A importante figura do comitê de bacia

0


A competitividade exercida pelos usuários de água na bacia hidrográfica acentua-se na medida em que se diminui a disponibilidade hídrica per capita. A maneira de dar sustentabilidade e equidade a essa competição foi definida pela Lei nº 9.433/1997 e se dá via da instância de decisão local que são os Comitês de Bacia Hidrográfica.


Para proceder a gestão dessa competição é preciso criar um conjunto de regras para a alocação da água, o que é a essência do sistema de gerenciamento das águas. Trata-se de instrumento de responsabilidade central do comitê e sua quantificação faz parte do processo de solução dos conflitos pela água na própria bacia, uma vez que é o primeiro grande acordo de distribuição de água na bacia hidrográfica, fornecendo diretrizes gerais para a outorga e para a definição de regras operativas de reservatórios. No entanto, para que tal conjunto de regras seja criado, são necessários os instrumentos de gestão que as institucionalizam e a criação da instância de decisão local.


Pela Lei nº 9.433/1997, essa instância de decisão foi batizada de Comitê de Bacia Hidrográfica e a deliberação é trazida para o nível local. Aliás, em do caráter sistêmico do conceito de bacia hidrográfica, a norma deixou que as bacias, na forma de unidades de gestão, fossem definidas caso a caso, dando a possibilidade de conformá-las de acordo com a escala e as características da problemática local.


Desta forma, pode-se afirmar que os Comitês de Bacias Hidrográficas são órgãos colegiados onde são debatidas as questões referentes à gestão das águas.


Veja-se comentário do autor João Alberto Alves Amorim (Direito das Águas, 2009, p. 340) sobre tais órgãos colegiados: “Os Comitês de Bacias Hidrográficas podem ser instituídos com área de atuação de uma bacia hidrográfica e sub-bacia hidrográfica de tributário dos cursos d’água principal da bacia, ou de tributário desse tributário; ou, grupo de bacias ou sub-bacias hidrográficas contíguas. São órgãos colegiados, compostos por representantes da União; dos Estados e do Distrito Federal, em cujos territórios se situe, ainda que parcialmente; dos Municípios situados, no todo ou em parte, em sua área de atuação; dos usuários das águas de suas áreas de atuação; das entidades civis de recursos hídricos com atuação comprovada na Bacia”.


As principais atividades inerentes aos comitês são: a) promover o debate das questões relacionadas aos recursos hídricos da bacia; b) articular a atuação das entidades que trabalham com este tema; c) arbitrar, em primeira instância, os conflitos relacionados a recursos hídricos; d) aprovar e acompanhar a execução do Plano de Recursos Hídricos da Bacia; e) estabelecer os mecanismos de cobrança pelo uso de recursos hídricos e sugerir os valores a serem cobrados; f) estabelecer critérios e promover o rateio de custo das obras de uso múltiplo, de interesse comum ou coletivo são as atribuições dos comitês.


Assim, a atuação dos Comitês de Bacia apresenta-se como um dos princípios orientadores à implantação de um processo decisório participativo a fim de assegurar benefícios para toda a coletividade, em que os diferentes usuários em geral apresentam interesses conflitantes quanto ao uso dessa água. Nesse caso, busca-se avaliar a quantidade e qualidade de água disponível e as necessidades características dos diversos usuários de modo a garantir seu uso racional.


Há, seguramente, dificuldades em se lidar com esse recorte geográfico, uma vez que os recursos hídricos exigem a gestão compartilhada com a administração pública, órgãos de saneamento, instituições ligadas à atividade agrícola, gestão ambiental, entre outros, e a cada um desses setores corresponde uma divisão administrativa certamente distinta da bacia hidrográfica.


Conquanto haja a participação de representantes de diferentes seguimentos da sociedade civil, é preciso se ter claro que esse procedimento não supre a necessidade de integração para a gestão. A integração se dará quando a decisão tomada e implantada contemplar os múltiplos aspectos da gestão das águas, o que se concretizará numa etapa posterior à da decisão participativa.


Aliás, decisões qualificadas e eficientes dependem tanto de capacitação quanto de bons sistemas de informação, o que torna o processo complexo no cenário brasileiro.


Por fim, saliente-se a existência das Agências de Águas, cujo papel primordial é o de assumir a posição de Secretaria Executiva do respectivo Comitê de Bacia. Trata-se de entidade técnica e administrativa que deve ser autorizada pelo CNRH, ou pelos Conselhos Estaduais, através de solicitação de um ou mais Comitês, bem como depende da existência do respectivo Comitê e da viabilidade financeira assegurada pela cobrança do uso dos recursos hídricos na respectiva área.



Informações Sobre o Autor

Tatiana de Oliveira Takeda

Advogada, assessora do Tribunal de Contas do Estado de Goiás – TCE, professora do curso de Direito da Universidade Católica de Goiás – UCG, especialista em Direito Civil e Processo Civil e mestranda em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais