Do instituto da parte civil no anteprojeto de reforma do CPP

0


Na parte dedicada aos sujeitos do processo, dentro do Livro I dedicado à persecução penal, o Anteprojeto de Reforma do Código de Processo Penal traz de maneira inédita um desconhecido e bem-vindo personagem ao direito processual penal brasileiro. Trata-se da Parte Civil, que, junto do já conhecido Assistente (da Acusação) compõem o Capítulo denominado pela Comissão de Juristas do Anteprojeto de “Da Intervenção Civil” (Arts. 75 a 82). O novel instituto da Parte Civil, por sua vez, encontra assento mais precisamente nos Arts. 79 a 82 do Anteprojeto reformista.


Dizendo a que veio este forasteiro instituto processual, dispõe o Art. 79 que a vítima da infração penal, seu representante legal (se for o caso) ou seus herdeiros, poderão requerer a recomposição civil do dano moral causado pelo delito. Não poderá a Parte Civil, entretanto, aditar a peça acusatória para inserir novos elementos para ampliar a matéria de fato sob persecução estatal. O pleito de recomposição do dano moral sofrido deverá, assim, se circunscrever estritamente aos limites da imputação penal eleita pelo Ministério Público. E, o prazo para a habilitação da Parte Civil será de 10 (dez) dias, contados da data da notificação judicial a ser realizada após o oferecimento da Denúncia.


Desta notificação formal a ser realizada à vítima ou às pessoas legitimadas a se habilitarem como Parte Civil deverá constar a circunstância de que caso a parte seja necessitada e não possua condições de arcar com as despesas de Advogado ser-lhe-á nomeado pelo Juiz para o ato de adesão civil à ação penal, se assim desejar, Defensor Público, caso em que o prazo de 10 (dez) dias para a adesão será renovado por igual período, sem possibilidade de prorrogação.  


O Juiz ao arbitrar o valor do dano moral na sentença final – e, advirta-se, não se cogita para este pleito da tutela antecipatória, por óbvio, por força da presunção de inocência – deverá fixá-lo por pessoa individualmente considerada no caso de mais de um contemplado pela reparação. O que acontecerá, p. ex., no caso do cônjuge supérstite e filhos da vítima de um homicídio consumado, aonde cada um dos herdeiros habilitados deverá receber um valor certo e individualizado, e não uma cota-parte. Respeita o Anteprojeto, assim, com muita propriedade e técnica o quesito da proporcionalidade e razoabilidade que devem permear o estabelecimento do quantum debeatur nas reparações de dano moral. E, ainda, no mesmo decisum o Juiz condenará o acusado em honorários ad vocatícios devidos ao patrono da Parte Civil, fixada esta verba de sucumbência dentro da regra estabelecida pelo desgastado Art. 20 do Código de Processo Civil.


Reza o Art. 80 do Anteprojeto que a Parte Civil poderá propor todos os meios de prova admitidos e não vedados, formular perguntas e reperguntas às testemunhas e ao acusado, participar do debate oral e escrito, arrazoar os recursos interpostos pelo Ministério Público, ou por ela própria nos casos de improcedência da acusação. Com muito acerto, prescreve o Anteprojeto que quanto à matéria tratada na adesão – recomposição civil do dano moral – a Parte Civil gozará de autonomia recursal, por se tratar de pretensão periférica ao delito, afeta ao seu exclusivo interesse. Acentua e reforça este dispositivo que, de tudo, será garantido ao acusado o exercício da ampla defesa, seja da imputação penal, seja da pretensão reparatória civil agora a ser deduzida no mesmo feito.


Em duas hipóteses poderá o Juiz da ação penal remeter a Parte Civil ao juízo cível, não conhecendo do pleito reparatório. E, são elas, quando o arbitramento do dano moral depender da prova de fatos ou circunstancias não contidas na Denúncia (requisito objetivo), e, quando a comprovação do dano moral puder trazer prejuízos ao regular desenvolvimento do processo penal (requisito subjetivo). Revelando o Anteprojeto sem timidez, desse modo, que não se procederá a uma fase de liquidação, incabível no juízo penal, e, também, que a preocupação maior da ação penal continuará sendo a condenação ou a absolvição do acusado pela infração penal. De todo modo, não ajuizada a competente ação reparatória na esfera cível, a sentença penal condenatória transitada em julgado constituir-se-á em título executivo judicial para satisfação integral de todos os d anos (patrimoniais e extra-patrimoniais) causados.


Estabelece o Art. 81 do Anteprojeto que se no juízo cível a vítima ou seus sucessores propuserem ação reparatória contra o acusado, incluindo aí o pleito de satisfação dos danos morais causados pelo ilícito, estará prejudicada a adesão da ação penal, sendo a Parte Civil exonerada deste feito criminal. Entretanto, se no juízo cível a ação reparatória for dirigida contra terceiro estranho ao feito criminal, que tenha, de alguma forma, responsabilidade civil no evento delituoso, seja por força de lei ou do contrato, permanecerá hígida a adesão na ação penal, não havendo que se cogitar aí de qualquer litispendência.


Evitando-se o odioso enriquecimento indevido e o bis in idem preconiza o Anteprojeto que o valor da reparação dos danos morais arbitrado na sentença penal deverá ser considerado pelo juízo cível, abatendo-se aquela quantia do valor total da indenização encontrado por este último. Em caso de precedência no julgamento da ação civil, o valor da reparação pelo dano moral encontrado na sentença cível será considerado como teto no juízo criminal, não podendo o Juiz do feito criminal, numa espécie de compensação de ações, criar saldo favorável à vítima ou seus sucessores quanto à reparação do dano moral. O Juiz da ação civil, se desejar, poderá sobrestar o andamento do feito, até o julgamento final da ação penal instaurada, uma vez que, como cediço, malgrado a responsabilidade civil ser independente da criminal, não se poderá questionar mais sobre a existência do fato, ou sobre quem seja o seu autor, quando estas questões se acharem decididas no juízo criminal.


Transitada em julgado a sentença penal condenatória, contendo em seu dispositivo o valor da recomposição civil do dano moral causado pela infração, poderão promover-lhe a execução no juízo cível a vítima, seu representante legal no caso de menoridade ou incapacidade, e, na sua falta, por morte ou ausência, seus herdeiros, conforme a ordem de vocação hereditária estabelecida na legislação civil.



Informações Sobre o Autor

Carlos Eduardo Rios do Amaral

Defensor Público do Estado do Espírito Santo


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais