Uma grande perda

0

Ainda me lembro daquele dia de 1987 em Brasília. A
capital da república respirava os ares da Assembléia Nacional Constituinte.
Estava no restaurante do aeroporto. Avistei o Senador. Desde criança gostava de
política. Então, naquele dia, aos 13 anos, me encaminhei até a mesa daquele
político que tanto admirava. Ele estava sendo entrevistado por um jornalista.
Avistando minha aproximação, abriu um sorriso. Depois de trocarmos algumas
palavras, ganhei um forte e sincero abraço. Voltei até a mesa onde estava com
lágrimas nos olhos. Havia conhecido o Senador Mário Covas. Hoje me recordo
deste momento, 14 anos depois, quando meu Senador foi vencido por um
incontrolável câncer.

Hoje recebi um E-mail que dizia não se
recordar de uma manifestação popular tão forte na despedida de alguém desde que
perdemos Ayrton Senna. Pode ser verdade. Mas o que fazia Covas ser uma pessoa
tão especial? É difícil enumerar. Mas, sem dúvida, sua maior qualidade era
saber ser um democrata. Ele representava a essência do PSDB, ou seja,
personificava os valores que levaram os dissidentes do PMDB a formá-lo. Suas
qualidades, neste sentido, assemelhavam-se a de outro ilustre político que
perdemos recentemente, o Governador Franco Montoro. Em uma rápida leitura,
percebemos como o PSDB perdeu figuras importantes nos últimos anos, pessoas que
eram verdadeiros ícones das causas sociais-democratas
defendidas pelos tucanos. Agora, o PSDB preciso de novos comandantes com as
qualidades destes dois políticos.

Covas deixa uma imagem irretocável, de homem
público honesto e trabalhador, exemplo de moralidade. Administrador de
qualidade, que estava guiando São Paulo para fora do emaranhado de dívidas e
más administrações dos últimos tempos. Covas representava
a dignidade política, independentemente de sua posição ideológica. Jogava
limpo. Em época de denúncias de corrupção que resultam em desilusão do povo com
a classe política, provou que esta é também formada por pessoas honestas e de
qualidade.

Tinha suas posições, mas não hesitou em modifica-las, quando verificou
a realidade da administração pública. Muitos consideravam o Governador um estatista. Esta pecha o acompanhava na eleição presidencial
de 1989. Então, em um discurso (uma de suas grandes qualidades, a oratória)
durante a campanha, colocou alguns atônitos quando disse que o Brasil precisava
de um “choque de capitalismo”. Naquele momento desagradou a
esquerda e não convenceu os liberais. Perdeu a eleição, mas deixou sua marca.
Entretanto, em uma outra leitura, poderíamos perceber que Covas estava atento as mudanças que aconteciam no mundo e verificava que
o Estado não podia mais suportar aquele nível de endividamento para gerar
desenvolvimento. Era necessário incentivar os empreendedores, abrir os
mercados, ou seja, desestatizar. Foi o que fizeram os
governos seguintes. Foi o que fez em São Paulo quando assumiu o governo do estado,
pois sabia que esta era a melhor forma de poder proporcionar bem estar para o
cidadão.

Era também um líder decidido, não se
afinando com grande parte dos tucanos, que muitas vezes permaneceram “em cima
do muro”. Foi assim na decisão de integrar o governo Collor. Não era um líder
omisso, mesmo que isto lhe trouxesse a pecha de truculento e teimoso. Mas ao
contrário do que muitos pensam, era muito coração.

A perda de Covas é ruim para o PSDB,
para São Paulo, para o Brasil. Homens de sua estatura moral devem ser exemplos
que a nova geração de políticos deve seguir. Como disse, podemos não concordar
com suas idéias, mas pessoas de caráter, éticas, abnegadas, sensatas e lutadoras
não podem ser facilmente esquecidas. Que o nosso Governador descanse, inclusive
das injustas pedradas que recebeu durante uma manifestação, já doente. E para
terminar, faço minhas as palavras do Deputado Vittorio Mediolli:
“O Brasil perdeu um grande homem, um homem raro, um monumental exemplo de
virtude”.


Informações Sobre o Autor

Márcio C. Coimbra

advogado, sócio da Governale – Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Mestrando em Relações Internacionais pela UnB.
Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE – Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese – IOB Thomson (www.sintese.com).


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais