Nexo técnico epidemiológico: Conceito e efeitos sobre a ação indenizatória trabalhista

0

Resumo: O trabalho visa conceituar o nexo técnico epidemiológico, assim como apontar os seus efeitos junto a ação indenizatória trabalhista. Para tanto, aponta o entendimento dos Tribunais Superiores.


A problemática entre empregado e patrão é histórica, situação que obriga a legislação a constantemente adaptar-se a proteger o hiposuficiente dessa relação jurídica. No que tange a segurança e proteção da saúde do trabalhador, frente à resistência dos patrões em comunicar a doença ocupacional, houve a necessidade de que o legislador criasse outras formas de zelar pelo obreiro.


A Lei n.° 11.430/2006 inovou em criar o Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário- NTEP como alternativa na caracterização do acidente de trabalho. Nota-se que com essa modificação legislativa, que inseriu novo artigo à Lei n.° 8213/1991, possibilitou ao perito do INSS à vinculação do problema de saúde a atividade profissional do trabalhador, como se verifica:


“Art. 21-A A perícia médica do INSS considerará caracterizada a natureza acidentária da incapacidade quando constatar ocorrência de nexo técnico epidemiológico entre o agravo, decorrente da relação entre a atividade da empresa e a atividade mórbida motivadora da incapacidade elencada na Classificação Internacional de Doenças- CID, em conformidade com que dispuser o regulamento.”


Infere-se que a expressão epidemiologia abarca o estudo interdisciplinar das situações que influenciam na perpetuação de enfermidades e sua disseminação na sociedade. Portanto, o médico perito, para estabelecer o nexo técnico epidemiológico, deverá observar as características individuais do trabalhador (saúde e atividade profissional) com os dados coletivos do seguimento laboral. (NETO, 2007, p.144)


Sobre o tema cumpre transcrever as palavras de Fabio Zambitte Ibrahim:


“[…] Neste contexto, o NTEP permite o reconhecimento, de ofício, da incapacidade como derivada do trabalho, por meio de correlação entre a atividade econômica da empresa e da doença ocupacional- há correlação entre o CNAE e a tabela CID. Tal relação foi feita por meio de análises estatísticas, que expõe as doenças ocupacionais típicas em determinadas atividades econômicas. Naturalmente, a correlação não será verdadeira em todas as situações, mas o mérito da Lei n.° 11.430/06, ao inserir o art. 21-A da Lei n.° 8.213/91, é retirar o ônus da prova da parte mais frágil- o segurado, e impondo-o à empresa, que efetivamente assume o risco da atividade econômica.” (IBRAHIM, 2011, p. 21)


Nesse sentido, como conseqüências diretas da tipificação do nexo epidemiológico, destaca-se a inversão do ônus da prova, ou seja, caberá a empresa, comprovar que a enfermidade não é originária da atividade laboral; depósitos do FGTS no período em que o empregado estiver gozando de auxílio-doença acidentário; estabilidade empregatícia nos 12 meses posteriores a recuperação do trabalhador; e possível responsabilização civil do empregador pelos danos materiais e morais.


No que tange a reparação pelos danos morais e materiais encontram-se os maiores problemas e discussões na esfera judicial.


Segundo entendimento do Tribunal Superior do Trabalho, expresso através da Sumula n.° 42, “Presume-se a ocorrência de acidente de trabalho, mesmo sem a emissão da CAT- Comunicação de Acidente de Trabalho, quando houver nexo técnico epidemiológico conforme art. 21-A da Lei n.° 8.213/1991.


Para tanto, a empresa, no caso em tela, possui responsabilidade objetiva (art. 927 do CC), ou seja, basta a comprovação da enfermidade e do nexo causal para a obrigação de reparar do empregador. Entretanto, como forma de defesa, terá que comprovar a existência de culpa exclusiva do empregado, fato de terceiro, caso fortuito ou força maior, uma vez que a presunção relativa favorece sempre a vitima.


Sobre o tema cumpre colacionar a jurisprudência:


“ACIDENTE DO TRABALHO/DOENÇA EQUIPARADA. CONCESSÃO DE AUXÍLIO-DOENÇA ACIDENTÁRIO PELO INSS. NEXO. INDENIZAÇÕES. A concessão de auxílio-doença por acidente do trabalho pelo INSS faz presumir o acidente ou doença, bem como o nexo causal, cabendo à reclamada desconstitui-lo. Hipótese em que desse encargo não se desonerou, porque ausente prova de conclusão adversa àquela do INSS, quanto ao benefício concedido. Indenizações por dano material e moral devidas. Culpa presumida.”  (TRT4. Acórdão do processo 0000918-74.2010.5.04.0403 (RO). Redator: MARIA INÊS CUNHA DORNELLES. Participam: BEATRIZ RENCK, JOSÉ CESÁRIO FIGUEIREDO TEIXEIRA. Data: 21/09/2011 Origem: 3ª Vara do Trabalho de Caxias do Sul).


“RECURSO ORDINÁRIO. ESTABILIDADE ACIDENTÁRIA. DOENÇA OCUPACIONAL. NEXO CAUSAL. NÃO-CONFIGURAÇÃO. O gozo de auxílio doença acidentário concedido com base no nexo técnico epidemiológico autoriza presumir, inicialmente, a relação entre a enfermidade e o trabalho. No entanto, tal presunção tem caráter relativo, em favor do trabalhador, podendo ser elidida por outros elementos de prova, a cargo da reclamada. No caso dos autos, a perícia judicial, ao analisar as circunstâncias específicas em que desempenhado o trabalho do autor, concluiu de modo taxativo que a doença degenerativa que o acomete (discopatia degenerativa em coluna lombar) não guarda relação com o trabalho na reclamada. Assim, considerando que a estabilidade buscada pelo reclamante (artigo 118 da Lei 8.213/91) pressupõe a ocorrência de acidente do trabalho ou de doença a ele equiparada (não verificados no caso), impõe-se a manutenção da improcedência dos pedidos de reintegração e indenização decorrentes de acidente do trabalho, por não configurado o nexo de causalidade, pressuposto dos pedidos do reclamante. HORAS EXTRAS. CONTROLES DE HORÁRIO. Não há prova nos autos que autorize reconhecer que a jornada efetivamente cumprida pelo trabalhador fosse diversa da consignada nos controles de horário. Reputam-se válidos tais documentos, na ausência de elementos suficientes nos autos para infirmá-los”.  (TRT4. Acórdão do processo 0001521-53.2010.5.04.0402 (RO). Redator: FABIANO DE CASTILHOS BERTOLUCCI. Participam: HUGO CARLOS SCHEUERMANN, JOÃO PEDRO SILVESTRIN. Data: 13/09/2011 Origem: 2ª Vara do Trabalho de Caxias do Sul).


Pelo exposto, a criação do NTEP inovou na esfera trabalhista/previdenciária, vez que possibilitou aos peritos do INSS configurar a doença acidentária com base em fatores individuais do trabalhador e coletivos do seguimento econômico, como forma de proteger o empregado, frente às arbitrariedades dos patrões nas decisões de emitir a CAT.
 


Referências bibliográficas

DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho.  6 e.d. São Paulo: LTR, 2007.

IBRAHIM, Fábio Zambitte. Curso de Direito Previdenciário. 13° Edição, Revista e Atualizada. Editora- Impetus, Pag. 620 a 623. Material de Aula 2° da Disciplina: Segurança e Saúde do Trabalhador, ministrada no Curso de Pos-Graduação Televirtual de Direito e Processo do Trabalho- Anhanguera- Uniderp/ Rede LFG, 2011.

NETO, José Affonso Dallegrave. Nexo Técnico Epidemiológico e seus efeitos sobre a ação trabalhista indenizatória. Revista Tribunal Regional do Trabalho da 3° Região, v. 46, n. 76, p. 143-153, jul./dez. 2007. Disponível em: <http:// www.trt3.jus.br/escola/download/revista/rev_76/Jose_Neto.pdf> Acesso em 14/11/2011.

Tribunal Regional da 4° Região. Disponível em: http://www.trt4.jus.br/portal/portal/trt4/home Acesso em 14/11/2011.

Informações Sobre o Autor

Roseli Quaresma Bastos

Advogada, Especialista em Direito Tributário UNISUL/LFG, Especializanda em Direito e Processo do Trabalho UNIDERP/LFG.


Julgamento Caso Kiss: para Promotor aposentado não houve dolo no caso da boate Kiss
Clique Aqui e Saiba Mais!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais