Barbalius no país das maravilhas

0

Era uma vez, numa longínqua terra repleta de riquezas naturais, um povo oprimido por reis tirânicos, que impunham a vontade ditatorial através do poder militar do reino. Havia censura e pouca liberdade aos cidadãos do condado. Os revolucionários eram exilados; as leis eram draconianas; suspeitos do cometimento de crimes eram presos para averiguação, e muitos deles à casa não retornavam.

Passado certo tempo a opressão parecia não mais resistir, porque o sentimento de liberdade daquele povo era fervoroso; clamava-se por uma democracia, exigiam-se garantias aos cidadãos. Pedia-se igualdade entre homens e mulheres, sem qualquer outra forma de distinção entre os seres humanos, bem como bradava-se pelo fim à censura e pela presunção da inocência dos acusados.

E assim foi que a nação conquistou dois grandes feitos históricos: eleições diretas para o reinado e a promulgação de uma Constituição liberalista, que instituíra um verdadeiro Estado Democrático de Direito.

O povo vencera a grande batalha contra o despotismo, e feliz estava com isso. Afinal de contas, as garantias individuais fundamentais seriam estendidas a todos os cidadãos. A imprensa passou a ser livre; homens e mulheres passaram a gozar dos mesmos direitos; acusados de crimes passaram a ser presumidos inocentes, salvo provas contundentes em contrário, e outorgado lhes foi o direito de responder o processo em liberdade.

Os exilados puderam retornar às suas casas e a imprensa foi livrada da mordaça. Os filhos puderam ver seus pais inocentes sair da prisão por ausência de provas. O cidadão, enfim, homem ou mulher, deixou de temer o arbítrio e a tirania, passando a usufruir da indeclinável garantia do devido processo legal, regido pelos princípios da igualdade, dignidade e presunção da inocência.

O homem de bem finalmente estava protegido contra generais opressores, delegados tirânicos e juízes reacionários, porque a Constituição havia instituído princípios democráticos liberalistas.

Barbalius era um homem muito mau. Roubava o povo, desviava verbas públicas; contudo, assistia à evolução democrática com sarcástica alegria. “Ora!”, pensava ele, “ainda que o povo um dia perceba minha personalidade delituosa e pretenda processar-me através do Ministério Público, foram eles próprios – os cidadãos – que insistiram em criar princípios como o da presunção da inocência e da liberdade. Como todos são iguais perante a lei, também usufruirei de tais garantias, respondendo eventuais processos em liberdade”.

E continuava Barbalius a praticar seus crimes. Desviava verbas públicas para si, fraudava instituições financeiras; enriquecia, enfim, às custas do sofrido dinheiro que a população entregava ao governo.

O povo continuava a apoiar-lhe, mesmo que com graves denúncias em contrário. Um papiro de circulação nacional alertava a todos o misterioso enriquecimento de Barbalius. “VEJA as inconsistentes e incompatíveis declarações de imposto de renda de Barbalius”, diziam as reportagens. Porém o povo continuava a apoiar-lhe, elegendo-o, através de seus representantes, presidente do parlamento da época.

Chegada a hora, contudo, de um extemporâneo momento de lucidez; insustentável tornara-se a situação de Barbalius, e a sociedade, através do Ministério Público, passou a pedir a sua prisão, ainda que, alienado às reiteradas denúncias, tivesse durante anos sido conivente com a situação. E um juiz da época, que não conhecia o novo sistema constitucional – ou não o respeitava -, mandou prendê-lo. Como num passe de mágica, o grande líder do legislativo nacional passava a ser algemado num verdadeiro espetáculo circense.

Barbalius, como antevira, conseguiu no mesmo dia sua soltura mediante ordem dum tribunal em sintonia com os novos valores constitucionais. E o fez com base em todos os princípios que o próprio povo que pedia sua prisão havia batalhado duramente para conquistar.

Instaurada, portanto, a polêmica. Uns, raivosos, gritavam inconformados: “Como pode esse ladrão estar solto??? Não há justiça neste país???”. Esvaeceram-se, em suas mentes, as gloriosas lutas pelas garantias individuais: passaram a duramente criticar o próprio tribunal que um dia pediram que fosse democrático e liberal.

O tempo parecia apagar o sofrimento daquele povo com a repressão, causando nos reacionários asco aos princípios democráticos liberais. A saudade da caça às bruxas e da inquisição aflorava no peito dos intolerantes: no fundo queriam mesmo atirar Barbalius numa prisão e os princípios liberais no esquecimento.

E Barbalius, tranqüilo, já programava uma nova campanha para cargo eletivo que no futuro lhe garantiria foro privilegiado para responder aos processos criminais. E os reacionários concluíam que realmente Barbalius vivia no país das maravilhas: roubou e mesmo assim permanecia em liberdade.

À mesma conclusão dos reacionários, contudo, chegaram todos os demais homens de bem: o país das maravilhas de Barbalius era o país das maravilhas dos cidadãos de boa índole, todos protegidos pelos princípios constitucionais democráticos. A atmosfera era de liberdade, diferente dos regimes fundamentalistas; sem frias execuções como em alguns regimes orientais; longe da ortodoxia de certas civilizações que desconhecem a democracia.

Os homens de bem, então livres da tirania e apaixonados pela liberdade, passaram a aceitar e tolerar que Barbalius respondesse o processo em liberdade. Reconheceram que o tribunal acertou em soltá-lo, e passaram a prestigiar juízes democráticos. Respiraram fundo, enfim, os ares da liberdade, que, não obstante ainda temporariamente beneficiassem o perverso Barbalius, estariam sempre soprando em proteção aos homens de bom caráter.

 


 

Informações Sobre o Autor

 

Gustavo Henrique Dietrich

 

Advogado e Professor Universitário em Cascavel-PR

 


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais