Instagram é condenado em R$ 10 mil por desativar conta de influenciadora digital

Você gostaria de ajuda na escrita ou revisão do seu trabalho? Clique aqui para trabalhar diretamente com os melhores.

Uma decisão em primeira instância da 15a Vara Cível do Foro Central da comarca de São Paulo condenou a rede social Instagram a indenizar a atriz e modelo Valentina Francavilla, ex-participante de “A Fazenda 13”, após ter sua conta desativada na rede social.

No dia 06/01/2021, a conta de propriedade da Autora foi desativada, de forma repentina, prejudicando o andamento de diversos trabalhos que a Autora estava realizando após a sua saída do reality show.

Por conta disso, a Autora recorreu à justiça. No processo, a Autora pediu a reativação do perfil e a indenização por danos morais e materiais, o que foi atendido pela Justiça.

Em sua defesa, o Facebook, proprietário do Instagram, alegou que não houve irregularidade na prestação de serviços que justificasse a indenização por danos morais. A posição, no entanto, não foi acolhida pela Magistrada.

Na sentença, a juíza apontou que, atualmente, as redes sociais desempenham papel fundamental para pessoas como a Autora. Além disso, que o perfil de Valentina era utilizado como instrumento de trabalho, de forma que o banimento foi uma atitude extrema, uma vez que as consequências para a sua vida e carreira são desastrosas. A magistrada afirma que deveria haver uma notificação sobre eventual violação dos Termos de Uso da rede social, para que a Autora pudesse ter o direito ao contraditório.

Ainda, segundo a Magistrada, a indenização deve ser paga porque não é razoável que a influenciadora seja obrigada a ajuizar ação para obrigar a plataforma a cumprir deveres básicos previstos no Código de Defesa do Consumidor.  A conclusão da justiça foi de que a Autora do processo jamais descumpriu nenhum termo de uso da rede social Instagram.

A quantia estipulada por danos morais foi de R$ 10.000,00, pois houve um grave abalo moral à Autora, que dependia do seu perfil como ferramenta de trabalho e foi impedida de aproveitar uma grande chance de aumentar o engajamento nas redes sociais em decorrência da participação no programa “A Fazenda 13”.

Sendo assim, a juíza condenou o Facebook ao cumprimento de obrigação de fazer, consistente na reativação da conta no Instagram; ao pagamento de R$10 mil reais por danos morais; também ordenou o pagamento de quantia diante do descumprimento da tutela de urgência.

A advogada Andréa Barros Augé representou a Autora.

Da sentença ainda cabe recurso de apelação.

Você gostaria de ajuda na escrita ou revisão do seu trabalho? Clique aqui para trabalhar diretamente com os melhores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

A importância de um departamento jurídico para startups

Você gostaria de ajuda na escrita ou revisão do seu trabalho? Clique aqui para trabalhar diretamente com os melhores. Vanessa Muglia, CLO e cofundadora da BHub, dá dicas sobre como lidar com aspectos jurídicos e legais fundamentais para o funcionamento