A Pandemia do COVID-19 e o Calendário Das Eleições

0

Fernando Gustavo Knoerr[1]

Gustavo Swain Kfouri[2]

Dentre os efeitos derivados da pandemia do COVID-2019 vê-se o impacto nas relações sociais, econômicas e políticas – em espectro macro, este com o potencial de obstruir o processo eleitoral; razão porque movem-se as autoridades judiciárias e parlamentares debatendo sobre a possibilidade, os meios e os efeitos de sua possível postergação.

O momento é de incerteza, quanto: a) ao grau de letalidade do vírus[3]; b) à eficácia dos medicamentos eleitos pelos técnicos da área de saúde para o combate da doença; c) aos métodos aplicados para a contenção da disseminação deste agente biológico extremamente infeccioso – dentre os quais está a limitação da aglomeração, da circulação e as medidas de reclusão de pessoas; e, d) ao período em que tais práticas restritivas deverão ser mantidas em vigor; o que levou diversas autoridades no Brasil e no Mundo a recuarem de medidas liberatórias.

Daí uma certeza: os calendários eleitoral e partidário já foram impactados, senão note-se a impossibilidade do comparecimento pessoal do eleitor nos cartórios para o alistamento, para a alteração de seu domicílio eleitoral[4], para a regularização de contas partidárias, e etc.; o que induz ao debate sobre o adiamento do pleito e as suas consequências[5].

Embora se cogite, ainda não há definição sobre a prorrogação do procedimento eleitoral, mesmo porque não se prescindirá de lei, sendo necessária até mesmo uma emenda à Constituição; afinal, o artigo 29, §2 º da Constituição Federal, define que a eleição de Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores será realizada no primeiro domingo de outubro do ano anterior ao término dos mandatos dos atuais agentes políticos, sendo portanto necessária uma PEC para a alteração dessa data.

O impacto na democracia e no nosso regime eleitoral será inevitável pois, se de um lado aquela impõe um prazo definido para a duração dos mandatos exigindo, isonomicamente, a alternância no exercício do poder, de outro, não se pode desconsiderar que estamos num período excepcional, e da excepcionalidade faz-se necessário ajustar-se determinadas normas para preservar-se determinados direitos, que neste caso, por óbvio, é a segurança da população na garantia da lisura do pleito.

Se houver um tempo de reclusão maior do que o inicialmente projetado ou, sem exclui-se o pior, como por exemplo, um forte impacto nas atividades do Poder Público que impeça a regularidade do procedimento eleitoral (vide o elevado número de óbitos na Itália), certamente os atos preparatórios para as eleições já estarão comprometidos, pois já estamos em abril e, no início deste mês, fixou-se o marco de seis meses antes das eleições: prazo para desincompatibilizações de determinados mandatos ou categorias profissionais; enfim.

Nesta senda, em ambos os cenários, haverá a irremovível necessidade de que os atuais mandatários mantenham em curso a Administração Pública, notadamente para a garantia dos serviços essenciais. No melhor deles, se no compasso do cerceamento da locomoção seja possível prorrogar-se a data do pleito em primeiro e segundo turnos para ainda este ano, os termos do encerramento do mandato em 31 de dezembro e a posse dos eleitos fixada para o dia 10 de janeiro de 2021, poderão ser mantidos na forma do art. 29, III, da Constituição Federal.

É claro que todas essas alterações serão implementadas por regras de transição, pois também será necessário alterar-se o artigo 16 da Constituição que, contemplando o denominado princípio da anualidade, exige a vigência de pelo menos um ano da lei (vamos aqui entender lei como ato normativo em geral) que alterar o procedimento eleitoral. É claro que neste caso, em havendo a necessidade de se postergar o pleito e todos os demais atos pertinentes a eleição, será igualmente necessário que esta exigência da antecedência de um ano seja também normatizada de uma forma distinta, afinal não é à toa que a Constituição exige esta antecedência, que se dirige à, justamente, proporcionar a todos aqueles que participem do processo eleitoral, tais como os candidatos, equipes de campanha e também a nós mesmos, eleitores, informações seguras, claras e suficientes para que possamos participar das escolhas com a previsibilidade e, em última análise, a segurança que a democracia exige.

Agora, é patente que se o estado de contenção atual prolongar-se até o julho próximo (mês das Convenções Partidárias), o calendário eleitoral terá sido obstruído. Tal resultará na possibilidade de estender-se os mandatos, como consequência, em conjunto com a postergação da data da posse. Isso gerará um grande problema, que toca à assincronia dos mandatos, porque os atuais agentes políticos serão mantidos por mais tempo no poder.

Por fim, aqueles mandatários eleitos neste pleito deterão um prazo menor para cumprí-lo, sob pena de se prolongar, e mais ainda, de se aprofundar esta assincronia quando do exercício de mandatos posteriores, pois o sistema organiza o processo para que as eleições sejam realizadas a cada dois anos – as gerais e as municipais, alternadamente.

 

 

[1] FERNANDO GUSTAVO KNOERR é Advogado. Pós-Doutor em Direitos Humanos pelo Ius Gentium Conimbrigae da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra-Portugal. Doutor e Mestre em Direito do Estado pela Universidade Federal do Paraná. É Professor do Programa de Mestrado e Doutorado em Direito do UNICURITIBA. Membro do Conselho Recursal da Diretoria de Relações Internacionais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Foi Procurador Federal de Categoria Especial e Juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná no biênio 2009/2011.

[2] GUSTAVO SWAIN KFOURI é Advogado. Mestre em Direito Constitucional pela UNIBRASIL, Doutor em Direito do Estado pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC e Pós-Doutorando pela UNICURITIBA. Professor Visitante da Universidade Nacional Autônoma do México – UNAM e da Academia Brasileira de Direito Constitucional – ABDCONST. Professor Avaliador do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito – CONPEDI. Membro das Comissões de Direito Eleitoral e Nacional de Legislação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e Fundador do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral – IPRADE.

[3] O Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde – Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou em entrevista coletiva em Genebra, nesta data (13/04/2020), que: “através dos dados coletados em vários países, têm-se uma imagem mais clara desse vírus, de seu comportamento e da maneira de contê-lo: se espalha rapidamente e é letal: dez vezes mais que o vírus responsável pela pandemia da gripe de 2009”. (https://istoe.com.br/novo-coronavirus-e-10-vezes-mais-letal-que-h1n1-diz-oms/) e (https://exame.abril.com.br/ciencia/novo-coronavirus-e-dez-vezes-mais-letal-que-h1n1-diz-oms/).

[4] Vide Resolução n. 23.615/2020 – Tribunal Superior Eleitoral.

[5] As instituições consideram ainda prematura a definição acerca do adiamento do pleito de 2020, fixado para o dia 04 – em 10 turno, e para o dia 25 de outubro – em 20 turno, que se dá pelo risco de periclitação da saúde pública através da admissão estatal quanto à aglomeração de pessoas, desde os atos das convenções partidárias (desde 20 de julho a 05 de agosto de 2020) até o início da campanha eleitoral de rua, a partir do registro dos candidatos pelos Partidos Políticos. Vide as posições no Tribunal Superior Eleitoral: (http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2020/Marco/presidente-do-tse-reafirma-que-calendario-eleitoral-das-eleicoes-2020-esta-sendo-cumprido) e (https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/04/aglomeracao-em-convencoes-e-testes-das-urnas-sao-obstaculos-para-eleicoes-diz-barroso.shtml?origin=folha).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais