Marco Regulatório dos Jogos no Brasil pretende regulamentar o Cartola FC e outros fantasy sports

Receba conteúdos e matérias com os maiores especialistas de Direito do Brasil

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

O projeto de lei “Marco Regulatório dos Jogos no Brasil” terá uma nova versão feita pelo grupo de trabalho criado pelo presidente da Câmara, deputado Arthur Lira, interessado na liberação geral e regulamentação da jogatina no país. E além dos chamados cassinos integrados, que serão implementados em resorts de luxo, máquinas caça-níquel, casas de bingo e jogo do bicho, é provável que no pacote de legalização também estejam incluídos os fantasy sports, modalidade comumente conhecida por aqui por conta do jogo Cartola FC.

O que é o Cartola FC?

Neste tipo de jogo online, os jogadores escalam as suas equipes virtuais e ganham pontos com base no desempenho de cada atleta escolhido no mundo real do futebol. No Cartola FC, os resultados se baseiam no Campeonato Brasileiro de Futebol, e cada ação dos futebolistas é convertida em pontos no game. Por exemplo, caso um jogador escalado para o seu time do Cartola faça um gol no Brasileirão, você ganha 8 pontos no mundo virtual.

Popularidade

E o interesse pela modalidade de fantasy sports é tamanho, porque este segmento tem um grande potencial por aqui e no mundo inteiro, além de já demonstrar estar bastante presente lá fora. Por exemplo, nos EUA, apenas o mercado de fantasy sports faturou mais de US$8 bilhões neste último ano. Este potencial chamou a atenção do coordenador do grupo de trabalho criado para elaborar o Marco, deputado João Bacelar, do Podemos, e o relator da proposta, deputado Felipe Carreras, do PSB.
Segundo Rafael Marchetti Marcondes, Head of Legal da start up Rei do Pitaco, “Apesar de ser uma competição já bem difundida e conhecida pelos amantes do futebol no país, do ponto de vista regulatório temos muito o que evoluir, até para dar mais segurança para os milhares de praticantes da modalidade”. Valendo ressaltar que já é possível palpitar legalmente no Brasil através das novas casas de apostas, que desde 2018 podem atuar em território nacional contanto que possuam sua sede no exterior. Visitando o apostasesportivas24.com, é possível encontrar uma lista com as melhores e mais novas casas de apostas por aqui, além de avaliações detalhadas de cada uma delas e os bônus e promoções que oferecem aos palpiteiros.

Jockey Clubs

E não será apenas o segmento de fantasy sports que deverá ser contemplado pelo projeto de lei – os jockey clubs também poderão entrar para a lista. Neste caso, estes locais poderiam abrigar máquinas e bingos, aumentando a sua receita e público.
Recentemente, ocorreu um encontro entre os presidentes dos jockey clubes do país no Rio de Janeiro. Durante essa reunião, na qual os membros do GT do Marco Regulatório dos Jogos estavam presentes, se discutiu a pauta da inclusão de máquinas de jogos e bingos nos hipódromos. Além de Bacelar e de Felipe Carreras, também estavam o deputado Otávio Leite (PSDB/RJ) e representantes de entidades turfísticas.
Durante o encontro, o deputado Bacelar registrou a importância daquela ocasião, defendendo a inclusão do turfe na revisão do texto da proposta. “Vou sugerir ao relator, deputado Felipe Carreras, que seja mantida as premissas já aprovadas no substitutivo ao PL 442/91 com relação às questões dos jockey clubs, que permite a instalação de um bingo nas instalações dos hipódromos, máquinas de vídeo-bingos e slots e as corridas virtuais”, comentou.
Isso porque, além de ajudarem na receita, essas novas atrações mitigarão parte das dificuldades econômicas que os hipódromos do Brasil vêm enfrentando. Segundo o presidente do Jockey Club Brasileiro, Raul Lima Neto, mesmo os principais estabelecimentos do país não podem sobreviver apenas com as apostas nos páreos.

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

Dicas para fazer uma boa gestão de contratos

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. A gestão de contratos é o processo de gerenciamento que envolve a execução e a análise de contratos, a fim de maximizar o desempenho operacional e

Background check pode diminuir golpes do PIX

Banco Central estuda responsabilizar instituições financeiras e medida reforça necessidade da checagem de antecedentes Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. Na terça-feira (31/05), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou