possui o maior número de católicos do mundo e, por conseguinte, em tese, onde há o maior número de pessoas que seguem a orientação católica de repúdio ao aborto.


Logo, é neste contexto que está inserta a problemática deste estudo: a postura do administrador público frente ao aborto; como lidar com as pressões exercidas pelos favoráveis e pelos contrários à descriminalização do aborto; e que medidas tomar para enfrentá-lo.


Para tal estudo, procurou-se dividir o trabalho de forma a se ter um melhor entendimento da conjuntura atual: primeiramente enfoca-se os três principais fatores contrários à descriminalização do aborto; incontinenti, trata-se das questões de saúde pública, como a previsão normativa dos deveres do Estado para com ela, a postura que vem sendo tomada hodiernamente pelos administradores da saúde pública brasileira e a discussão sobre o momento em que inicia a vida humana; e, ao cabo, formula-se sugestões de medidas que se entende aptas a enfrentar a questão.


2. Os fatores contrários à descriminalização do aborto


No Brasil podem ser apontados como fatores contrários à descriminalização do aborto os seguintes argumentos e influências: a norma atual, considerando-o ato ilícito e autorizando-o somente em casos específicos e restritos; a religião predominante, com posição ferrenha e contrária ao aborto; e a parcela conservadora e legalista da sociedade, por questão hermenêutica ou religiosa.


Começando pelo tratamento jurídico dado ao aborto no Brasil, a legislação brasileira[2] autoriza a interrupção voluntária da gravidez somente em duas situações: aborto necessário ou terapêutico, na hipótese de haver risco à vida da mãe; e aborto humanitário ou sentimental, quando a gravidez decorre de estupro. Entretanto, como ensina Vivente de Abreu Amadei[3], essas não são hipóteses legais de aborto, mas sim casos de ilicitude em que se exclui a punibilidade, da mesma forma que ocorre nos casos de abortos eugênicos autorizados por decisão judicial. Em todas as demais hipóteses, a prática abortiva é punível, tanto nos casos em que é provocado ou consentido pela gestante, como no caso de ser provocado por terceira pessoa[4].


Na conjuntura legislativa, tramitam pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal diversos projetos de lei versando sobre a matéria. Alguns pela transformação do crime de aborto em crime hediondo; outros pela ampliação de permissivo legal para os casos de má formação fetal ou eugenésicos, nos quais se incluem os de anencefalia; e os que buscam a total descriminalização do aborto.


Seguindo o mesmo viés, embora nosso país seja um Estado laico, como prega a Constituição Federal[5], não há um distanciamento da influência católica na hora de legislar. Assim, a religião tem sido a maior barreira, não só à descriminalização do aborto, mas também à sua discussão em âmbito nacional. Esta situação assemelha-se àquelas ocorridas em 1940 e 1973, quando malgrado a Igreja Católica ser extremamente contrária, foram aprovadas duas importantes leis: o Código Penal, que passou a autorizar o aborto necessário e o aborto humanitário; e a Lei do Divórcio, permitindo a dissolução do casamento civil.


A norma, diante daquele entrelaçamento com a orientação religiosa, acaba por não acompanhar a evolução social do povo, distanciando o ordenamento jurídico da realidade na qual ela deveria estar apta a pacificar, como no caso da prática do aborto.


Por derradeiro, sobre os fatores contrários à descriminalização, pode-se considerar como outra vertente a parcela conservadora e legalista da sociedade[6], composta pelos cidadãos que formam sua opinião sobre o tema por intermédio de uma única fonte de informação, filiando-se àquele pensamento sem questioná-lo, como se fosse o único correto.


Destarte, enquadra-se nesta parcela a grande massa de devotos religiosos que recebem e conservam como única verdade os ensinamentos repassados por seus ministros, rechaçando de imediato qualquer opinião que contrarie seus ditos e dogmas; e, ainda, os cidadãos que se fixam literalmente ao texto legal, encarando o mundo que os cerca como algo estanque e imutável, ignorando que a legislação e os conceitos nela contidos, quando desajustados ao contexto em que estão insertos, devem ser alterados, reformulados e atualizados de acordo com a necessidade e o conhecimento contemporâneos.


É neste último grupo que estão os maiores defensores da tese de que o início da vida humana começa com a concepção, ponto de suma importância na contenda sobre a legalização do aborto.


3. A saúde pública como fator preponderante à descriminalização do aborto


A saúde pública, da mesma forma que é um direito assegurado constitucionalmente a todos, é também um dever do Estado. Esta é a máxima do art. 196 da Constituição da República Federativa do Brasil[7], que assevera, ainda, o compromisso do Estado com a tomada de medidas políticas, sociais e econômicas no sentido de promover, proteger e recuperar a saúde da população, de modo a reduzir os agravos [8] que causam um mal à coletividade.


Quando ocorre faticamente uma das hipóteses previstas no dispositivo supracitado, emerge para o Estado a responsabilidade para lidar com estes infortúnios e proceder da maneira melhor e mais eficiente para cuidá-los. Destarte, no momento presente, pode perfeitamente ser vislumbrado o enquadramento da realidade social com a previsão constitucional, autorizando a tomada de medidas públicas na área de saúde como prevê a Carta Magna. Pois, mesmo havendo restrição legal à interrupção voluntária da gravidez fora das exceções previstas na lei, ela continua a ocorrer em grande quantidade, e esta ilegalidade torna-se mais prejudicial que o próprio aborto, já que quando as gestantes se entregam às clínicas clandestinas as conseqüências muitas vezes são mais prejudiciais, física e psicologicamente, do que se houvesse a assistência legal do serviço público de saúde.


Assim, corroborando a identificação do suporte fático abstrato com o suporte fático concreto, bem como a tese de que o aborto é uma questão de saúde pública, estão os dois principais administradores públicos da área: o Presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva, em caráter geral, como chefe de governo e de Estado; e o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, em caráter específico, como responsável pelos assuntos relacionados à saúde da população.


Os dois administradores manifestaram sua ótica por diversas vezes, e através de diversos veículos de comunicação, sendo a defesa do Ministro Temporão a mais forte da posição estatal, pois assumiu o cargo em março de 2007 tomando uma postura de vanguarda ao enfrentar a parcela da população composta pelos setores ligados à Igreja Católica, e que além de ser favorável à política de planejamento familiar, é um defensor do aborto, talvez o maior defensor hodierno. O Ministro defende publicamente a realização de um plebiscito para colher a opinião da população brasileira sobre o tema, de maneira similar ao que ocorreu em Portugal[9], onde a forma escolhida foi o referendo[10].


A posição externada pelo Ministro Temporão em diversas falas públicas provocou um alvoroço nos políticos de vinculação religiosa, o que fez com que no legislativo se unissem a alguns petistas, numa campanha para não deixar que fosse promovido o debate nacional, como afirma André Petry[11], que segue dizendo que “pode-se, portanto, ser contra ou a favor do plebiscito. Contra ou  a favor do aborto. Mas interditar o debate é coisa de pequenos ditadores, que se julgam em oposição de dizer ao país: calem-se, todos”.


A sugestão manifestada, de início, parece uma boa saída para dar suporte aos representantes do povo no Legislativo. Ocorre que, se analisada cautelosamente a hipótese, verifica-se que o custo para um plebiscito num país do tamanho e com a população do Brasil, como ocorreu com o referendo sobre a proibição da comercialização de armas de fogo realizado no ano de 2005, é vultoso, pois, além da votação em si, deve existir previamente, em nível nacional, um espaço igualitário à defesa e à refutação da idéia da descriminalização do aborto.


Acrescenta-se ainda, para salientar a constância desse quadro de necessidade de intervenções políticas diretas na área da saúde pública, mais precisamente no que diz respeito aos casos de aborto, que o Ministério da Saúde, antes mesmo da posse de Temporão, já vinha demonstrando sua preocupação com os abortamentos inseguros realizados no Brasil. Essa preocupação constata-se pelas normas técnicas editadas pelo Ministério sob a direção do Ministro Humberto Costa, principalmente a Norma Técnica de Atenção Humanizada ao Abortamento[12], e a Norma Técnica de Prevenção e Tratamento dos Agravos Resultantes da Violência Sexual Contra Mulheres e Adolescentes[13].


Ademais, segundo declarações do Ministro Temporão[14], só no ano de 2006, cerca de 220 mil curetagens[15] foram realizadas na rede pública de saúde, tendo como pacientes mulheres vítimas de abortamentos inseguros realizados em clínicas clandestinas, onde não há o mínimo cuidado com higiene, e onde, no mais das vezes, os procedimentos empregados são rudimentares quando comparados aos métodos mais modernos de intervenção. E, além destes, estima-se que gire em torno de 1,1 milhão o número de procedimentos abortivos realizados em clínicas marginais que não chegam à notoriedade pública, como aqueles que resultam na morte da gestante.


Por outro lado, não é possível ignorar que a definição do momento em que se inicia a vida é o ponto nuclear da discussão do aborto. Quem defende o aborto tem que fornecer uma saída para o dilema de alterar o marco tradicional, de modo a argumentar contra aqueles que rechaçam a descriminalização dizendo-se amparados legal e constitucionalmente para sustentar que a vida começa com a concepção.


Ocorre que, tão-somente o Código Civil, mais especificamente em seu art. 2.° [16], refere-se a direitos existentes antes do nascimento, os quais são em número muito inferior aos concedidos à pessoa que com a vida adquire personalidade civil. Conquanto isto, a Constituição Federal, no art. 5.°, [17] menciona a proteção à vida sem fazer qualquer referência à concepção, o que enfatiza a não adoção pelo texto constitucional da teoria que põe a salvo a vida naquele instante.


Agora, no que toca à melhor definição para precisar o início a vida, nada mais inteligente do que recorrer à ciência mais adequada, a medicina, saindo assim das especulações religiosas e filosóficas.


É sabido que ao longo da história, com o desenvolvimento e o alargamento dos conhecimentos científicos, os conceitos médicos foram sendo modificados. Com o conceito de morte não foi diferente. Atualmente o Conselho Federal de Medicina define morte como sendo a “parada total e irreversível das funções encefálicas”, ou seja, quando não há mais atividade cerebral[18]. E é por aí, com base numa interpretação analógica, que se pode estabelecer a definição de vida: se a morte ocorre quando se encerra a atividade cerebral, a vida inicia-se, então, quando essa atividade começa. Daí, se a atividade cerebral só se inicia por volta da décima semana de gestação[19], haveria tempo suficiente para que se pudesse realizar o aborto legal, com segurança e controle, dentro deste lapso temporal.


Tomando como premissas aquelas considerações, os que advogam em defesa da legalização do aborto, por parte dos setores não ligados diretamente ao governo, não o fazem no intuito de obter sua autorização desmedida, não buscam a descriminalização sem critérios, e muito menos sua banalização ou obrigatoriedade de realizá-lo. O que eles buscam é a garantia de atendimento estatal público e seguro àquelas mulheres que querem realizar o aborto independente do consentimento estatal.


Com a retirada do caráter ilícito da conduta, os estabelecimentos públicos de saúde e as clínicas particulares estariam autorizados a realizar o abortamento sem o risco de adentrarem no âmbito penal. E, incontinenti, a primeira benesse dessa autorização seria às mulheres de baixa renda, que poderiam recorrer ao abortamento seguro e sem despesas, pois as que são de uma classe social mais elevada sempre tiveram a opção de pagar clínica seguras, clandestinas ou de fachada legal, assistidas por profissionais preparados.


Para complementar, destaca-se que não se pode confundir descriminalização com banalização. O aborto, descriminalizado, não seria realizado de qualquer maneira e a qualquer tempo, com uma discricionariedade ilimitada da gestante; estabelecer-se-iam algumas exigências: o aborto não seria praticado a qualquer tempo da gestação, mas por critérios definidos, como ocorre em Portugal, com a colaboração da ciência médica para sua fixação; a gestante passaria por análise psicológica, para a cognição do seu estado mental contemporâneo; haveria a intervenção de assistentes sociais, de modo a verificar a realidade social em que está inserta a gestante, no fito de verificar a viabilidade da modificação do seu estado através de ações sociais, visando a desestimulação do ato; e, também, a explanação de um profissional da saúde, sobre o que é de fato um aborto, como é realizado, e os efeitos que causaria ao seu corpo.


4. Considerações finais


A realidade é que no Brasil milhares de mulheres recorrem às clínicas clandestinas de aborto, sujeitando-se a todo tipo de contaminação e infecção, além da falta de conhecimentos e técnicas científicas das pessoas que praticam o abortamento, gerando um problema de saúde pública para o Estado resolver. No entanto, parece que esses fatos não são lembrados, muitas vezes voluntariamente, no momento de se debater a legalização ou não da prática abortiva.


Verifica-se ainda, de forma latente, a influência religiosa católica em nosso ordenamento jurídico, mais especificamente na manutenção do enquadramento legal do aborto como crime, e na preservação do conceito de que a vida humana começa com a concepção.


O Poder Executivo, dado a inércia do Poder Legislativo em tratar da problemática do aborto, vem tomando posições e atitudes no sentido de estabelecer, senão sua descriminalização, pelo menos a elevação da contenda ao nível nacional, embora a proposta de plebiscito sugerida pelo Ministro da Saúde José Gomes Temporão não pareça ser a melhor atitude a ser tomada no momento. O aborto, como problema de saúde pública, precisa de solução imediata, e um plebiscito, além de ser por demais oneroso, demora na sua preparação e realização, sem falar na elaboração das propostas a serem votadas, que levariam outro lapso temporal considerável.


Pode-se concluir que com a legalização da prática abortiva muitas seriam as conseqüências positivas à saúde das mulheres e, por conseguinte, à saúde pública: ocorreria a diminuição dos procedimentos realizados clandestinamente, pois estes passariam a ser realizados na rede pública de saúde; diminuiriam as seqüelas do procedimento nas mulheres, incluindo hemorragias, perda do útero e morte, v.g.; haveria um controle estatal, direto, do número de procedimentos abortivos realizados nas instituições públicas e nas clínicas particulares; e, ainda, poderiam ser realizadas pesquisas e estudos com as mulheres que optaram pelo aborto, de modo a se estabelecer políticas regionais de desestimulação da prática abortiva.


Ademais, independentemente da descriminalização do aborto, ou tão-somente da ampliação da discussão do tema no âmbito nacional, resta ao Estado a tomada de medidas referentes à saúde pública. A Constituição Federal enumera nos artigos 196 e seguintes os deveres do Estado para com a saúde: prevenção, controle e fiscalização. Neste diapasão, cabe ao Estado, primeiramente, iniciar uma campanha de esclarecimento à população sobre ‘o que é’ e ‘como é’, de fato, realizado o aborto e a curetagem, valendo-se para tanto de medidas de caráter preventivo, respaldadas no artigo 198, inciso II da Constituição, o qual reza que essas ações públicas de saúde devem ser realizadas com prioridade para as ações preventivas; e, igualmente, seguir os passos de sucesso da campanha estatal de combate à AIDS e às doenças sexualmente transmissíveis; campanhas essas que se baseiam nesse mesmo fundamento: a conscientização da população, respeitadas suas particularidades e seus objetos diversos, a saúde e vida, respectivamente.


Com base naqueles programas pode-se verificar que os valores sociais e de saúde pública acabaram preponderando sobre o aspecto ético e moral da religião, representando um grande passo no combate a AIDS, principalmente. E é aí, neste ponto em específico, que se vislumbra um perfeito exemplo de acerto do Estado e do governo na efetivação de tais ações – obtendo uma redução significativa nos índices de contaminação, e o erro religioso – ao ir de encontro a elas, ignorando os efeitos benéficos na saúde coletiva brasileira.


Agindo daquela maneira quanto ao aborto, estar-se-ia educando a população sobre o risco que existe à saúde quando da realização de um aborto, e o esclarecimento desestimularia a recorrência de mulheres a formas sub-reptícias, afastando o risco à sua integridade física.


Finalmente, em relação ao dever estatal de controle e fiscalização de procedimentos de interesse afins à saúde, previsto no artigo 200, inciso I, da Constituição Federal, há a necessidade de intensificarem-se as atividades fiscalizatórias nos estabelecimentos e clínicas médicas particulares legalizadas que realizam procedimentos abortivos, bem como nos clandestinos, só que nestes, por meio de políticas maciças de identificação dos locais, profissionais e pessoas ligadas a elas.


 


Referências bibliográficas.

AMADEI, Vicente Abreu. Ilusão do necrodireito fetal e aborto na rede hospitalar pública. [on line]. Disponível na URL: http://www.providaanapolis.org.br/. Acesso em 20 julho 2007.

ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO: Norma Técnica. Elaboração: Adson França e outros. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2005. 36p. ISBN 85-334-0873-0.

BRASIL. Código Civil; Código Comercial; Código Processo Civil; Constituição Federal. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto, Márcia Cristina Vaz dos Santos Windt e Lívia Céspedes. São Paulo: Saraiva, 2005.

BRASIL. Código Penal. Obra coletiva de autoria da Editora Saraiva com a colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto, Márcia Cristina Vaz dos Santos Windt e Lívia Céspedes. São Paulo: Saraiva, 2003.

BRASIL. Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.480 de 08 de agosto de 1997. Secretário-Geral: Antônio Henrique Pedrosa Neto. In: Portarias. [on line] Disponível em: <www.sbn.org.br/Portarias/portaria6.htm>. Acesso em: 10 nov. 2007.

GUEDES, Denise. A vida não começa na fecundação. Super Interessante, São Paulo, n.240, p.24-26, jun.2007.

O que é a raspagem (curetagem uterina)?. [on line] Disponível em: <http://www.sitemedico.com.br/sm/materias/index.php?mat=464>. Acesso em: 10 nov. 2007.

Objeção de consciência – Lei do aborto de Portugal sofre resistência de médicos. [on line] Disponível em:<http://conjur.estadao.com.br/static/text/57637,1>. Acesso em: 10 nov. 2007.

PETRY, André. Pequenos ditadores. Veja, São Paulo, n.15, p.57,18-04-2007.

Portugal – Lei permite o aborto em até dez semanas de gravidez. [on line] Disponível em: <www.transanet.fm/pt-BR/_contents/news/2007/07/18/124524_5_280_30b4ac5c.php>. Acesso em: 10 nov. 2007.

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS AGRAVOS RESULTANTES DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MULHERES E ADOLESCENTES – Norma Técnica. 2. ed. atual. e ampl. Elaboração: Antônio Carlos Toledo Junior e outros. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2005. 68p. ISBN 85-334-0881-1.

WIKIPÉDIA. Referendo à despenalização do aborto em Portugal (2007). [on line] Disponível em:<http://pt.wikipedia.org/wiki/Referendo_%C3%A0_despenaliza%C3%A7%C3%A3o_do_aborto_em_Portugal_(2007)>. Acesso em: 10 nov. 2007.

 

Notas:

[1] Trabalho sob a orientação do Prof°. Dr. João Moreno Pomar, do Curso de Direito da Fundação Universidade Federal do Rio Grande – FURG

[2] Art. 128, I e II do Código Penal.

[3] Ilusão do necrodireito fetal e aborto na rede hospitalar pública. Disponível em: http://www.providaanapolis.org.br/. Acesso em 20 julho 2007.

[4] Artigos 124, 125 e 126 do Código Penal.

[5] Principalmente no art. 5.°, incisos VI e VIII.

[6] Salienta-se que esta nomenclatura social atribuída não é advinda de doutrinadores sobre o tema, mas sim de forma empírica, de modo a englobar num mesmo grupo social as pessoas que possuem a mesma forma de ver e inteligir a questão do aborto.

[7] Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

[8] São nesses males, genericamente considerados, que se incluem os procedimentos abortivos realizados sub-repticiamente, onde é imputado ao Estado a tomada de medidas de saúde pública.

[9] O referendo à despenalização do aborto em Portugal realizou-se no dia 11 de fevereiro de 2007. Conquanto a regulamentação da lei só foi publicada no Diário da República em 21 de junho de 2007.

[10] A realização de plebiscito é autorizada pelo art. 14, I, da Constituição Federal, e o referendo, instrumento utilizado em Portugal, pelo art. 14, II. O referido dispositivo trata da soberania popular, a qual pode ser “exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos”, onde o plebiscito e o referendo são formas desta. Enquanto isso, a Lei 9.709/1998 regulamenta o dispositivo constitucional citado, definindo o que é plebiscito e o que é referendo, a saber:

Art. 2º. Plebiscito e referendo são consultas formuladas ao povo para que delibere sobre matéria de acentuada relevância, de natureza constitucional, legislativa ou administrativa.

§ 1º. O plebiscito é convocado com anterioridade a ato legislativo ou administrativo, cabendo ao povo, pelo voto, aprovar ou denegar o que lhe tenha sido submetido.

§ 2º. O referendo é convocado com posterioridade a ato legislativo ou administrativo, cumprindo ao povo a respectiva ratificação ou rejeição.

[11] PETRY, André. Pequenos ditadores, 2007, p.57.

[12] ATENÇÃO HUMANIZADA AO ABORTAMENTO: Norma Técnica. Elaboração: Adson França e outros. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2005. 36p. ISBN 85-334-0873-0.

[13] PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS AGRAVOS RESULTANTES DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MULHERES E ADOLESCENTES – Norma Técnica. 2. ed. atual. e ampl. Elaboração: Antônio Carlos Toledo Junior e outros. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2005. 68p. ISBN 85-334-0881-1.

[14] GUEDES, Denise. A vida não começa na fecundação, 2007, p.25.

[15] Curetagem é o procedimento realizado para a retirada do feto do útero, juntamente com seus anexos.

[16] Art. 2.° A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro.

[17] Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade […].

[18] CFM – Resolução n.º 1.480, de 08 de Agosto de 1997.

[19] Marco temporal adotado em Portugal, estabelecido através da colaboração da Ciência Médica.

Informações Sobre o Autor

Rafael Vargas Hetsper

Acadêmico de Direito na FURG/RS


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais