Potencial Governista

0

E Serra se tornou candidato do PSDB à
Presidência da República, pelo menos por enquanto. Depois de vencer o
governador Tasso Jereissati durante conturbado debate interno, o ministro da
saúde se prepara para entrar em outra disputa, aquela que pode realmente
conduzi-lo a cadeira ocupada atualmente por Fernando Henrique. Mas para chegar
lá, terá que conquistar algo maior do que o apoio político,
terá que seduzir o eleitorado brasileiro.

José Serra provavelmente disputará
espaço em muitos meios, mas preponderantemente no eleitorado que se encontra
atualmente nas mãos de Roseana Sarney. Pelas hábeis e pragmáticas mãos do líder
pefelista Jorge Borhausen,
a governadora do Maranhão conseguiu atrair para si grande parte do eleitorado
não identificado com a esquerda e que até aquele momento não tinha candidato. A
hipótese de que Serra atraia votos que estão nas mãos de Roseana é provável,
mas nada impede que o ministro da saúde expanda seu potencial eleitoral para
outros grupos.

Várias reportagens mostraram que o candidato
governista começaria a disputa com, no mínimo, 15% das intenções de voto. Com a
demora em lançar sua candidatura, o PSDB pode já ter perdido parte deste
espaço, quando o PFL adiantou-se e jogou suas fichas na governante do Maranhão.
Caberá a Serra a difícil, porém não impossível, tarefa
de resgatar esta herança de Fernando Henrique e que, baseado neste patamar, se
credencie para disputar o segundo turno.

O potencial eleitoral do governo não
merece ser desprezado. Segundo análise recebida de um leitor, o advogado Sidarta Souza, ainda em julho de 2000, a administração de
FHC encontrava-se longe de estar morta. Naquela época, apesar
da crise energética, do dólar, da Argentina, do PIB decrescente e inflação
acima da meta, o leitor lembrou que em breve poderíamos sair da situação de
crise, afinal, estaríamos com a economia estabilizada (o “descolamento”
nacional do caos argentino é prova disto), assim, poderíamos viver um primeiro
semestre dotado de expansão econômica, redução e controle da inflação e do câmbio.
Desta forma, segundo ele, o governo se preparava para dar a volta por cima e
fazer seu sucessor.

Aliar estas condições à boa estratégia
de marketing de Serra frente ao Ministério da Saúde pode ser a estratégia do
momento. Se os leitores lembram, há poucos anos, o Presidente avisou que seu
candidato à sucessão sairia da área social do governo. Nesta linha de
raciocínio, a candidatura de Serra parece natural, mas vale lembrar que o
candidato predileto de FHC, o ministro Pedro Malan, decidiu não concorrer. Mas
o Planalto não está preso ao nome de Serra. Tudo indica que há um plano B, caso
o ministro não emplaque nas pesquisas. Neste cenário, a responsabilidade de
guiar o PSDB rumo à Presidência novamente cairá nos ombros do deputado Aécio
Neves, presidente da Câmara dos Deputados. Mas ainda fica a dúvida: Aécio será
o plano A ou B?

Os números de Roseana não mentem.
Grande parte do eleitorado não deseja e não votará com a extrema esquerda. Além
disto, FHC poderá estar deixando uma bela herança eleitoral neste primeiro
semestre, como lembrou nosso atento leitor. O governo, apesar de Lula possuir
30% de intenções de voto, ao contrário do que muitos pensam, não é coadjuvante,
mas o personagem principal da sucessão em 2002.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Márcio C. Coimbra

 

advogado, sócio da Governale – Políticas Públicas e Relações Institucionais (www.governale.com.br). Habilitado em Direito Mercantil pela Unisinos. Professor de Direito Constitucional e Internacional do UniCEUB – Centro Universitário de Brasília. PIL pela Harvard Law School. MBA em Direito Econômico pela Fundação Getúlio Vargas. Especialista em Direito Internacional pela UFRGS. Mestrando em Relações Internacionais pela UnB.
Vice-Presidente do Conil-Conselho Nacional dos Institutos Liberais pelo Distrito Federal. Sócio do IEE – Instituto de Estudos Empresariais. É editor do site Parlata (www.parlata.com.br) articulista semanal do site www.diegocasagrande.com.br e www.direito.com.br. Tem artigos e entrevistas publicadas em diversos sites nacionais e estrangeiros (www.urgente24.tv) e jornais brasileiros como Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, O Estado do Maranhão, Diário Catarinense, Gazeta do Paraná, O Tempo (MG), Hoje em Dia, Jornal do Tocantins, Correio da Paraíba e A Gazeta do Acre. É autor do livro “A Recuperação da Empresa: Regimes Jurídicos brasileiro e norte-americano”, Ed. Síntese – IOB Thomson (www.sintese.com).

 


 

Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais