Reverenciando o Dia Mundial do Meio Ambiente

0


A problemática ambiental não é tema exclusivo dos tempos modernos. Os seus enfoques modificaram-se e ampliaram-se desde a sacralização da natureza pelos povos primitivos, à contemplação estética dos civilizados; desde a concepção de que a natureza é um bem de propriedade do homem ou criada para servi-lo, à consciência de que o ser humano é apenas uma de suas partes; desde a idéia de ser a natureza fonte de recursos inesgotáveis, à percepção de que eles exaurem-se; desde a idéia de que a poluição era um fenômeno localizado, à consciência de seus efeitos no ecossistema global; desde a hipótese de que o planeta Terra fosse o centro do Universo, à consciência de sua real dimensão no contexto interplanetário.


Noutros tempos as mutações eram todas de ordem dita natural presumindo-se que o homem – dedicando-se à extração, à pesca e à caça – não tivesse potencial para afetar o equilíbrio da natureza, até mesmo porque, remonta-se que as outras espécies animais é que ofereciam risco à sobrevivência dos nômades ou dos homens das cavernas. Não é difícil, imaginar, entretanto, que a inteligência da época pudesse dizimar manadas dirigindo-as a desfiladeiros na estratégia de caça, ou exaurir frutos quando não diversificasse o seu hábito alimentar, pois a cultura agrícola, no Mediterrâneo, por exemplo, descobriu-se ser praticada há 8.000 anos a.C.


Os fenômenos naturais, como as modificações climáticas, os terremotos, os vulcões e as pragas, aliados ao crescimento populacional estabelecido em função dos mecanismos de sobrevivência desenvolvidos pelo homem, como a arma de defesa, a habitação e a organização em grupos, tribos e cidades, contribuíram para o esgotamento dos recursos em muitas regiões. E, provocou entre outras condutas, a ânsia de conquista de novos territórios, a domesticação de animais e a submissão escrava de uns por outros, tanto para o trabalho pesado de construções como à agricultura.


A preocupação em preservar espaços naturais modificados pela civilização e proteger espécies afetadas pelo desmatamento ou pela caça e pesca indiscriminada começou por atitudes isoladas – mais de leigos do que de cientistas. As primeiras vozes eram de líricos, amantes do belo e das artes, preocupados em preservar a beleza natural, constituindo os chamados movimentos românticos, pois não trabalhavam, ainda, com a consciência do que significava para o ecossistema a perda de uma espécie.


No início do século XX, 1913, a Liga Suíça para a Proteção da Natureza realizou em Berna a primeira Conferência Internacional sobre o tema ambiental, e depois a ONU, em Lake Sucess, EUA, 1949, a sua Conferência Científica sobre Conservação e Utilização de Recursos Naturais. Elas constituíram marcos significativos, mas, foi no início da sua segunda metade daquele século que nos países desenvolvidos frutificaram movimentos ecologistas preocupados com a poluição industrial e agrícola reconhecidas na época como os principais agentes nocivos à natureza.


No entanto, o marco institucional à conscientização dos limites dos recursos naturais ocorreu com a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, a Conferência de Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, na Suécia. Nela, entre outras posições foi assumido que a defesa e o melhoramento das condições de vida para as gerações do presente e do futuro deveria se transformar em meta imperiosa da humanidade, e que o homem para chegar à plenitude de sua liberdade na natureza deveria aplicar seus conhecimentos em harmonia com o ecossistema. Em razão da Conferência foi criado o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) que passou a gerir um Fundo Voluntário para o Meio Ambiente, e instituído o dia 5 de junho como o Dia Mundial do Meio Ambiente. A questão ambiental, a partir de então, inequivocamente, passou a constituir-se no grande desafio da humanidade na passagem do milênio.


Agora, já vividos quase uma década do novo milênio, saudemos, o dia 5 de junho com a confiança de que representa, a cada ano, a renovação da consciência ambiental que devemos cultivar a cada dia.



Informações Sobre o Autor

João Moreno Pomar

Advogado – OAB/RS nº 7.497; Professor de Direito Processual Civil da Fundação Universidade Federal de Rio Grande; Doutor em Direito Processual pela Universidad de Buenos Aires.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais