A Lei Anticorrupção, o Acordo de Leniência e o Programa de Compliance

0

Bárbara Limonta Rosa – Bacharela em Direito pela Universidade Federal de Pelotas. Pós-graduanda em Direito Penal Econômico e em Direito Processual Penal. Assistente de Recursos na Empresa Doutor Multas ([email protected])

O termo Compliance vem do verbo em inglês “to comply”, significando a ideia de cumprir, seguir normas, atuar em conformidade e aplicar um programa de integridade. Para Mendes e Vinícius Carvalho (2017), um programa de Compliance busca estabelecer mecanismos e procedimentos que visam alterar a cultura corporativa, no tocante ao cumprimento das legislações vigentes.

Para tanto, o Compliance é um instrumento que busca minimizar as possibilidades de que ilícitos ocorram dentro de uma empresa, bem como, criar ferramentas úteis para que a empresa consiga lidar com essas irregularidades, tanto de modo interno, quando de modo externo.

Nesse sentido, a Lei Anticorrupção é considerada um marco legislativo ao inserir regras que visam o combate de crimes de corrupção praticados por Pessoas Jurídicas. Com a vigência desta Lei, o termo “programa de integridade” é inserido na Legislação brasileira, colocando a figura do Compliance em evidência.

Com o intuito de proteger a Administração Pública contra a atuação de Pessoas Jurídicas que exerçam práticas fraudulentas ou corruptas, a Lei trouxe a responsabilidade objetiva de tais PJ’s, que venham a praticar atos de corrupção, as quais podem ser punidas com multa baseada no faturamento da empresa, bem como, com a publicação dos atos de corrupção por ela praticados, na mídia.

Tentando incentivar a disseminação da ética no meio corporativo, a Lei 12.846/13 trouxe, em seu art. 7º, VIII, a figura do “programa de integridade”, como um fator a ser considerado quando da aplicação das sanções acima mencionadas, vejamos:

 

Art. 7º Serão levados em consideração na aplicação das sanções: (…)

VIII – a existência de mecanismos e procedimentos internos de integridade, auditoria e incentivo à denúncia de irregularidades e a aplicação efetiva de códigos de ética e de conduta no âmbito da pessoa jurídica; (…)

 

Portanto, a empresa que está sendo responsabilizada pelos atos praticados descritos na Lei Anticorrupção, poderá ter a sua pena atenuada, na medida em que possui um programa de integridade, que esteja de acordo com o que disciplina o Decreto Lei nº 8.240 de 2015.

Assim, não basta que a empresa possua um código de conduta interno para se beneficiar das “atenuantes” do art. 7º, inciso VIII, da Lei 12.846/13. Ela deve, por conseguinte, seguir os parâmetros impostos pelos incisos do art. 42, do Decreto Lei nº 8.420/15, que vão desde o comprometimento da alta direção da Pessoa Jurídica, até o monitoramento contínuo do programa de integridade.

Outro ponto a ser analisado que também se comunica à ideia de Compliance, diz respeito ao Acordo de Leniência, instituído no art. 16, da Lei Anticorrupção. Esse artigo menciona que a autoridade máxima de cada órgão ou a entidade pública, poderá celebrar Acordo de Leniência com as Pessoas Jurídicas responsáveis pela prática dos atos previstos nesta Lei, desde que colaborem, efetivamente, com as investigações e o processo administrativo que fora instaurado.

Além disso, essa colaboração deve resultar na identificação dos demais envolvidos – quando couber – e na obtenção célere de informações e documentos que sejam aptos a comprovar o ilícito que está sob apuração.

Sobre o assunto, tramitava a Medida Provisória 703/15, que não fora convertida em Lei, prevendo que o art. 16 da Lei Anticorrupção, em seu inciso IV, tornasse uma exigência, para a celebração do Acordo de Leniência, o “comprometimento da pessoa jurídica na implementação ou na melhoria de mecanismos internos de integridade”, ou seja, a adoção de um programa de integridade, dentre eles, podendo se inserir o Compliance.

Em que pese a Medida Provisória tenha tido sua eficácia exaurida, não sendo convertida em Lei, o art. 37, inciso IV, do Decreto Lei nº 8.420 de 2015, menciona que o Acordo de Leniência deve, obrigatoriamente, conter em suas disposições, cláusula que trate sobre a adoção, aplicação ou aperfeiçoamento do programa de integridade, conforme os parâmetros estipulados pelo Capítulo IV, do mesmo Decreto.

Nesse sentido, resta explícita a importância da conformidade de Pessoas Jurídicas que contratam com a administração pública, com programas de integridade, ou seja, com a adoção do programa Compliance no âmbito interno. Além de poderem se beneficiar com algumas atenuantes trazidas pela Lei Anticorrupção, será possível, ainda, a feitura do Acordo de Leniência, o qual prevê isenções e atenuações de sanções significativas, quando devidamente homologado, o acordo, pelo Poder Público.

Outrossim, os benefícios na adoção de um programa de Compliance vão muito além das benesses trazidas pela legislação pátria, no tocante à redução de sanções. Esse tipo de programa visa disseminar a cultura da ética corporativa, no intuito de evitar que as práticas de corrupção e fraude ocorram no âmbito da empresa.

É, portanto, um programa que traz medidas preventivas aos atos de corrupção e ilícitos, atribuindo, às empresas, mecanismos de controle e fiscalização internos, que buscam evitar a instauração de um procedimento investigativo pelo poder público. E, também, um programa que visa atenuar e, até mesmo, isentar a empresa de sanções, acaso a prática de ilícitos tenha, efetivamente, ocorrido.

 

 

Referências

MENDES, Francisco Schertel; CARVALHO, Vinícius Marques de. Compliance: concorrência e combate à corrupção. São Paulo: Trevisan Editora, 2017, p. 31.

 

BRASIL, 2015. Medida Provisória nº 703 de 18 de dezembro de 2015. Disponível em: <<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Mpv/mpv703.htm.>> Acesso em 03 de mai. 2020.

 

BRASIL, 2013. Lei nº 12.846 de 1º de agosto de 2013. Disponível em: <<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12846.htm.>> Acesso em 03 de mai. 2020.

 

BRASIL, 2015. Decreto Lei nº 8420 de 15 de março de 2015. Disponível em: <<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/decreto/d8420.htm.>> Acesso em 03 de mai. 2020.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais