A crise financeira atual e o risco sistêmico

0


A crise financeira atual, desencadeada pelo mercado hipotecário americano, fez renascer na mente de economistas e operadores do direito o temido conceito de risco sistêmico.


1.Causas e Conseqüências da Crise Financeira Atual


Para compreendermos no que este conceito se enquadra, na possibilidade atual de recessão, queda violenta das bolsas mundiais e crise no mercado cambiário, devemos analisar, primeiramente, os motivos e estruturas da quebra de gigantes americanos, desencadeadora da crise atual.


Os juros baixos do Banco Central Americano (Federal Reserve), resultado da expansão daquela economia nesta década, acelerou o mercado imobiliário, encorajando financiamentos e hipotecas.  Muito além da aquisição de imóveis, na esperança de valorização, cresceu-se o número de pessoas que hipotecavam este bem para utilizarem-se do produto em outros investimentos.


Assim, pela demanda do mercado e interessante taxa de juros, sociedades especializadas neste segmento passaram a atender a população de baixa renda, os chamados subprime.


Os financiamentos ou hipotecas conferidos ao cliente subprime não contavam com rigor excessivo para o deferimento, tendo em vista que esta parcela da população já tinha problemas de endividamento e dificuldade de comprovação de renda.


 Desta forma, e já percebendo um dos elementos agravantes do risco sistêmico, os benefícios conferidos a esta clientela tinham maior perigo, porém, com taxas mais altas, de modo a equilibrar a relação.


Tais títulos passaram por uma verdadeira operação de securitização, gerando o que conhecemos no Brasil como CRI´s (Certificado de Recebíveis Imobiliários), iniciando-se a cadeia de venda destes papéis, que foram adquiridos por bancos e gestores de fundos de investimento que passaram a emprestar valores entre si, garantidos por estes créditos.


Com o aumento dos juros e encarecimento do crédito, os imóveis passaram a experimentar enorme desvalorização e, em virtude destes fatos aliados aos empréstimos a clientes subprime, de alto risco e com histórico de endividamento por insuficiência de renda, a inadimplência atingiu patamares elevados, interrompendo operações de crédito e a cadeia de compra e venda destes papéis.


A crise do mercado imobiliário que acarretou prejuízo e quebra de grandes empresas deste setor afetou diretamente instituições financeiras detentoras destes “títulos podres” o que acarretou verdadeiro caos no mercado financeiro, transferência de controle para obtenção de recursos e até o pedido de concordata do gigante Lehman Brothers.


Esta estrutura da crise atual afeta o mundo, tendo em vista que a securitização dos créditos imobiliários permite a negociação destes papéis lastreados em outros países, muitas vezes vendidos como aplicações seguras, o que gerou efeitos, principalmente, na Europa e Japão, em razão dos juros mais baixos.


Obviamente que a crise afeta a economia brasileira, tendo em vista que os investidores estrangeiros, já prejudicados pela situação, vendem seus papéis, também, no Brasil, gerando as quedas na Bolsa que estamos acompanhando.


2.Risco Sistêmico e sua Interligação com a Realidade Atual


A situação atual pode ser entendida se analisarmos pela ótica do conceito de risco sistêmico.


Podemos defini-lo como o risco de que o choque a uma parte do sistema atinja os outros participantes do mercado, tirando sua possibilidade de auto-ajuste ou levando, até mesmo, a uma quebra de todo o sistema financeiro.


No cenário atual podemos identificar todas as formas de existência de risco sistêmico que desencadearam a crise, o que deixa a sensação de preocupação intensa com a economia global.


Em primeiro lugar, podemos identificar que o risco no portfólio das sociedades concessoras dos financiamentos imobiliários e hipotecas, composto em grande parte pelos clientes subprime, pela securitização destes créditos, levou à perda simultânea de vários intermediários, tendo em vista que se o primeiro elo da cadeia não paga sua dívida, dá-se início a um ciclo de não-recebimento por toda a cadeia.


Este fato leva, diretamente, à segunda hipótese de identificação do risco sistêmico e manifestação da crise, o contágio informacional, ou seja, a crença do mercado de que a falência de uma instituição levará à falência das demais, gerando um critério absolutamente subjetivo, que é a perda de confiança generalizada.


A falta de segurança das aplicações, gerando a incerteza se poderão ser liquidadas no tempo e valores contratados, acarreta a necessidade dos clientes de livrarem-se dos investimentos, transformando-nos em pecúnia, vendendo seus papéis no mercado, ou retirando as aplicações dos bancos. Foi exatamente isto que ocorreu, com a corrida pela venda dos títulos lastreados em garantias imobiliárias e demais títulos dos investidores, na tentativa de diminuir os efeitos da crise sobre seu patrimônio.


A terceira hipótese e talvez mais adequada ao caso concreto é a falência de uma instituição financeira do sistema, levando à quebra de outras instituições que detenham crédito ou ações contra a primeira, levando a falências sucessivas, o chamado efeito dominó.


Esta hipótese resume o até aqui narrado, tendo em vista que a alta inadimplência no mercado americano, em especial dos clientes subprime, gerou prejuízos efetivos às empresas do setor de crédito imobiliário que, securitizando seus títulos, vendeu-os no mercado, especialmente a bancos de investimento, levando a prejuízos destes que detinham crédito contra as primeiras.


Sem dúvida a concessão de créditos a clientes subprime aumentou o risco sistêmico da economia. Porém, nem sempre o aumento do risco é negativo, devendo-se analisar o nível de risco, face o retorno esperado.


Se o nível de risco aumentado for mais do que compensado pelo retorno gerado pela economia, a mudança será benéfica para a sociedade como um todo.


Obviamente não foi o que ocorreu com o caso da economia americana, tendo em vista que a concessão de crédito de risco, mediante o aumento das taxas, parecia perfeito se não tivesse sido influenciado por fatores como a alta dos juros e encarecimento do crédito, além da desvalorização sofrida pelo setor imobiliário, todas causas da inadimplência.


Esta discussão acerca do risco sistêmico travou-se em razão do mercado de derivativos, que possibilitam a compra e venda de riscos específicos e, no Brasil, quando da quebra do Banco Santos.


A crise Americana e global, além de levar os investidores estrangeiros a vender seus papéis no Brasil, de modo a amenizar seus efeitos, o que gerou a queda da Bolsa e a operação em cadeia de venda de títulos, podem acarretar outros problemas ao mercado brasileiro.


O aumento do dólar pode aumentar a inflação, tendo em vista que grande parte dos produtos no mercado tem seu preço indexado à moeda estrangeira.


O status do país como produtor e exportador de matéria prima, será afetado pois a crise leva à queda dos preços das commodities.


Finalmente, sem dúvida, e por todos os fatos expostos, teremos afetado o PIB, que desacelerará juntamente com a economia brasileira.



Informações Sobre o Autor

Gabriela Di Pillo de Paula

Graduada em direito. Especialista em direito Empresarial e Societário pela FGV.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais