A importância dos acordos de confidencialidade em Startups

0

O objetivo é o resguardo da startup em tratativas com possíveis investidores, sócios ou colaboradores, através da proteção de informações confidenciais

Para que possam analisar o potencial de crescimento e a viabilidade de uma startup é essencial que possíveis investidores e sócios tenham acesso a todas as informações sobre o modelo de negócios da empresa (características tecnológicas, informações técnicas, operacionais, de negócio e outras informações consideradas estratégicas).

Desta forma, um tema atual e de extremo valor no universo das startups é o acordo de confidencialidade. Este instrumento, também chamado de non disclosure agreement (NDA), objetiva o resguardo da empresa em tratativas com possíveis investidores, sócios ou colaboradores, através da proteção de informações confidenciais.

Neste instrumento a startup determina quais as informações que deverão ser mantidas em sigilo (com a descrição de produtos, processos patenteados, forma de realização dos serviços e tipo de tecnologia utilizada) antes, durante e depois de uma determinada transação ou negociação, protegendo assim os interesses da empresa.

Logo, a ideia de elaborar um acordo de confidencialidade é evitar que terceiros, ou mesmo as partes envolvidas em qualquer tipo de transação, usem informações de forma indevida prejudicando o negócio como um todo. O NDA obsta, portanto, o uso indevido das informações e coíbe também prática de concorrência desleal.

É usual no mundo das startups que os acordos de confidencialidade sejam firmados entre duas ou mais empresas, em casos de cooperação em projetos; entre a empresa e uma pessoa física, quando se tratar de um possível investidor, sócio ou colaborador; e entre a empresa e um prestador de serviços, o qual venha a pontualmente desenvolver algum projeto para a startup.

Um bom acordo de confidencialidade deve conter primordialmente os seguintes dados: (i) quem será a parte reveladora e a receptora das informações; (ii) quais informações são consideradas confidenciais; (iii) quais as circunstâncias em que as informações serão reveladas; (iv) como as informações confidenciais serão transmitidas; (v) as penalidades pelo descumprimento do disposto no acordo; e (vi) o prazo de vigência do instrumento.

Ainda, visando atrair pontualmente algum investidor, parceiro ou comprador específico, é possível inserir no acordo de confidencialidade uma cláusula de exclusividade, a vigorar por prazo certo. Com ela, durante dado período de tempo, a startup não poderá apresentar as informações para outro investidor, parceiro ou comprador.

Por fim, pontue-se que um bom acordo de confidencialidade é um chamariz para atrair investimento para o negócio, pois é a forma da startup demonstrar cautela e prudência com o projeto. É claro que em razão da natureza da empresa que está se formando e de toda a inovação envolvida, nem sempre será necessária a assinatura de um acordo de confidencialidade, devendo o empresário ponderar os casos em que o instrumento possa ser interpretado como um empecilho, principalmente perante profissionais de renome da área, como investidores, venture builders e aceleradoras.

Artigo de autoria dos advogados Pedro Henrique Cordeiro Machado e Fernando Augusto Sperb do Alceu Machado, Sperb & Bonat Cordeiro Sociedade de Advogados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais