A saída de Tápias

0

A notícia da saída do ministro Alcides Tápias do Ministério do Desenvolvimento na noite de
terça-feira foi uma grande surpresa para os mais diversos setores da sociedade.
Hoje, através da mídia, sabe-se que o ex-ministro havia solicitado seu
desligamento do governo há quase dois meses, no dia
sete de junho. O presidente FHC solicitou que Tápias
continuasse no cargo por mais um mês para que o processo de escolha de seu
sucessor não sofresse pressões políticas. Assim se desenrolou a substituição do
terceiro comandante da pasta do desenvolvimento. Juntamente ao anúncio da saída
de Tápias foi comunicado o nome do novo ministro, o
Embaixador Sérgio Amaral, que atualmente ocupava o mais alto posto da carreira
diplomática brasileira em Londres.

A transição foi tranqüila, orquestrada
de maneira exemplar pelo Planalto, evitando a possibilidade de eventuais
barganhas da base aliada no Congresso. Tápias pode
ser considerado o quarto ministro. A estrutura do MDIC, como é conhecido o ministério em Brasília, foi desenvolvida na
medida exata para o ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros.  O
Ministério do Desenvolvimento seria a grande aposta do segundo governo de FHC.
Entretanto, os planos do governo se frustraram com o tumulto envolvendo as
teles, retirando as possibilidades do proeminente ministro
ocupar o cargo. Logo após, o Planalto chamou o atual Chanceler e
Embaixador Celso Lafer para ocupar a posição. Com a
saída de Lafer, o ex-chefe da Casa Civil, Clóvis
Carvalho assumiu o posto. Depois de uma rusga com os colegas intitulados
“monetaristas”, Carvalho também deixou o cargo. Foi então que Alcides Tápias chegou a Esplanada dos Ministérios em setembro de
1999.

Ainda me recordo das palavras de Tápias durante sua solenidade de posse, frisando que a
ocupação do cargo seria um grande desafio, pois a sua experiência até o momento
era de executivo na iniciativa privada. Sob este aspecto, a chegada de Tápias foi uma ótima notícia, pois sua experiência no setor
empresarial forneceria a independência necessária para desenvolver um trabalho
de vanguarda. Entretanto, apesar dos benefícios, a sua agilidade, praticidade e
pragmatismo, peculiares em seu comportamento de executivo, podem ter sido
determinantes para a sua saída. O estilo de Tápias
incomodava alguns pares. Uma prova disto foram os fatos veiculados na imprensa,
noticiando as críticas que o ex-ministro fazia à excessiva burocracia
governamental, emperrando atos que acreditava serem importantes e que deveriam
ser tratados com agilidade. As críticas eram no sentido de que Tápias se comportava no governo como um executivo do setor
privado. Contudo, fica a dúvida: mas ele não estava lá para isso?

O executivo que passou pelo Bradesco e
mais tarde dirigiu a Camargo Corrêa perdeu mais batalhas do que ganhou no
governo. Entretanto, Tápias conseguiu avanços
significativos em diversos setores, especialmente na área de exportação, como a
inclusão da proposta de ressarcimento das contribuições de PIS e Cofins no pacote tributário e o importante fortalecimento
do papel da CAMEX. Com a saída do ministro, o empresariado perde o seu maior
interlocutor dentro do governo. Tápias era o elo
entre o Planalto e as idéias do empresariado. Em São Paulo, sua
saída foi vista com tristeza. Com certeza, fará muita falta.

“Exportar é a saída”, disse o sucessor,
Embaixador Sérgio Amaral. Terá muito trabalho pela frente. O empresariado
brasileiro tem assuntos muito importantes que estão sendo debatidos na OMC e o
novo ministro tem tudo para ser a conexão entre os empresários e o Itamaraty.
Logo, além de realizar o planejamento das políticas de comércio exterior
juntamente com a SECEX e CAMEX, deverá ser um grande interlocutor entre o setor
produtivo e a diplomacia. Se o trabalho for realizado com afinco, Sérgio Amaral
tem a grande oportunidade de impulsionar o Ministério do Desenvolvimento. Mas
para isso, terá que aliar suas qualidades de diplomata as de Tápias, um executivo com visão de mercado.


Informações Sobre o Autor

Márcio C. Coimbra

advogado, sócio da Governale – Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Mestrando em Relações Internacionais pela UnB.
Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE – Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese – IOB Thomson (www.sintese.com).


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais