O papel da mídia como fomentadora do processo democrático e de construção da cidadania à luz do preâmbulo constitucional

0


O presente artigo propõe uma alusão ao papel da comunicação na construção da cidadania brasileira e da democracia. Segundo Benevides (1991) a institucionalização de práticas participativas (visto que a mídia constitui-se ao mesmo tempo em um campo de produção e recepção da própria comunidade e suas especificidades identitárias) permite que o cidadão se interesse diretamente pelos assuntos que lhe dizem respeito e, sobretudo, mantenha-se informado sobre os acontecimentos de interesse pessoal.


O acesso e o direito à informação (acesso garantido por lei Constitucional no artigo 5º da Constituição Federal) tornam-se requisitos básicos para o exercício da cidadania. De acordo com Lafer (1991), “o direito à informação é uma liberdade democrática destinada a permitir uma autônoma e igualitária participação dos indivíduos na esfera pública”. A relação entre direito à informação e democracia pressupõe contínua fidedignidade e transparência nas informações transmitidas pelos “mass media” (meios de comunicação de massa).


Nesse ínterim, tendo em vista que o grande compromisso dos veículos de comunicação é o de denunciar toda e qualquer forma de injustiça e opressão na sociedade, a mídia tem papel fomentador no processo democrático e de formação do cidadão, bem como os veículos de comunicação de massa reforçam a luta pelos direitos e garantias constitucionais.


Segundo o autor Rudolf Von Ihering, em seu livro “A Luta Pelo Direito”, o direito não consiste puramente em uma teoria, mas uma força viva. Dessa forma, a busca pelo cumprimento do mesmo se dá a partir do conhecimento e perquirição de meios para se engajar na luta pelo Direito: à democracia, à liberdade de opinião, à igualdade e justiça e etc.


A mídia, ao constituir-se como um “quarto poder” torna-se uma instituição política e, sobretudo como pressuposto à democracia; haja vista que a adjetivação “democrática” é conferida apenas às sociedades em que se percebe a livre manifestação do pensamento.


É salutar questionar como a mídia pode reforçar o poder normativo do preâmbulo constitucional que define o país como um Estado democrático e assegura os principais direitos, entre eles o de igualdade e justiça e liberdade.


“O campo da comunicação social não se constitui apenas num lugar de ‘acolhimento’ das compreensões e os processo de interação social, em torno das quais se estabelecem e se articulam as compreensões e os processos de interação social. Pelo contrário, este campo se destaca como agente que, dispondo de regras e poderes específicos, dá conta de operar a própria construção dos sistemas de representações. (FAUSTO NETO, 1991, p.13)”.


Portanto, faz-se mister uma conceituação tanto do papel midiático quanto da própria definição de democracia e de como esse assunto é tratado à luz do Direito. A partir desse aprofundamento teórico, e, baseado principalmente pelo preâmbulo da Constituição de 1988 que define: “Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL”; bem como no Artigo 5º da Constituição Brasileira espera-se um auxilio maior na perquirição do papel dos “mass media” como fomentadores do processo democrático.



Informações Sobre o Autor

Camila Alves Oliveira

formada em Comunicação Social pela Universidade Estadual de Santa Cruz – BA, Pós-Graduada em Tecnologia e Educação pela Universidade de São Paulo e Acadêmica de Direito da FTC/Itabuna


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais