Caixa recorre e obtém liminar contra liberação do FGTS devido a calamidade do coronavírus

0
08/04/2017- Brasília- DF, Brasil- Brasileiros aproveitam o sábado para sacar o FGTS inativo durante a segunda etapa do liberação do FGTS nas agências da Caixa Econômica                                  Foto: José Cruz / Agência Brasil

Uma semana após a decisão favorável à liberação do FGTS a Caixa Econômica Federal obteve uma liminar no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas) nesta terça-feira (14). O Desembargador do Trabalho suspendeu os efeitos da ordem da Vara do Trabalho de Araras. A Caixa não integra a ação mas é o agente operador dos recursos do FGTS.

A medida foi concedida em segunda instância pelo Desembargador Roberto Nobrega de Almeida Filho, que acolheu a pretensão do banco. A Caixa já tinha recebido a determinação de liberação do Fundo de Garantia, mas ainda não havia cumprido a ordem judicial.

Na decisão de primeira instância o juiz acolheu o argumento do trabalhador e liberou integralmente o saldo do FGTS. A ação tem como fundamento a decretação de calamidade pública, federal, estadual e municipal.

A ação é movida pelo escritório Cortella Advogados, formulada pela advogada Gabriela Dias Barbosa e pelo advogado Breno Zanoni Cortella. “Discordamos dessa posição restritiva, que deixa o trabalhador desemparado em um momento de grave dificuldade e vamos recorrer”, disse Breno.

O autor da ação é um vendedor e que recebe comissões. Com a quarentena em vigor ele teve seus ganhos reduzidos. “Entendemos que a previsão da lei que autoriza a liberação do FGTS em caso de desastre natural alcança a situação que estamos vivendo”, destacou a advogada Gabriela.

SEGUNDO CASO

O mesmo escritório Cortella Advogados em parceria com o advogado Kevi Carlos de Souza possui um segundo caso, que foi decidido favoravelmente à liberação do FGTS. Trata-se de um processo trabalhista em andamento que já estava em grau de recurso perante o mesmo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas).

A medida foi concedida na semana passada pelo Desembargador do Trabalho Gerson Lacerda Pistori. “Concedo, sem titubear, os efeitos da antecipada de urgência aqui formulada pelo requerente para o fim de permitir-lhe sacar seu saldo depositado junto a sua conta-vinculada do FGTS, diante do real e indiscutível estado de calamidade pública vivido não apenas no Brasil, mas praticamente em todo o mundo, decorrência da pandemia causada pelo COVID-19”, anotou o Desembargador Lacerda Pistori.

Para ele é “inegável, ademais, a adequação dos fatos atuais vividos e decorrentes da pandemia do coronavírus à hipótese de ‘desastre natural’ previsto no próprio inciso XVI do artigo 20 da Lei do FGTS”, destacou o desembargador do TRT-15 ao conceder a ordem.

O advogado Breno Cortella analisa as discrepâncias das decisões. “Estamos vivendo uma conjuntura de desafios, mas esperamos que, ao final, prevaleça o direito do trabalhador de ter meios de garantir a sua subsistência”, concluiu.

MEDIDA PROVISÓRIA

O Governo Federal editou uma medida provisória (MP 946/2020) que autoriza um saque parcial e limitado de até R$1.045,00 das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. O cronograma de liberação automático dessa parcela do FGTS terá início no dia 15 de junho.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais