A integração da política dos recursos hídricos com as políticas de meio ambiente, de saneamento, de geração de energia, de transporte hidroviário, agrícola e pesca

0

A lei federal nº. 9.433, de 08 de janeiro de 1997, instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos com o objetivo de assegurar um precioso bem: a água, às atuais e futuras gerações, em qualidade e disponibilidade que sejam suficientes à preservação deste recurso através da utilização racional e integrada, da prevenção e da defesa dos recursos hídricos.


 O texto foi claramente influenciado pela Declaração Universal dos Direitos da Água, documento originado da Conferência Internacional Sobre Água e Meio ambiente: o Desenvolvimento na Perspectiva do Século 21, realizado em Dublin (Irlanda) em 1992, evento que antecedeu a ECO 92, sediada no Rio de Janeiro e um dos mais importantes e influentes fóruns já realizados sobre o meio-ambiente em âmbito internacional, onde foi recomendada a compreensão da água como bem de valor econômico e, portanto, passível de tributação, como um dos itens da Agenda 21.


 A Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH), a fim de alcançar seus objetivos definidos no art. 2º do referido diploma legal, assim como fez a Lei 6.938/81, que trouxe a Política Nacional do Meio ambiente, traz instrumentos capazes de alcançá-los, enumerados nos incisos de I a VI do art. 5º, quais são o Plano de recursos hídricos, o Enquadramento dos corpos d’água em classes, segundo os usos preponderantes da água; a Outorga dos direitos de uso de recursos hídricos; a Cobrança pelo uso da água; a compensação a Municípios e o Sistema de informações sobre Recursos hídricos.


À luz de ter sido criada à égide da Constituição “cidadã” de 1988, a PNRH, obedecendo tendências trazidas de outras ferramentas administrativas de inserção democrática tais como o orçamento participativo e as audiências públicas, como inovação, trouxe a criação dos Comitês de Bacias como forma de gestão dos recursos hídricos.


Lei 9.433/97. Art. 1º A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: (…)


VI – a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público, dos usuários e das comunidades.”


Ainda, na formação dos Comitês de Bacia Hidrográfica, para além de assegurar o direito de participação e representação da sociedade, limitou a representação dos Poderes Executivos à metade da composição desta.


Lei 9.433/97 Art. 39. Os Comitês de Bacia Hidrográfica são compostos por representantes:


I – da União;


II – dos Estados e do Distrito Federal cujos territórios se situem, ainda que parcialmente, em suas respectivas áreas de atuação;


III – dos Municípios situados, no todo ou em parte, em sua área de atuação;


IV – dos usuários das águas de sua área de atuação;


V – das entidades civis de recursos hídricos com atuação comprovada na bacia.


§ 1º O número de representantes de cada setor mencionado neste artigo, bem como os critérios para sua indicação, serão estabelecidos nos regimentos dos comitês, limitada a representação dos poderes executivos da União, Estados, Distrito Federal e Municípios à metade do total de membros. (…) (Grifo nosso)


Por se tratar de um recurso natural, que mesmo antes de existir uma lei que regulasse seu uso e um Plano Nacional que lhe estabelecesse diretrizes, a água já permeava direta ou indiretamente diversas outras áreas de importância social, econômica e/ou ambiental anteriormente reguladas. Áreas afins legisladas posteriormente tiveram o Plano Nacional de Recursos Hídricos como referência, tal é o caso da Lei nº. 11.445/07 que estabelece as diretrizes nacionais de saneamento básico, que traz em seu art. 2º, VI e XII, referências tácitas à PNRH:


Art. 2º. Os serviços públicos de saneamento básico serão prestados com base nos seguintes princípios fundamentais: (…)


VI – articulação com as políticas de desenvolvimento urbano e regional, de habitação, de combate à pobreza e de sua erradicação, de proteção ambiental, de promoção da saúde e outras de relevante interesse social voltadas para a melhoria da qualidade de vida, para as quais o saneamento básico seja fator determinante; (…)


 XII – integração das infra-estruturas e serviços com a gestão eficiente dos recursos hídricos.”  (Grifo nosso)


            O caput do art. 4º estabelece de forma clara um importante ponto acerca do processo de tributação pelo uso da água, assim como seu parágrafo único traz de forma expressa a referência ao diploma legal em questão, qual seja a Lei nº 9.433/97.


 “Art. 4º.  Os recursos hídricos não integram os serviços públicos de saneamento básico.


 Parágrafo único.  A utilização de recursos hídricos na prestação de serviços públicos de saneamento básico, inclusive para disposição ou diluição de esgotos e outros resíduos líquidos, é sujeita a outorga de direito de uso, nos termos da Lei no 9.433, de 8 de janeiro de 1997, de seus regulamentos e das legislações estaduais.”


No entanto, algumas outras áreas afins aos Recursos Hídricos foram legisladas antes de 1997, portanto, precederam a PNRH, é o caso da Agricultura, que teve sua Política Nacional instituída através da Lei 8.171/1991.


Ainda assim é possível apreender deste diploma ordenamentos que se adéquam à Política de Recursos Hídricos, ainda que não expressamente presentes no texto legislativo. É o caso dos arts. 3º,V e 4º, IV


Art. 3°.  São objetivos da política agrícola: (…)


V – proteger o meio ambiente, garantir o seu uso racional e estimular a recuperação dos recursos naturais;” (…)


 “Art. 4°.  As ações e instrumentos de política agrícola referem-se a: (…)


IV – proteção do meio ambiente, conservação e recuperação dos recursos naturais;” (…)


O Capítulo VI do referido diploma trata da “Proteção ao Meio Ambiente e da Conservação dos Recursos Naturais”. Logo em seu primeiro artigo, traz obrigações conferidas pelo legislador ao Poder Público e no parágrafo único extende-se essa obrigação ao proprietário, possuidor e beneficiários da reforma agrária, no intuito de preservar o meio ambiente, estando presente neste ínterim, é claro, a questão hídrica.


Art. 19. O Poder Público deverá:


I – integrar, a nível de Governo Federal, os Estados, o Distrito Federal, os Territórios, os Municípios e as comunidades na preservação do meio ambiente e conservação dos recursos naturais;


II – disciplinar e fiscalizar o uso racional do solo, da água, da fauna e da flora; (…)


V – desenvolver programas de educação ambiental, a nível formal e informal, dirigidos à população; (…)


VII – coordenar programas de estímulo e incentivo à preservação das nascentes dos cursos d’água e do meio ambiente, bem como o aproveitamento de dejetos animais para conversão em fertilizantes.


Parágrafo único. A fiscalização e o uso racional dos recursos naturais do meio ambiente é também de responsabilidade dos proprietários de direito, dos beneficiários da reforma agrária e dos ocupantes temporários dos imóveis rurais.”


Com relação à integração da PNRH com a Política Nacional do Meio Ambiente, a criação dos Comitês de Bacia Hidrográfica, em que pese ser um grande instrumento de inserção popular nas decisões que afetam a sociedade e o meio ambiente, segundo o Prof. Edimur Ferreira de Faria[1] criou um sério entrave pois as águas sob sua tutela estão em território, competência das Municipalidades, a quem compete também a guarda do meio ambiente, enquanto a atuação dos Comitês insurgirá um claro conflito de competências.


Para o referido autor, uma nova forma de composição e articulação da organização municipal é necessária, prevendo a intermunicipalidade, cooperação entre municípios que vivam as consequências de uma determinada bacia hidrográfica comum com o Comitê de Bacia respectivo a fim de realizarem efetivamente a integração entre as políticas de recursos hídricos e meio ambiente, uma vez que é praticamente impossível dissociar estes dois elementos e que, na atual conjuntura administrativa  brasileira, resultaria em desperdício de dinheiro público e ineficácia na realização dos objetivos propostos haja vista que a atuação de forma precária numa extensa área e tendo, muitas vezes, recursos alocados duplamente para o mesmo fim, se comum.


Como se vê, a gestão dos recursos hídricos não pode ser entendida à parte de suas componentes complementares que interagem entre si de forma indissociável. Com efeito, o art. 31 da própria Lei que institui a PNRH orienta:


“Lei n. 9433/97. Art. 31. Na implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos, os Poderes Executivos do Distrito Federal e dos municípios promoverão a integração das políticas locais de saneamento básico, de uso, ocupação e conservação do solo e de meio ambiente com as políticas federal e estaduais de recursos hídricos.”


Além da Integração desta Política com a do Meio Ambiente e de Saneamento Básico, outras mais se apresentam necessárias para o equilíbrio hídrico na interação com atividades econômicas; é o caso da pesca, geração de energia, transporte hidroviário e política agrícola.


As necessidades, interesses e objetivos de cada época exigiram a evolução das normas e instituições dos recursos hídricos brasileiros. É interessante observar, neste contexto, que as primeiras constituições brasileiras tutelaram os recursos hídricos para assegurar os direitos de navegação e pesca, tendo em vista a relevância econômica destas atividades para o país (HENKES, 2003).


A partir da segunda metade do século XX, a aceleração do crescimento econômico brasileiro exigiu maior intensidade e diversificação da utilização da água. Desta forma, a legislação pátria, especificamente o Código de Águas, passou a tutelar os recursos hídricos visando assegurar a produção energética. Este entendimento é corroborado ao verificar-se o elevado número de usinas e centrais hidrelétricas criadas no país neste período e também pelo fato de que as disposições do Código de Águas referentes à preservação, conservação e recuperação dos recursos hídricos não foram regulamentadas, ao contrário das disposições referentes à produção energética (HENKES, 2003).


Assim, apreende-se que somente com a integração e sinconicidade dos elementos referentes ao solo, recursos hídricos, saneamento básico, meio ambiente, pesca, agricultura e sem prejuízo de outras matérias que porventura não tenham sido aqui elencadas e que sejam por sua vez estritamente conexas ao desenvolvimento sustentável, pode gerar resultados que satisfaçam o que preceitua o artigo 225 da Constituição Federal. A Preservação ambiental deve ser vista a partir de um prisma holístico, que englobe todos os elementos interligados entre si e que atinjam o fim comum de desenvolver o país sem que se sacrifique a vida futura.


“Constituição Federal/88. Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.


 


Bibliografia consultada

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BRASIL. Lei nº. 6.938/81. Vade Mecum. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BRASIL. Lei nº. 8.171/91. Vade Mecum.9. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BRASIL. Lei nº. 9.433/97. Vade Mecum. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BRASIL. Lei nº. 11.445/07. Vade Mecum.9. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

FARIA, Edimur Ferreira de. “Os desafios da integração da gestão ambiental com a gestão de recursos hídricos”. Disponível em <http://www.conpedi.org/manaus/arquivos/ anais/bh/ edimur_ferreira_de_faria2.pdf>. Acesso em 29/04/2010.

HENKES, S.L. Histórico legal e institucional dos recursos hídricos no Brasil. Disponível em <http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=4146&p=>. Acesso em 29/04/2010.

SENRA, J.B., VILELLA, Wagner M.C., ANDRÉ, Marco A.S. Legislação e política nacional de recursos hídricos. Universidade de Passo Fundo. Disponível em http://www.upf.br/coaju/download/Dr_Joao_Bosco_Senra.pdf. Acesso em 29/04/2010.

TEIXEIRA, Paula de Araújo Pinto. Integração da gestão de recursos hídricos e de meio ambiente no Brasil. Disponível em http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.24049. Acesso em 27/04/2010.


Nota:
[1] FARIA, Edimur Ferreira de. “Os desafios da integração da gestão ambiental com a gestão de recursos hídricos”. Disponível em <http://www.conpedi.org/manaus/arquivos/ anais/bh/ edimur_ferreira_de_faria2.pdf>. Acesso em 29/04/2010. 

Informações Sobre o Autor

Winder Oliveira Garcia

Acadêmico de Direito pela PUC Goiás


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais