O efeito suspensivo na impugnação à execução judicial

0


O tema é bastante novo e pertinente para discussão, considerando o elevado uso das ferramentas inseridas pela Lei n. 11.232/2005 e seu artigo 475 no Código de Processo Civil.


Com a nova sistemática implantada no processo executivo judicial e sua vital importância na divulgação de um resultado justo, explora-se a solicitação de efeito suspensivo quando da apresentação da Impugnação.


Pois bem, iniciado o processo executivo pelo credor e apresentada Impugnação aos valores executados, a única forma de exerce-se a devida apreciação, sem prejuízo de execução provisória, é o pedido de efeito suspensivo ao instituto.


Assim, mediante o artigo 475 – M do CPC é permitida a concessão do efeito pelo juiz, quando preenchido os seguintes requisitos:


I) relevância dos fundamentos apresentados na petição de impugnação do devedor;


II) que reste configurada a possibilidade de um dano grave para o executado, em caso de prosseguimento;


III) que o dano seja irreparável ou, pelo menos, de incerta reparação.


Ainda que a jurisprudência demonstre a apreciação de pronto pelos juízes na concessão do efeito, se faz necessário em muitos casos a apresentação de recurso adequado para o recebimento da suspensão do processo executivo.


Assim, em recurso já elaborado, e felizmente recebido e provido, nosso escritório inicia uma vasta gama de decisões favoráveis aos nossos clientes.


A apresentação do Agravo de Instrumento alegando a necessidade de concessão do efeito suspensivo à Impugnação da Execução, tem se mostrado completamente eficaz para sanar os vícios do juízo a quo.


A demonstração de equívocos executados é permitida somente em sede de Impugnação, e não têm sido poucos os casos que a defesa é devida pela parte devedora.


As execuções pelo art. 475- J do CPC, aplicadas com acréscimo da multa de 10% sobre o valor de condenação, tem sido o maior alvo dos recursos apresentados.


As partes Exeqüentes têm utilizado da multa como valor de condenação acrescido sem qualquer obrigação da parte devedora. É ai que surge de extrema importância e justiça, a apresentação de impugnação ao valor executado acrescido de efeito suspensivo.


Podemos ainda buscar o art. 558, do CPC, onde nos ajuda dizendo:


“O relator poderá, a requerimento do agravante, nos casos de prisão civil, adjudicação, remição de bens, levantamento de dinheiro sem caução idônea e em outros casos dos quais possa resultar lesão grave e de difícil reparação, sendo relevante a fundamentação, suspender o cumprimento da decisão até o pronunciamento definitivo da turma ou câmara.”


Surge então a possibilidade da prestação de caução pelo exeqüente para levantar o valor depositado pelo executado, o que se apresenta pouco usado, pela obviedade da questão.


Luiz Rodrigues Wambier e Maria Teresa Arruda Alvim Wambier[1] afirmam que “uma vez suspensa a execução, permite-se ao juiz somente ordenar providencias cautelares urgentes (conforme art. 793 do CPC)”.


Portanto, uma vez suspensa a execução, abre-se caminho para discussão tranqüila das questões controversas.


Assim, resta claro a importância do efeito suspensivo na Impugnação do executado, ainda que tenhamos que garantir o juízo no valor total executado.




Notas:

[1] WAMBIER, Luiz Rodrigues e WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Breves Comentários à Nova Sistemática Processo Civil 2. Editora: Revista dos Tribunais. SP, 2006.

Informações Sobre o Autor

Georgia Russowsky Raad

Sócia na Cabanellos Schuh Advogados Associados. LL.M Fordham University em Banking Corporate Finance Law 2013. Certificado Executivo em Compliance pelo Insper 2016


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais