Gurda compartilhada: Vantagens e desvantagens

0

Resumo: Surge no Direito de Família, em que pese ainda não positivado, um tema extremamente importante para a sociedade, tal qual a questão da Guarda Compartilhada dos filhos pelos responsáveis legais. Destarte, a presente pesquisa objetiva delinear as principais vantagens e desvantagens do referido instituto.


Guarda é uma palavra que advém do antigo alemão “Warten” (guarda, espera), em sentido genérico exprime proteção, observação, vigilância ou administração.


Em sentido restrito para o Direito Civil e Direito Comercial, Guarda quer dizer uma obrigação imposta a determinadas pessoas de ter em vigilância, sempre zelando pela sua conservação, coisas que lhe são entregues ou confiadas.


A expressão Guarda de filhos, por sua vez, é uma locução indicativa, que se dá como o conjunto de deveres que os pais têm em relação à pessoa e aos bens dos filhos. O direito de Guarda é antes de tudo um dever de assistência material e moral, devendo sempre ser levado em consideração o interesse do menor. Destarte, não se recomenda a pessoas inidôneas, imaturas ou portadoras de qualquer deficiência de natureza psíquica ou comportamental, podendo ser modificada a qualquer momento.


Pela lei, aquele genitor que não detiver o direito de Guarda, lhe caberá o direito de visitas.


A “Guarda única”, também denominada, por parte da doutrina, de “Guarda exclusiva”, é aquela conferida a um só dos genitores, e que diante de reiterações desastrosas no emocional dos envolvidos, passou a ser insuficiente para atender as necessidades e interesses dos pais e especialmente dos filhos.


Destarte há a “Guarda compartilhada” também chamada de “Guarda conjunta”, que se originou na Inglaterra, na década de 60. Estendeu-se a França e ao Canadá, chegando, posteriormente, ao Brasil e aos Estados Unidos. Consiste na situação jurídica, onde ambos os pais, separados judicialmente, conservam o direito a Guarda e a responsabilidade do filho, alternando, em períodos determinados, sua posse.


A Guarda compartilhada é um dos meios de exercício da autoridade parental aos pais que desejam continuar a relação com os filhos quando ocorre a fragmentação da família. A justificativa para a adoção desse sistema está na própria realidade social e jurídica, que reforça a necessidade de garantir o melhor interesse da criança e a igualdade entre homens e mulheres na responsabilização dos filhos.


Importante destacar ainda, que há diferença entre Guarda alternada e Guarda compartilhada. A primeira tem como requisito básico a alternância de residência dos pais, por certos períodos. A segunda baseia-se na residência fixa para o menor e partilham-se somente os direitos e deveres entre os pais.


Parafraseando o psiquiatra e psicanalista Sérgio Eduardo Nick: o termo Guarda compartilhada ou Guarda conjunta de menores refere-se à possibilidade de os filhos de pais separados serem assistidos por ambos os pais. Nela, os pais têm efetiva e equivalente autoridade legal para tomar decisões importantes quanto ao bem estar de seus filhos e freqüentemente têm uma paridade maior no cuidado a eles do que os pais com Guarda única.[1]


Nesta modalidade, os pais dividem a responsabilidade legal sobre os filhos, e, concomitante, dividem suas obrigações pelas decisões importantes relativas à criança. Deste modo, impede que os pais sejam sobrecarregados além de minimizar o consequente impacto da ansiedade e do estresse sobre os filhos consoante já provado cientificamente.  Revela-se, por conseguinte, uma modalidade que leva à efetivação do princípio do melhor interesse da criança e do adolescente.


Trata-se, por conseguinte, da possibilidade de pai e mãe, embora não mais unidos por vínculos afetivos ou legais, exercerem a autoridade parental de maneira eficaz e equilibrada, como acontece na constância do casamento ou da união estável.


Gustavo Tepedino defende que, no sistema brasileiro, a dissolução da sociedade conjugal em nada altera as responsabilidades dos pais pelo exercício do chamado “poder familiar”.[2]


Logo, a Guarda compartilhada privilegia a continuidade na relação da criança com seus genitores após a separação destes e ao mesmo tempo mantém ambos responsáveis pelos cuidados cotidianos relativos à educação e à criação.


Este tipo de Guarda não está previsto nas normas que norteiam o Direito de Família, entretanto, há fulcro constitucional, de acordo com o que estabelece o art. 226, § 5º e § 7º e arts. 227 e 229 da Cara Máxima.[3]


Neste diapasão, destaca-se a posição de Paulo Lôbo, que incentiva a adoção dessa modalidade de Guarda, ao afirmar: a tendência mundial, que consulta o princípio do melhor interesse da criança, recomenda a máxima utilização da Guarda compartilhada ou da Guarda alternada, enfim, da manutenção da co-parentalidade, de modo que o filho sinta a presença constante de ambos os pais, apesar da separação física deles.[4]


Em que pese não tenha havido a incorporação desse instituto ao nosso ordenamento jurídico, já existem alguns projetos de lei[5] em trâmite no Congresso Nacional pela sua positivação.


Em verdade, o maior interesse dos filhos está em conviver o máximo possível com ambos os pais, salvo exceções. Por conseguinte, revela-se clarividente que a questão cultural de conceder o poder da Guarda para a mãe já não mais prevalece. Impera esclarecer que à luz do Código Civil de 1916, em que a mulher era do lar, a Guarda Exclusiva foi criada para acomodar as necessidades sociais que imperavam na época, o que já não condiz com a modernidade, uma vez que a mulher se tornou independente. Logo, para a validade da norma ter eficácia, a Guarda Compartilhada é o que há de mais favorável. No entanto, deverá ser apurado de acordo com o caso concreto, pois a escolha da modalidade de Guarda deve obedecer ao princípio do melhor interesse da criança e do adolescente, atendendo às especificidades de cada família.


A jurisprudência, em tom uníssono apregoa:


“Nas ações de família, em que se discute a guarda da prole, deve-se atender os interesses dos menores, pois a convivência com os pais é mais um direito dos filhos do que dos pais.”(Rel. Des. José Volpato de Souza) Sendo um direito primordial da criança conviver pacificamente tanto com o pai quanto com a mãe, ainda quando sobrevem a separação do casal, tem-se a guarda compartilhada como um instrumento para garantir esta convivência familiar. É fundamental para um bom desenvolvimento social e psicológico que a criança possa conviver sem restrições com seus genitores, devendo a decisão a respeito da guarda de menores ficar atenta ao que melhor atenderá ao bem-estar dos filhos dos casais que estão a se separar. Assim, tendo as provas até o momento produzidas indicado que ambos os genitores possuem condições de ficar com o filho menor, tem-se que a melhor solução para o caso concreto é a aplicação da guarda compartilhada sem restrições.” (AI n. , de Laguna, Des. Rel. Carlos Prudêncio, DJ de 13-6-2003).[6]


“AÇÃO DE POSSE E GUARDA DE FILHOS PROMOVIDA PELO PAI – MENORES EM COMPANHIA DA MÃE – RELAÇÃO CONFLITANTE ENTRE OS PAIS – GUARDA COMPARTILHADA POSSIBILIDADE. Embora os filhos menores possam continuar na companhia da mãe, é possível deferir-se a guarda compartilhada, ainda que conflitante a relação dos pais separados, isto porque se deve visualizar a perspectiva do interesse dos filhos ao direito do convívio com ambos. Provimento parcial do recurso.”[7]


Cumpre ainda esclarecer que na Guarda compartilhada deverá ser estabelecida aos menores a fixação da residência única para que a rotina diária do menor seja preservada. Nela se encontra seu cotidiano, onde desenvolve as atividades escolares e sociais. Desse modo, a residência permanente com um dos pais é elemento indispensável para a preservação dos hábitos e da estabilidade emocional da criança, que terá um referencial contínuo, a sua casa.[8]


Assim, ao genitor com quem reside a criança caberá tanto a Guarda física desta como a Guarda jurídica, as quais lhe conferem o poder de decisão referente às questões do dia-a-dia do menor, bem como o poder de decisão relacionado a aspectos mais significativos, como educação, compreendida em seu sentido amplo, abrangendo a educação formal, moral e religiosa.[9]


Por sua vez, a mãe ou o pai não guardião detém igualmente a Guarda jurídica, que, no regime da Guarda compartilhada, permite-lhe exercer os direitos e cumprir os deveres decorrentes da autoridade parental, de maneira ativa e direta, bem como participar das decisões de maior relevância, tal como o guardião.


Hodiernamente, a possibilidade jurídica da Guarda compartilhada leva em consideração as vantagens tanto para os genitores quanto aos filhos, restando aos operadores do direito ter a consciência do melhor interesse do menor.


 


Referências bibliográficas

LÔBO, Paulo Luiz Netto. Código Civil comentado: direito de família, relações de parentesco, direito patrimonial: arts. 1.591 a 1.693, v. XVI. São Paulo: Atlas, 2003.

NICK, Sérgio Eduardo. Guarda compartilhada: um novo enfoque no cuidado aos filhos de pais separados ou divorciados. In: BARRETO, Vicente (Org.). A nova família: problemas e perspectivas. Rio de Janeiro: Renovar, 1977.

TEPEDINO, Gustavo. A disciplina da Guarda e a autoridade parental na ordem civil-constitucional. In: Temas de Direito Civil. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

 

Notas:

[1] NICK, Sérgio Eduardo. Guarda compartilhada: um novo enfoque no cuidado aos filhos de pais separados ou divorciados. In: BARRETO, Vicente (Org.). A nova família: problemas e perspectivas. Rio de Janeiro: Renovar, 1977. p. 135.

[2] TEPEDINO, Gustavo. A disciplina da Guarda e a autoridade parental na ordem civil-constitucional. In: Temas de Direito Civil. Rio de Janeiro: Renovar, 2006. t. 2, p. 183.

[3] Art. 226 – A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado; (…)

§ – Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher.

§ – Fundado nos princípios da dignidade da pessoa humana e da paternidade responsável, o planejamento familiar é livre decisão do casal, competindo ao Estado propiciar recursos educacionais e científicos para o exercício desse direito, vedada qualquer forma coercitiva por parte de instituições oficiais ou privadas.

Art. 227 – É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

Art. 229 – Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade.

[4] LÔBO, Paulo Luiz Netto. Código Civil comentado: direito de família, relações de parentesco, direito patrimonial: arts. 1.591 a 1.693, v. XVI. São Paulo: Atlas, 2003. p. 200

[5] PL. n. 6.315/02 e PL. n. 6.350/02.

[6] TJSC – Apelação Cível: AC 157479 SC 2004.015747-9. Parte: Apelante: E. A. P. S.
Parte: Apelada: S. S. P. Resumo: Apelação Cível. Ação de Regulamentação de Guarda e Ação de Modificação de Guarda. Sentença que Julgou Procedente o Pleito de Modificação de Guarda Formulado Pela Genitora. Pretensa Alteração da Guarda do Menor Pelo Genitor Para que Seja Deferida em Seu Favor. Relator(a): Carlos Prudêncio Julgamento: 28/03/2008Órgão Julgador: Primeira Câmara de Direito Civil. Publicação: Apelação Cível da Capital.

[7] TJRJ – APELACAO: APL 13521920048190011 RJ 0001352-19.2004.8.19.0011 Relator(a): DES. JOSE GERALDO ANTONIO. Julgamento: 11/08/2010 Órgão Julgador: SETIMA CAMARA CIVEL. Publicação: 20/08/2010.

[8] Conferência proferida no “III Encontro de Direito de Família do IBDFAM/DF  Família, Lei e Jurisdição”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Direito de Família Seção Distrito Federal, entre os dias 22 e 26 de maio de 2006, no auditório do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília-DF. Revista CEJ, Brasília, n. 34, p. 22-26, jul./set. 2006.

[9] Ibidem.

Informações Sobre o Autor

Alvaro dos Santos Maciel

Mestre em Ciências Jurídicas pela Universidade Estadual do Norte do Paraná, possui especialização em Direito Civil e Processual Civil pela Universidade Estadual de Londrina e graduação pela Universidade Norte do Paraná. Advogado e Docente.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais