Segundo capítulo – Não fui eu que libertei Edna, foi Edna que me libertou

0

De todas as decisões que proferi, nenhuma se tornou tão conhecida quanto a decisão através da qual libertei Edna, a que ia ser Mãe.


A decisão em torno de Edna, acrescida de inúmeros comentários, está largamente presente na internet, numa centena de localizações.


Apresentações artísticas do texto, com acréscimo de som e imagens, foram feitas como, por exemplo, o trabalho realizado por Odair José Gallo, um outro trabalho produzido por Mari Caruso Cunha e uma versão sonora, sem imagens, realizada pelo advogado Doutor Adriano Cardoso Cunha, de Cabo Frio (RJ).


No Instituto de Letras, da Universidade de Brasília, a acadêmica Elaine Cristina Oliveira Sousa produziu um primoroso texto acadêmico, olhando a decisão que libertou Edna, não sob o aspecto jurídico, mas sob o ângulo lingüístico. O trabalho de Elaine Cristina foi realizado dentro da disciplina “Introdução à Análise do Discurso”, com a Professora Francisca Cordélia, do Departamento de Línguas Clássica e Vernácula, do Instituto de Letras, da UnB. Propôs-se Elaine Cristina Oliveira Souza a fazer uma leitura da ideologia presente no texto. Na percepção da brilhante estudiosa, o mais importante, no caso, não é apenas o discurso ideológico, mas principalmente a prática discursiva e sua relação com a prática social. Elaine Cristina desdobrou a decisão em diversos fragmentos, fazendo profunda análise de cada um.


Dramatizações foram produzidas, debates foram promovidos, em diversas faculdades e noutros espaços, chegando ao meu conhecimento apenas uma fração dessas iniciativas.


A sentença inspirou a alma de poetas.


Stellinha Mattos, poetisa de grande sensibilidade, falecida no Rio de Janeiro, em 2006, depois de ter completado 100 anos, escreveu:


Bendita seja

mulher, fonte de vida,

por um grande juiz

compreendida

e por seu coração absolvida!

Que se afastem as pedras do caminho,

que se afastem todos os espinhos,

na estrada

por onde ela passar.”

João Udine Vasconcelos, advogado e poeta, residente em Fortaleza, produziu este soneto, a que deu o título de “O bom juiz”:

“Só das almas autênticas, serenas,

Flui a verdadeira e pura luz:

Clarão de paz das razões amenas

Emanadas do doce Cristo Jesus!

 

E dessas almas sinceras, leais,

Como é bela e digna a de um Juiz

Que julga homens não como animais

Mas com alma e paixão em despacho feliz.

 

No uso da Hermenêutica, o coração

Pulsa forte e amoroso, derramando

Em sangue a Justiça em reta emoção.

 

No Alvará em que o fogo do amor arde

À mulher grávida, em crime banal,

Colocando-a com o feto em liberdade.”

Sobre o despacho de Edna recebi centenas de cartas e mensagens eletrõnicas, todas guardadas no meu arquivo.


Por muitos caminhos (caminhos misteriosos, a meu ver), o despacho de Edna tem chegado a milhares de pessoas, sem que eu tenha meios de aquilatar a dimensão dessa divulgação.


Dei a decisão no meio de um expediente forense trepidante, com muitas audiências designadas na agenda.


O caso de Edna entrou em pauta mais ou menos às três horas da tarde.


O despacho foi proferido verbalmente. Eu fui ditando e a diligente Escrivã Valdete Teixeira foi datilografando.


Quando concluí a decisão, Edna, que tudo acompanhou palavra por palavra, indagou:


– “Doutor João, estou livre?”


Respondi:


– “Está.”

– “Doutor João, se meu filho for homem ele vai se chamar João Batista.”

Redargui:


– “A senhora sabe como João Batista morreu?”

– “Não sei não”, Edna respondeu.

– “Cortaram a cabeça dele”, expliquei.

– “Não tem importância. Ele vai se chamar João Batista mesmo.”

Mas nasceu uma menina que recebeu o nome de Elke, em homenagem a Elke Maravilha.


O despacho em favor de Edna encontrou eco, na consciência das pessoas, desde o momento em que foi prolatado.


Eu não me apercebera, no instante da proferição, de que a decisão contivesse um apelo emocional forte.


Quando terminei as audiências do dia e passei pelo Cartório Criminal, para me despedir dos funcionários, o Dr. Henrique Francisco Lucas, titular do cartório, disse-me:


“Doutor João, já tirei mais ou menos trinta cópias xerox do despacho de Edna, solicitadas por pessoas que queriam guardá-lo consigo.”


Respondi então ao Dr. Henrique:


“Vamos ver então o que há nesse despacho.”


E o li calmamente para sentir o motivo pelo qual causara essa reação, já que nunca acontecera que de uma decisão minha fossem tiradas trinta cópias xerox, solicitadas por trinta pessoas diferentes.


Fatos ulteriores convenceram-me de que alguma coisa especial aconteceu naqueles minutos em que libertei Edna, a começar pela própria Edna que simplesmente deixou a prostituição, como vim a saber pela boca da própria Edna:


“Quando o senhor me soltou, Doutor João, eu decidi: posso passar fome, mas prostituta eu não serei mais.”


Em e-mail que me mandou no dia 11 de março de 2005, o jornalista Chico Pardal, do jornal “A Gazeta”, de Vitória, manifestou seu desejo de escrever uma matéria sobre o “caso Edna”.


Eu respondi ao e-mail do jornalista, nestes termos:


Não sei onde Edna estaria hoje. Não sei se uma matéria em grande jornal não iria constrangê-la. Só vejo ser essa matéria possível se isto não a incomodar, se a matéria não lhe trouxer qualquer mal (a ela e à filha).

Posso lhe dizer que Edna me fez mais bem do que eu a ela.

Edna me ensinou a ser juiz e depois do encontro com ela nunca mais fui o mesmo.

Se não tive medo de libertá-la diante dos dogmas dominantes;

se não tive medo de libertá-la numa fase histórica em que os magistrados estavam privados de suas garantias;

se não tive medo de arrostar o “figurino” obrigatório que fazia da maconha, mesmo o simples consumo, um delito gravíssimo porque através desse delito os jovens não simpáticos ao regime podiam ser colhidos;

se não tive receio de todos esses perigos, não poderia, dali para a frente, ter qualquer outro tipo de medo.

Por isso, concluo: eu libertei Edna e Edna também me libertou.

Nunca escrevi isto que estou dizendo a você neste e-mail. Estou abrindo minha alma, queridíssimo Chico Pardal.

Informações Sobre o Autor

João Baptista Herkenhoff

Livre-docente da Universidade Federal do Espírito Santo e escritor


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais