Prêmio Nobel da Paz

0

Hoje, 22 de fevereiro de 2002,  os
jornais divulgam que Bush e Blair, respectivamente
Presidente e Primeiro Ministro dos Estados Unidos da América do Norte e do
Reino Unido,  são candidatos ao “Nobel da Paz”.  O prêmio, conforme o
nome indica,  agracia cidadãos notoriamente conhecidos  pelos
esforços desenvolvidos em favor da pacificação ou, até mesmo, da suavização da
tendência do ser humano a destruir seus semelhantes. Não há a mínima
semelhança, creia-se, entre  as condutas de Bush, Blair
e Martin Luther King, Jr.

Não conheço as peculiaridades da
formalização das candidaturas. Consta que o Comitê se incumbe de examinar
personalidades recomendadas por organizações internacionais ou mesmo por nações
(Embaixadas, etc),  havendo, obviamente, 
as pressões costumeiras,  não ausentes, sequer, na eleição  do papa
ou canonizações. Realmente, um ou outro país precisa, em determinada época, de
um santo particular, nascido, criado ou morto em território nacional. Esforço
bem dirigido pode, eventualmente,  santificar, para uso interno ou
externo, algum religioso de bom tamanho. Se o expediente vale para as almas
imaculadas,  não pode ser desprezado quando se cuida do Presidente da
América do Norte ou do Primeiro Ministro da Inglaterra. Não se tem notícia da
realidade de ambas as candidaturas, mas se os dois  tiverem juízo, hão de
colocar-se à margem da competição velada. A destruição das torres sagradas, em Nova York, gerou reação
extremamente irada de Bush. Recontou em dobro (ou triplamente) o número de
vítimas americanas. Dedicação um pouco maior teria transformado o Afeganistão
num buraco só, tantas foram as toneladas de bombas
lançadas naquele país em retorsão. Blair,
de outra parte, mandou afiar as baionetas dos soldados ingleses, pondo-as 
a serviço  da morte. Sobra, no fim das contas, uma indagação 
curiosa: deve o prêmio Nobel da paz  ser concedido  a quem pratica
magistralmente o “olho por olho”? Centenas de homens, mulheres e crianças
tiveram seus corpos dilacerados pelos bombardeios americanos. A maioria morreu.
Há, mancando no Afeganistão, muitos sobreviventes desgraçados pelos estilhaços
ou reflexos indiretos dos petardos. Bush vai fundo nisso. E Blair
só não chega ao extremo porque não o deixaram atravessar o rubicão.
Portanto, as notícias das candidaturas só pode ser desinformação. Ou piada sem
graça. O Prêmio Nobel  da Paz  já teve sua credibilidade discutida.
Houve uma ou outra decisão contestada, mas os  pretendentes  tinham,
todos, currículos no mínimo aceitáveis. Tocante
a  Bush e Blair, é
remotíssima a escolha. Poderia ser assistida por enorme platéia dos mutilados
pela terrível vingança de “Tio Sam”, todos em traje
de gala, as  mangas  e pernas das vestimentas  enroladas no
vazio  dos membros amputados. Ficaria  bem.  É esperar para ver.


Informações Sobre o Autor

Paulo Sérgio Leite Fernandes

Advogado criminalista em São Paulo e presidente, no Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas do Advogado.


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais