A crise entre o Poder Judiciário e o Executivo III

0

Hoje, 27 de novembro, procurei notícias sobre o incidente gravíssimo representado
pela desobediência aberta, concretizada pelo Poder Executivo, a determinações
emanadas do Superior Tribunal de Justiça atinentes à greve de
professores. Encontrei informação no sentido de que o Supremo Tribunal Federal,
unanimemente, afirmou falta de competência para examinar o mérito da decisão
daquela Corte.

Comentários postos em jornal de grande
circulação transmitem o regozijo do advogado-geral da
União, Gilmar Mendes, com a referida solução. Segundo o Governo, aquilo seria
uma vitória, pois a Ministra Gracie, relatora do
recurso interposto pelo Executivo, havia concretizado, durante o julgamento,
ponto-de-vista favorável às pretensões do Ministro da Educação.

Não é bem assim. As eventuais
considerações da Ministra Ellen não foram submetidas ao Supremo Tribunal
Federal. Tratar-se-ia, no máximo, de manifestação de vontade inservível aos
objetivos, postos no recurso, de invalidar despacho do Ministro Gilson Dipp. Continua Paulo Renato obrigado a obedecer,
mantendo-se tal imposição até que, por hipótese, o Superior Tribunal de Justiça
venha a invalidar a ordem do relator. Portanto, a situação jurídica se mantém
inalterada: o juiz determina ao servidor público (e servidor público o Ministro
é) submissão ao mandamento jurisdicional. Paulo Renato teima na desobediência,
já então comodamente montado na corcunda da Presidência da República, pois no
entretempo, por decreto, o Chefe do Executivo tomou a si a responsabilidade
pela excrescência.

Na minha época de estudante, quase meio
século atrás, havia dispositivos no Código de Processo Civil incrustados nos
denominados “artigos de atentado”. Davam-se quando uma das partes, no curso da
lide, modificava a situação jurídica, visando enfraquecer as bases do oponente.
Isso não deve existir mais. Nem vou verificar, pois tenho horror à
processualística cível, repleta de mumunhas
assemelhadas àquelas praticadas por Paulo Renato (detrator da advocacia),
Fernando I e Único, rei do Brasil, e o inspirador da
extravagância, Gilmar Mendes, pretendente ao Supremo Tribunal Federal. Alguém
me disse que a manobra, posta perante um juiz severo, caracterizaria litigância
de má-fé, coletivamente engendrada por adeptos do despotismo estatal. Não sei como
o Superior Tribunal de Justiça analisará a espécie, mas a resistência do Poder
Executivo já o introduziu no crime de responsabilidade. Consta que houve
impetração de habeas corpus preventivo ao Supremo,
pretendendo-se proteger o deseducado Ministro de ameaça de adequação típica.
Também se ouve dizer, em discreto noticiário jornalístico, que teria havido
desistência do habeas corpus, satisfazendo-se os
impetrantes com a decisão dada pela Suprema Corte. Não é nada disso. O “Writ”
poria o Executivo, outra vez, sob o seríssimo risco
de ver desprovido o pedido de proteção, agravando-se, assim, a situação do
desobediente. Não há previsão certa de como o Superior Tribunal de Justiça
apreciará, já agora em comunhão, o enfrentamento indisfarçável de uma
determinação judicial. Sei, no entanto, que o enfraquecimento da soberania do
Poder Judiciário será, independentemente de
considerações outras, sinal certo de que o Poder Executivo, no Brasil, não
encontra disciplinador, emasculando-se, então, qualquer censor destas e de
outras anomalias cometidas contra o povo brasileiro e, obviamente, contra a
Constituição Federal. Na verdade, há uma crise que não pode existir. A solução
está numa só palavra: cumpra-se!

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Paulo Sérgio Leite Fernandes

 

Advogado criminalista em São Paulo e presidente, no Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas do Advogado.

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais