Empresas acusadas de pirâmide financeira têm contas bloqueadas pela Justiça

0

Decisão foi resposta à ação movida pelo escritório Rolfsen, Balsalobre e Cusciano Advogados, representando um cliente que se sentiu lesado pelo suposto esquema

Por meio de liminar, a Juíza da Primeira Vara Cível Central de São Paulo, Denise Cavalcante Fortes Martins,  bloqueou as  contas em nome das empresas Fri e Forts Banks, denunciadas por esquema de pirâmide financeira. A decisão ocorreu no último dia 12 de maio e foi uma resposta a ação movida pelo escritório Rolfsen, Balsalobre e Cusciano Advogados, representando um cliente que se sentiu lesado pelo suposto esquema, após investimento.

A chamada pirâmide financeira é um modelo de negócios que tem como característica principal a promessa de retornos financeiros expressivos e em curto prazo.

De acordo com os autores da ação, as empresas estariam captando investidores através da promessa de altos rendimentos em um curto espaço de tempo. Para isso, ofereciam a celebração de contratos de mútuo, nos quais esses novos investidores “emprestariam” dinheiro para essas empresas realizarem investimentos em seu próprio patrimônio, sob a promessa de retorno de 05% a 10% ao mês e restituição dos valores aportados ao final do período de 3 meses. Já nos primeiros meses de distribuição desses rendimentos, de acordo com os advogados, o calote aos investidores foi concretizado e não só os rendimentos deixaram de ser distribuídos, como também os valores inicialmente aportados foram retidos.

Na ação, os advogados do escritório Rolfsen, Balsalobre e Cusciano Advogados ressaltam que esse esquema tem evoluído e se tornado cada vez mais complexo, fazendo com que vítimas sejam aliciadas em duas frentes: a primeira como captadores de novos clientes e a segunda como investidores.

Entre as principais características do esquema de pirâmide financeira, segundo eles, estão a divulgação de oportunidade de investimento com lucratividade muito superior ao que poderia ser obtida no mercado regular e formal, além de promessa de alta liquidez, mas com um prazo mínimo de carência para saques ou resgates, entre outras. Eles enfatizam ainda  na ação que a captação ilícita de clientes da pirâmide financeira não se confunde com o conhecido marketing multinível, que é um modelo comercial que não depende de novos investidores para a sustentabilidade do negócio. O marketing multinível é apenas um canal de distribuição de produtos e serviços e a maior parte dos seus rendimentos são pela venda desses produtos e serviços.

Na decisão, a Juíza afirma que os documentos apresentados “comprovam a solicitação de devolução dos valores investidos e a resistência das rés em atender a solicitação do autor, o que evidencia a probabilidade do direito e o risco de dano irreparável, pois os réus estão retendo valores, impossibilitando o autor de gerir seu patrimônio.”
Você quer atrair muitos clientes para o seu escritório e ganhar mais dinheiro?
Clique AQUI e participe gratuitamente da Semana do Marketing Jurídico!
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais