A nova súmula 331 do TST sobre terceirização

0

Resumo: No dia 24 de maio de 2011 o TST – Tribunal Superior do Trabalho editou alterações no enunciado da Súmula 331, alterando a responsabilidade trabalhista do Estado perante terceiros que lhe prestaram serviços. Far-se-á uma análise crítica deste posicionamento jurisprudencial, passando pela decisão em ADC 16 prolatada pelo STF – Supremo Tribunal Federal.


Palavras-chave: Súmula 331 do TST, terceirização, ADC 16 do STF.


O TST – Tribunal Superior do Trabalho, no dia 24 de maio de 2011, alterou seu entendimento no que tange à terceirização no âmbito das relações de trabalho. Havia o entendimento de que o Poder Público, isto é, o Estado, quando contratasse uma empresa para ceder mão-de-obra, ficaria responsável subsidiariamente – sempre – quando esta empresa não quitasse todos os haveres trabalhistas de seus empregados.


Agora, por força de uma decisão junto ao STF – Supremo Tribunal Federal (Ação Declaratória de Constitucionalidade – ADC n. 16), ficou acertado que o Estado não pode responder – sempre – subsidiariamente, quando a firma terceirizadora não honrar o pagamento de verbas laborais a seus empregados.


O STF admitiu, com base nas palavras do Ministro Cezar Peluso, que “(…)A norma é sábia, ela diz que o mero inadimplemento não transfere a responsabilidade, mas a inadimplência da obrigação da administração é que lhe traz como consequência uma responsabilidade que a Justiça do Trabalho eventualmente pode reconhecer, independentemente da constitucionalidade da lei”.[1]


Portanto, veio o TST na data de ontem apontar que:


“Os entes integrantes da administração pública direta e indireta respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV, caso evidenciada a
sua conduta culposa no cumprimento das obrigações da Lei n. 8.666/93, especialmente na fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da prestadora de serviço como empregadora. A aludida responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente contratada”.


Esta é a parte V da Súmula 331 do TST, que foi acrescentada ao texto.


O item IV, antigo, da referida Súmula, que previa a responsabilidade – sempre – da Administração Pública, ficou agora com uma redação mais enxuta:


“O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a
responsabilidade subsidiária do tomador de serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da relação processual e conste também do título executivo judicial.”


E ainda foi acrescentado um item VI à Súmula, verbis:


“A responsabilidade subsidiária do tomador de serviços abrange todas as verbas decorrentes da condenação.”


De pronto, aponto uma falha no novo texto que aponta a responsabilidade do Estado em caso de culpa. O TST esclarece que a Administração Pública será responsável “especialmente na fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da prestadora de serviço como empregadora”, o que denota uma preocupação com a culpa in vigilando, mas se esquece, no entanto, da culpa in eligendo.


Ou seja, a Lei de Licitações (8.666/93), no art. 44, § 3º, quando da apreciação das propostas, esclarece que o Poder Público deverá checar se o preço apontado pela empresa terceirizadora, que quer “ganhar” uma licitação, seja compatível “com os preços dos insumos e salários de mercado, acrescidos dos respectivos encargos”, o que, caso não cubra os deveres sociais trabalhistas, a empresa licitante deverá ser desclassificada do pregão.
Esta é a culpa in eligendo, ou seja, caso o Estado dê como vencedora da licitação para ceder mão-de-obra uma empresa que é insolvente, estar-se-á elegendo uma firma que – a priori – já se sabe que não irá conseguir pagar os direitos trabalhistas dos prestadores de serviço.
E a Súmula alterada ontem deixou a desejar neste ponto, abrindo uma brecha, portanto, para eventual discussão na Justiça do Trabalho sobre se a culpa é só in vigilando, ou também está contemplada a in eligendo, para que se admita a responsabilidade subsidiária do Estado.


Estas as primeiras impressões sobre o tema, que, com o tempo, iremos saber como os órgãos da Justiça Especializada se posicionarão.


Nota:

[1] Conforme dados extraídos do vídeo da sessão plenária do STF, dia 24/11/2010, 2º bloco, ADC n. 16. Disponível em: http://videos.tvjustica.jus.br. Acesso em 25 maio 2011. Até o fechamento do presente artigo, os votos dos Ministros do STF relativos ao julgamento da ADC N. 16 ainda não haviam sido publicados.

Informações Sobre o Autor

Mauricio de Carvalho Salviano

Mestre em Direito do Trabalho pela PUC/SP. Advogado. Professor no Curso de Direito do UniToledo/SP. Gestor do Damásio Educacional em Araçatuba/SP


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais