Os consumidores da BRA

0


A BRA parou de voar deixando de honrar cerca de 70.000 passagens. Apesar de estarem acontecendo alguns endossos, tudo indica que a maioria dos consumidores ficará com o prejuízo. O que fazer diante desse quadro?


Se a empresa entrar em processo de falência, será difícil que os consumidores recebam, porque antes serão pagas as dívidas tributárias e trabalhistas. Nesse caso, será mais conveniente, para aqueles que adquiriram pacotes de viagens e passagens através de agências, propor ação contra estas.


No nosso entender, é cabível a ação contra a agência, porque ela sugere o pacote ao consumidor, recomendando, muitas vezes, a empresa de aviação. A agência de viagens responde objetivamente pelo pacote que vende.


Para aqueles que adquiriram as passagens diretamente da BRA, recomenda-se entrar com a ação invocando o disposto no art. 28 do Código de Defesa do Consumidor, instituto denominado de desconsideração da personalidade jurídica.


Como a empresa não possui patrimônio suficiente para arcar com as suas dívidas, o que,no mínimo, se deu pelo descumprimento do princípio da boa-fé, já que vendeu passagem em um dia e parou de funcionar no seguinte, é possível buscar no patrimônio pessoal dos diretores o ressarcimento do dano.


Vale dizer,nos casos de dolo, fraude, má administração e havendo prejuízo do consumidor, é possível satisfazer no patrimônio pessoal dos diretores as dívidas da pessoa jurídica.


Mesmo tomando essas providências, é possível que o consumidor não receba. Dependendo do montante pago e da condição financeira do consumidor talvez, no plano prático, não valha a pena recorrer ao Judiciário, porque o risco de perder a ação e de não receber o dinheiro sempre existe.


As ações cujos valores não ultrapassem vinte salários mínimos, poderão ser propostas nos Juizados Especiais Cíveis, independentemente da presença de advogado. Aquelas que superem esse valor e não ultrapassem quarenta salários mínimos, poderão ser propostas também nos Juizados, mediante a contratação de advogado.


Todos os danos materiais (aquisição de nova passagem, perda de reuniões e compromissos profissionais, pagamento de refeições, diárias de hotel, etc.) e morais(aborrecimentos e transtornos graves) podem ser ressarcidos através da ação.


Melhor seria que fosse proposta uma ação coletiva ou que fosse tomada uma providência por parte da ANAC, a fim de facilitar a defesa e evitar transtornos para os consumidores. Do contrário, o nosso Judiciário que já está assoberbado, terá ainda mais trabalho, prejudicando toda a sociedade com a maior demora no desfecho das ações.



Informações Sobre o Autor

Arthur Luís Mendonça Rollo

Advogado em São Paulo, mestre e doutorando em direitos difusos e coletivos pela PUC/SP, Professor Titular da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais