Pulverização de empregos pelo médico: a iminente necessidade da fiscalização por registro eletrônico de ponto conforme a portaria n° 1.510 do Ministério do Trabalho e Emprego – uma análise filosófica

0

Resumo: O presente artigo é uma reflexão filosófica-jurídica embasada em idéias dos filósofos Sartre, Karl Marx e Aranha e Martins, e da jurista Maria Helena Diniz. Enfoca a temática da Saúde, particularmente do emprego médico e suas peculiaridades, tal a conceituada prática de pulverização de empregos. Apresenta um debate filosófico e jurídico frente à necessidade de registro eletrônico de ponto, prioritariamente para os serviços médicos, apresentando as conjecturas envolvidas nesse tema polêmico, que tem como escopo individual o convite a uma auto-reflexão do médico e como objetivo coletivo a melhoria da qualidade de saúde oferecida a população.


Palavras-chave: Direito do Trabalho. Filosofia do Direito. Emprego médico.


O trabalho pode ser considerado uma condição de liberdade, no entanto, em determinadas circunstâncias pode levar a uma alienação e desumanização. Por seu turno, para as filósofas Aranha & Martins (2000), “por ser uma atividade relacional, o trabalho, além de desenvolver habilidades, permite que a convivência não só facilite a aprendizagem e o aperfeiçoamento dos instrumentos, mas também enriqueça a afetividade resultante do relacionamento humano: experimentando emoções de expectativa, desejo, prazer, medo, inveja, o homem aprende a conhecer a natureza, as pessoas e a si mesmo.”


Insta observar que, hodiernamente, o sistema amplamente conhecido de trabalho médico se dá pela pulverização de empregos. Pulverizar, que de acordo com o dicionário Aurélio, é “difundir em gotas tenuíssimas.” Assim, conceituo como a pulverização de empregos a prática de dividir-se em um número excessivo de empregos a força de trabalho, não tendo a capacidade física e/ou mental de dedicar-se integralmente ao melhor de si a cada um deles. Observamos que a pulverização de empregos pelo médico é fato cotidiano, diversos assumem como funcionários públicos funções em diversos hospitais, postos de saúde com vínculo no Programa Saúde da Família – PSF, algumas vezes em cidades que não são moradores. Médicos, contratos pelo serviço público seja na esfera municipal, estadual ou federal; antes de tudo são servidores públicos e precisam contemplar as exigências as quais estão previstas para todos; sendo incabível, do ponto de vista, ético e moral, possuir mordomias.


De antemão, cumpre aludir que o corporativismo é compreendido como a defesa dos interesses ou privilégios de um setor organizado da sociedade, em detrimento do interesse público. A meu ver, como avesso a esta prática proponho uma solução imediata para a melhoria da qualidade do atendimento médico servido a população; que consiste no respeito à portaria n°1.510, de 21 de agosto de 2009, do Ministério do Trabalho e Emprego, em que disciplina o sistema de registro eletrônico de ponto. Esse sistema deve ser instalado em todos os hospitais, postos de saúde do PSF e demais serviços públicos de saúde, que compreende ser um aparelho em que o registro da chegada e da saída do profissional é feito por sua própria impressão digital, não permitindo assim, qualquer questionamento de fraude. Com esse sistema em uso é possível verificar quantas horas por semana o médico trabalhou, e caso, não cumpra a carga horária do contrato tem reduzido seus vencimentos, recebendo somente pelo que trabalhou. Essa via, além de punição por uma irresponsabilidade provinda de funcionário público, ocasiona um incentivo à redução do absenteísmo; e consequentemente, leva ao médico adaptar-se dentro de seus diversos empregos a escolher um ou dois que considera mais importante, pedindo demissão dos demais; garantindo vagas a outros médicos que queiram cumprir integralmente a carga horária ora proposta no edital e contrato de emprego. Cabe dizer que o fim da Medicina é dar saúde para os pacientes; o dinheiro não é seu fim; somente uma compensação pelo justo trabalho realizado.


Convém asseverar que, esse sistema irá contribuir astronomicamente para aperfeiçoar a qualidade dos serviços médicos oferecidos a população, necessitando da participação dos gestores públicos e do órgão que garante a defesa dos direitos individuais e indisponíveis, que é o Ministério Público, além de ser essencial a participação do Poder Judiciário, do Ministério do Trabalho e Emprego e do Ministério da Saúde; como também a colaboração por parte das associações médicas em respeitar as normas.


Oportunamente, o filósofo Jean-Paul Sartre, um filósofo fenomenologista afirmou que: “O importante não é o que fazem do homem, mas o que ele faz do que fizeram dele”. Para Aranha & Martins (2000), “a fenomenologia critica a filosofia tradicional por desenvolver uma metafísica cuja noção de ser é vazia e abstrata, voltada para a explicação. Ao contrário, a fenomenologia tem como preocupação central a discrição da realidade, colocando como ponto de partida de reflexão o próprio homem, no esforço de encontrar o que realmente é dado na experiência, e descrevendo ‘o que se passa’ efetivamente do ponto de vista daquele que vive determinada situação concreta. Nesse sentido a fenomenologia é uma filosofia da vivência”.


Nesse interposto, a fenomenologia que é a filosofia que fornece conceitos para uma reflexão existencialista dialoga a respeito da má fé: “[…] o homem, ao experimentar a liberdade, e ao sentir-se como um vazio, vive a angústia da escolha. Muitas pessoas, não suportam essa angústia, fogem dela, aninhando-se na má fé. A má fé é a atitude característica do homem que finge escolher, sem na verdade escolher. Imagina que seu destino está traçado, que os valores são dados; aceitando as verdades exteriores, “‘mente’” para si mesmo, simulando ser ele próprio o autor dos próprios atos já que aceitou sem críticas os valores dados. Não se trata propriamente de uma mentira, pois esta supõe os outros para quem mentimos, enquanto a má fé se caracteriza pelo fato de o indivíduo dissimular para si mesmo com o objetivo de evitar fazer uma escolha da qual possa se responsabilizar. O homem que recusa a si mesmo aquilo que fundamentalmente o caracteriza como homem, ou seja, a liberdade, torna-se “‘safado’”, “‘sujo’”, pois nesse processo recusa a dimensão do ‘“para-si”’ e torna-se “‘em-si’”, semelhante às coisas. Perde a transcendência e reduz-se à facticidade. Sartre chama tal comportamento de espírito de seriedade. O homem sério é aquele que recusa a liberdade para viver o conformismo e a ‘“respeitabilidade”’ da ordem estabelecida pela tradição. Esse processo é exemplificado no conto A infância de um chefe.” (Ibid.)


Nesse panorama, atuando como personagem do meio médico, vejo que já os estudantes de medicina e os médicos recém-formados, de má fé fogem do processo de escolha, fingindo estarem escolhendo trabalhar demais, em mais de quatro, cinco empregos; na verdade acreditam estarem se passando de respeitosos, de sérios, de que não fogem a serviço; mas na verdade, estão recusando a própria liberdade como seres humanos; pois ao ilusoriamente escolherem apenas seguir esse modelo da pulverização de empregos, tendo como base seus próprios professores e colegas de profissão, estão fugindo da responsabilidade das escolhas; pois para sua visão de má fé, se quem está na sua frente profissionalmente faz assim, outrossim, cabe a eles fazerem; pois se não forem bem sucedidos, não será só ele quem irá se dar mal, mais uma visão própria dos outros; uma escolha que não foi sua. Então, proponho a responsabilidade por suas próprias escolhas, fugir do convencionalismo de querer seguir um caminho trilhado por outros, assim criando seus próprios baseado em suas próprias verdades e não em uma suposta verdade que não tem alicerce. Por exemplo, que faça ou não residência médica quem assim queira, não entrar no piloto automático e deixar-se levar pela opinião dos outros do que acham certo fazer depois de formado, pelo receio de sair do espírito de seriedade, proposto por Sartre. Ainda, aceitar a pulverização de empregos por parte do médico é agir de má fé, em um conceito fenomenologista. Considero que o jovem médico tenha a dignidade de aceitar para si o trabalho justo que liberta, não o que aliena. Na visão de Karl Marx, em O Capital, a alienação ocorre quando o trabalhador oferece sua força de trabalho e este produto resultado do seu trabalho não mais lhe pertence e adquire existência independente dele. Nessa visão marxista, consiste em dizer que o trabalhador alienado nem concebe mais o que vai executar, devido ao aceleramento em que se encontra, não obedecendo ao ritmo natural do corpo; esse processo Marx chama de fetichismo da mercadoria. Adaptando-se ao contexto da situação, seria um momento em que nem o médico conscientemente reconheceria o próprio atendimento, haja vista a necessidade de finalizar uma consulta para partir para outro local de trabalho, em um processo que tem como conseqüência a desumanização. Assim, é humano trabalhar em um número de empregos que seja capaz de dar o melhor de si para atender a população; ao invés de acumular mais de quatro, cinco empregos e atender sem eficiência em diversos lugares; contribuindo para a revolta da população com o erro médico.


Nesse contexto, segundo a professora Doutora em Direito Maria Helena Diniz (2009, p. 667), “o insucesso médico não tem sido tolerado, em razão dos seguintes fatores concorrentes: a) utilização da tecnologia, que trouxe enorme desenvolvimento à ciência médica; b) massificação da medicina, que fez com que a relação médico-paciente tornasse impessoal […]; f) a pressa do atendimento médico, principalmente em postos do INSS e naqueles dependentes do Poder Público, para diminuir a enorme fila de espera; g) a crise do atendimento médico pela despersonalização, pois o paciente nem sequer conhece o médico que irá atendê-lo, pelas péssimas condições de trabalho, pela deficiência de equipamentos e escassez de remédios; […] h) a especialização, que transforma o médico num técnico altamente adestrado; […] k) o mercantilismo desenfreado, que se dá por ato de médico especializado ou por empresa médica comprometida com o lucro […].”


Em síntese, verifica-se que é um remédio para contribuir com o fim da pulverização de empregos pelo médico o registro eletrônico de ponto, por via de fiscalizar a carga horária do médico; isso vindo para contribuir com a própria saúde física e/mental do médico, além de, obviamente, melhorar demasiadamente o serviço a população; deixando-a mais satisfeita; dando a possibilidade de sentirem-se como pessoas humanas.  No meu ver, o importante é o médico em um exercício de reflexão pessoal e solitária verificar que é melhor para si mesmo essa prática, como indivíduo, vivendo melhor; e como ser social, contribuindo melhor para a população. E cabe, aos órgãos responsáveis e os pacientes fiscalizarem o serviço; e denunciar sempre que prejudicadas.


 


Referências

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando. São Paulo: Editora Moderna, 2000.

Brasil. Ministério do Trabalho. Portaria n° 1.510 de 29 de agosto de 2009.

DINIZ, Maria Helena. O estado atual do biodireito. São Paulo: Saraiva, 2009.

FERREIRA, Aurélio B. de Hollanda. Minidicionário Aurélio, da língua portuguesa. 7. ed. Rio de Janeiro: Positivo informatica, 2004.

MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Difel, 1982

Informações Sobre o Autor

Saulo Cerqueira de Aguiar Soares

Médico do Trabalho Advogado e Professor. Doutor em Direito com distinção Magna cum Laude pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas. Mestre em Direito com distinção acadêmica Magna cum Laude pela PUC Minas. Detentor do Título de Especialista em Medicina do Trabalho da Associação Médica Brasileira – AMB. Especialista em Medicina do Trabalho pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – FCMMG. Especialista em Direito do Trabalho e Direito Previdenciário – PUC Minas. Especialista em Direito Civil – PUC Minas. Especialista em Direito Médico – Universidade de Araraquara. Coordenador dos livros “Temas Contemporneos de Direito Público e Privado” Editora DPlácido; “Fluxo de Direito e Processo do Trabalho” Editora CRV; “Ciência Trabalhista em Transformação” Editora CRV; e “Direitos das Pessoas com Deficiência e Afirmação Jurídica” Editora CRV. É autor do livro “Direitos Fundamentais do Trabalho” Editora LTr


Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais