Celas escuras

0

Os  jornais de
22 de março deste ano trazem o relato de milagrosa atividade, desenvolvida na
Câmara dos Deputados, no sentido de tramitação de projeto visando alguns
benefícios aos presos, destacando-se a possibilidade de ficarem no escuro, à
noite, e de poderem manter a preservação do segredo da correspondência,
bastando, para tanto, a abertura e fechamento dos respectivos envelopes sob a
fiscalização de agentes penitenciários. Não se tem a  redação do projeto, mas o deputado
federal  Luiz Eduardo Greenhald surge, nas
notícias, como um dos intervenientes ou redatores do texto (ou seria de
emenda?). Cuida-se, de qualquer maneira, de iniciativa salutar, revelando, num
escuro período da história judiciária pátria, uma   real contradição.
Sabe-se muito bem que em  muitos estabelecimentos prisionais nunca há
escuridão total nas celas. Os presos são permanentemente submetidos a iluminação provinda de corredores ou de lâmpadas
estrategicamente colocadas. Sabe-se, igualmente, que toda a correspondência dos
reclusos é censurada por diretores ou prepostos, sem exceção daquelas cartas
trocadas com advogados. Por fim, não há quem tenha a ingenuidade de acreditar
na extinção  das celas fortes (ou solitárias). Continuam existindo tais
calabouços, em maior ou menor extensão, dependendo a localização, dimensões e
particularidades outras, da boa ou má vontade  dos diretores dos
estabelecimentos prisionais. Em suma, a Lei de Execução Penal é aviltada,
envergonhada, envilecida, desprezada, desnutrida, passando os fiscais, soberanamente,
à margem das exigências e restrições postas nos diversos dispositivos
garantidores dos direitos dos reclusos.

Consta do noticiário, inclusive,
comentário nebuloso sobre a responsabilização de juízes que não venham a
exercer vigilância sobre o limite máximo de lotação de estabelecimentos
penitenciários postos dentro dos limites territoriais de suas circunscrições. É
boa sugestão, mas não pode ser  delimitada assim. Se e quando posta em
vigor a proposição,  haveria de se estender a todos aqueles que, por força
de suas funções, tivessem obrigação de vigiar o cumprimento da lei. Bons
propósitos, sim, mas  voltados a uma fatal ficção, 
pois  todo o sistema protetor dos direitos do preso foi às calendas. A maioria dos juízes  despreza  a
legislação, o Ministério Público,  salvo honrosíssimas
exceções, mal visita as cadeias (no que faz muito bem,
porque se as visitar será obrigado  a reagir,  calando-se, portanto,
fora dos muros) e os policiais, com motivos maiores, apenas esperam o tempo
passar. É, já se viu, uma situação de fato que leva à
destruição de todos os requisitos advindos do sistema legislativo específico.

Afirmava um teólogo santificado pela
Igreja Católica que a  lei ruim não pode ser cumprida. Cai em desuso. Entenda-se,
portanto, que a Lei de Execução Penal  inexiste. A razão do entendimento é
relevante: se existir, o Estado-Administração
terá prepostos cometendo diariamente centenas de condutas criminosas.
Aprendemos, entretanto, que  o Estado  é, ele sim, o repressor das
condutas infracionais. Logo,  fechem-se os olhos
à censura posta em concreto.  Cale-se o insubordinado. Há de pagar, se
quieto não ficar, o caro preço cobrado daqueles que quebram a rotina do
conformismo enquanto tentam, ingenuamente, lacear 
as correntes trançadas  pelo sistema. É assim e será sempre assim?


Informações Sobre o Autor

Paulo Sérgio Leite Fernandes

Advogado criminalista em São Paulo e presidente, no Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas do Advogado.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais