A Internet e os tempos modernos

0

Ninguém é vazio bastante que não tenha
o que dizer. Todos os seres têm dentro de si algo significativo para
transmitir.

A transformação do homem bélico no
homem pacífico é um imperativo, que se impõe neste novo século e milênio que
tanto prometem, mercê das conquistas e proezas no campo científico.

O final do Século XX foi por demais alvissareiro e conduziu o ser humano para um universo
impensável, até há pouco. As conquistas científicas e tecnológicas afastaram-no
milhares de anos do homem das cavernas. Muito falta ainda, entretanto, para
desvendar os mistérios da Natureza e do seu próprio destino.

O conforto e as riquezas fizeram-no
esquecer as agruras e o medo com que enfrentava os estalos da natureza.
Tornaram-no sensível, desenvolveram-se as grandes civilizações que deixaram
marcas profundas e permitiram que ele se tornasse Deus por alguns momentos.
Apenas, por alguns momentos!

A energia nuclear não é mais segredo. O
cosmos está sendo dominado, pouco a pouco, tendo o homem já atingido a Lua e
outros planetas. O satélite foi até visitado por ele, há cerca de trinta anos.
O genoma produziu a revolução biológica, mas seus efeitos ainda estão
engatinhando. A reprodução, inclusive humana, via laboratório, tornou-se comum.

A clonagem já é realidade. O domínio da
vida sobre a morte não é mais mera quimera. A longevidade deixa de ser
manipulação de alquimistas. O ser bruto é substituído pelo ser espiritual.
Todavia, nem tanto, infelizmente.

A clonagem, como todas as descobertas,
tem seu lado bom e seu mal. Tudo, aliás, na vida, assim é.

O homem político e espiritual ainda não
ascendeu de todo ao mundo celestial da bem-aventurança e da verdadeira
compreensão.

Em plena aurora do terceiro milênio e
do Século XXI, o ser humano vê-se às voltas, com o que parecia estar
definitivamente sepultado: as guerras religiosas, raciais, étnicas, de opiniões
e o terrorismo ignóbil, sem rosto, mas tão desastrado quanto as
atividades bélicas tradicionais conhecidas.

E o terrorismo apresenta-se, sob
variada forma, felizmente, condenado por todo o gênero humano, do Ocidente e do
Oriente, de norte a sul, pois é injustificável e execrável, não se compadecendo
com a espiritualidade do homem a matança de seres humanos inocentes, sob que
pretexto for.

A informática, como as grandes descobertas
e a revolução tecnológica e espiritual, desbrava uma nova era para a
humanidade: o ingresso na idade de ouro espiritual e moral! A comunhão da
humanidade através da comunicação.

Não olvidemos que a INTERNET é o meio mais rápido e fascinante de comunicação e de participação
dos seres humanos, através do ciberespaço, permitindo que pessoas desconhecidas
se tornem fraternas, em questão de segundos, e os conhecimentos se
espraiem por todos os cantos do mundo, facilitando de vez o melhor entrosamento
humano.

Não obstante, está sendo praticado um
verdadeiro terrorismo nas comunicações, através do envio de vírus, execrável,
sob todos os aspectos, digno da mais severa repulsa e repreensão por todos os
governos e pela sociedade humana, pois a descoberta mais primorosa do final do
Século XX pode transformar-se num pesadelo sem retrocesso.

Pois bem, eu mesmo,
desde 11 de agosto último, deixei de utilizar-me da Internet, em vista desta
verdadeira praga de vírus, que vem infestando os computadores de todo o mundo,
para, somente agora, voltar a utilizá-lo, após tomar todas as precauções e
providências, para não ficar sujeito a perdas de arquivos de valor inestimável
para quem tem o ofício de escrever. Permaneci incomunicável por longos três meses.

Oxalá, os homens tomem juízo e utilizem
as grandes invenções somente para o bem.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Leon Frejda Szklarowsky

 

escritor, poeta, jornalista, advogado, subprocurador-geral da Fazenda Nacional aposentado, especialista em Direito do Estado e metodologia do ensino superior, conselheiro e presidente da Comissão de Arbitragem da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Distrito Federal, juiz arbitral da American Arbitration Association, Nova York, USA, juiz arbitral e presidente do Conselho de Ética e Gestão do Centro de Excelência de Mediação e Arbitragem do Brasil, vice-presidente do Instituto Jurídico Consulex, acadêmico do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal (diretor-tesoureiro), da Academia de Letras e Música do Brasil, da Academia Maçônica de Letras do Distrito Federal, da Academia de Letras do Distrito Federal, da Associação Nacional dos Escritores, da Academia Brasileira de Direito Tributário e membro dos Institutos dos Advogados Brasileiros, de São Paulo e do Distrito Federal, Entre suas obras, destacam-se: LITERÁRIAS: Hebreus – História de um povo, Orquestra das cigarras, ensaios, contos, poesias e crônicas. Crônicas e poesias premiadas. JURÍDICAS: Responsabilidade Tributária, Execução Fiscal, Medidas Provisórias (esgotadas), Medidas Provisórias – Instrumento de Governabilidade. Ensaios sobre Crimes de Racismo, Contratos Administrativos, arbitragem, religião. Condecorações e medalhas de várias instituições oficiais e privadas.

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais