Penas alternativas

0


Pena da humilhação – quando não na rua, começa na delegacia, recebe uma força da mídia sensacionalista e continua na execução. Consiste em tapas, xingamentos, ameaças, cuspidas, julgamentos precipitados etc.;


Pena da falta de identidade – ocorre já na chegada ao presídio. É aquela em que o detento perde toda sua subjetividade para se enquadrar às regras cegas da prisão, tornando praticamente inconcebível sua “melhora”;


Pena do não ter – é aquela que diz dever ser o preso bem tratado caso seja possuidor de bens (rico), caso contrário, melhor não comentar;


Pena do atolamento – é aquela que desafia a lei da física, ou seja, ocorre quando querem colocar 100 numa cela onde cabem 20;


Pena do mau cheiro – é aquela decorrente das más condições de higiene de uma cela, pela má administração e organização do presídio. É ela compartilhada com ratos, baratas, urina, fezes…;


Pena da sauna – há pouco tempo muito utilizada nos presídios capixabas. Consiste na colocação de presos num contêiner de ferro. Ferro + calor capixaba = sauna (OBS: sem eucalipto e sem graça);


Pena da tortura – destinada ao detento quando do seu mau comportamento dentro do presídio. Pode ser praticada tanto por policiais como por agentes penitenciários, não sendo esse rol taxativo;


Pena do estupro – sofrida por aqueles que são presos definitivamente por algum crime contra a dignidade sexual, assistida com certa tolerância pela administração carcerária;


Pena da ultratividade – também chamada “pena pós-pena”, é aquela que atravessa o tempo. Ocorre quando o preso já cumpriu toda sua sentença e ali continua;


Pena de morte – só em período de guerra? Na lei sim. É aquela que ocorre quando do descumprimento de uma regra por parte do detento, geralmente praticada por um grupo criminoso rival, sendo praticamente impossível a descoberta da autoria, pois, se alguém falar alguma coisa, é-lhe aplicada a mesma pena;


Pena privativa da dignidade – é o gênero, do qual as demais são espécies. No sistema prisional brasileiro são as nossas “penas alternativas”.



Informações Sobre o Autor

Marcel Figueiredo Gonçalves

Advogado criminalista e Professor de Direito Penal em São Paulo. Mestre em Ciências Jurídico-Criminais pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais