O que é e como fazer clipping jurídico?

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

O clipping é uma das ferramentas mais importantes dentro da assessoria de imprensa e relações públicas. O monitoramento midiático pode ser feito para diferentes segmentos, como é o caso do clipping jurídico.

Toda empresa que deseja realizar a gestão da imagem do cliente realiza esse trabalho importante dentro da sua área de atuação. O objetivo principal é otimizar a rotina da empresa e direcionar as atividades que mais proporcionam lucro.

Essa é uma estratégia utilizada por grandes empresas jurídicas que obtêm os melhores casos e até uma quantidade generosa de clientes. No mundo digital, saber usar a tecnologia a seu favor é a melhor forma de obter sucesso. Vamos fazer um clipping?

Entendendo um clipping 

O termo clipping é uma clara referência a palavra clipagem, trata-se de uma gíria da língua inglesa que remete ao recorte de notícias de jornais, revistas e outras mídias de um determinado assunto.

Antigamente todo esse processo era realizado de forma manual, mas com o advento do mundo digital, hoje é realizado tirando uma foto da tela (print screen) seja de um celular, computador ou tablet.

Todos esses recortes são analisados, assim como tabelado seu links, títulos e palavras-chave, a fim de analisar o impacto de uma determinada pessoa ou empresa dentro do universo midiático.

Por meio desses resultados são realizadas estratégias de imagem para que a pessoa seja mais vista ou até mesmo esquecida em casos de crise. Quando um exame admissional para empresas é feito por determinada empresa grande.

No dia seguinte, os grandes jornais e mídias sociais divulgam a informação para toda a internet e o nome desta empresa fica em destaque por um tempo, gerando engajamento. Todas essas matérias escritas e publicadas são armazenadas para análise futura.

O gargalo das agências 

Realizar um monitoramento de mídias completo exige muito tempo, até mesmo de assessores de imprensa que estão teoricamente especializados nisso. Porém a quantidade de publicações nas redes sociais e sites pela internet é imensurável.

Imagine um famoso escritório de advocacia onde um advogado de divórcio consegue reverter uma situação praticamente impossível. O nome desse profissional seria compartilhado tantas vezes que o clipping demandaria muito tempo.

Em geral, as agências e empresas contratam profissionais especializados em realizar clippings para monitorar esses conteúdos em tempo real. Esse é o cenário normal de um clipping, mas quando estamos falando do segmento jurídico muda muito?

As diferenças do clipping jurídico 

O clipping jurídico é extremamente parecido com o tradicional feito por agências midiáticas, porém o foco está no monitoramento de processos judiciais nos Diários Oficiais. Esse serviço também é oferecido por algumas seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Mas se limitarmos o clipping jurídico somente a isso estaríamos cometendo um grande erro. O monitoramento pode ser bem mais abrangente se incluir o nome de clientes, empresas de interesse, como empresa de tratamento de resíduos sólidos , e assuntos específicos.

Exemplo um processo extenso de uma empresa de pavimentação que gerou contraste até na mídia tradicional. O Hard News jurídico, que são as notícias quentes no segmento da advocacia, pode estender o clipping para notícias de tribunais e jurisprudência.

Por que ter seu próprio clipping jurídico?

Alguns profissionais subestimam muito a importância do clipping em seus escritórios e acabam ficando desatualizados do mercado. Muitas acham que basta ativar notificações no celular e ler as notícias que conseguir ao longo do dia.

Imagine um engenheiro responsável pela administração de obras públicas e que deixa de ser que determinado material que está sendo usado nessas obras é tóxico para o ser humano. Ele ergue um prédio todo usando esse material simplesmente por estar desatualizado.

É impossível, humanamente falando, ver todas as novidades da área sem ter uma estratégia para isso. Manter-se informado nos dias de hoje está ficando cada vez mais difícil.

É por isso que o clipping ajuda na solução desse problema, garantindo diversos outros benefícios como:

  • Vantagem sobre os concorrentes que não fazem;
  • Gerenciamento de novidades, dados e tempo;
  • Acompanhamento do diário oficial sobre processos;
  • Evita o descumprimento de intimações e perda de prazos.

 

As principais informações de um determinado processo ou atualizações jurídicas podem ser todas introduzidas em um e-mail exclusivo para isto. Fontes técnicas, atualizações de leis e novidades da área jurídica.

Tudo isso gera uma economia de tempo devido a organização desses dados. Além disso, o monitoramento manual do progresso simplesmente não é viável. Nesses casos, o clipping permite que o advogado receba notificações de todas as publicações em seu nome ou do escritório em jornais oficiais, evitando o descumprimento de intimações e prazos perdidos.

Existem processos que demoram até meses para serem liberados e casos que já levam décadas. Perdê-los pode significar uma falha irreparável, por exemplo, o prazo para um licenciamento ambiental municipal, além de caríssimo, leva tempo.

Erros nesses estilo mancham o nome do profissional e do escritório e por isso não devem ocorrer. Muitas empresas que não praticam o clipping acabam perdendo esses prazos. Somente com o clipping é possível agir em defesa dos interesses dos clientes.

Montando o seu clipping 

Montar um clipping exige tempo e organização, mas você verá que, depois de estruturado, basta mantê-lo atualizado. Separamos algumas dicas de execução e montagem do seu clipping jurídico que prometem ajudar no planejamento diário da empresa.

1 – Defina os objetivos do clipping 

Você precisa ter um foco, pois será praticamente impossível averiguar absolutamente tudo o que falam de justiça. Exemplo o que ocorre diariamente nos 91 tribunais existentes em território brasileiro.

Normalmente quando falamos em clipping jurídico o acompanhamento é referente às publicações sobre clientes, verificação de notícias específicas sobre o escritório ou advogados da empresa.

Assim como as principais tendências do ramo jurídico e, é claro, a melhoria da imagem do escritório perante a sociedade e o segmento jurídico.

2 – Defina os métodos que serão utilizados

O próximo passo é definir a estratégia do clipping, ou seja, qual será a licença de instalação do clipping para atingir os objetivos que foram estabelecidos acima. As agências que fazem esse tipo de trabalho utilizam um padrão de trabalho interessante.

O primeiro é o monitoramento de determinadas palavras-chave, depois os responsáveis por organizar e montar o clipping jurídico. Depois será preciso definir com o financeiro qual o orçamento disponível para realização de todos esses trabalhos.

Por último, mas não menos importante, é preciso estabelecer a periodicidade da análise desse clipping para o envio dos resultados adquiridos, seja aos advogados, clientes ou outras pessoas de interesse.

3- Defina os canais de monitoramento 

Como dissemos, clipping não é sair pegando toda e qualquer informação, é preciso ter estratégia e definir os melhores canais para oferecer resultados adequados com o objetivo proposto. Em geral, páginas de notícias dos tribunais são opções interessantes.

Existem canais oficiais disponibilizados pelo poder judiciário onde é possível estar atualizado sobre mudanças na jurisprudência. Lembre-se também de fazer uma boa análise sobre a reputação dos canais de notícia.

Infelizmente existem muitas fake news que rondam um setor de ampla interpretação como o jurídico. Priorize fontes oficiais dos tribunais. Esse trabalho dará respaldo a empresa para trabalhar com possíveis tendências do mercado.

Um tema em constante mudança é a regularização ambiental que dependerá muitas das vezes do local, cidade e estado a ser feita, por isso tome cuidado com as fontes a serem utilizadas, pois podem prejudicar a credibilidade da empresa ou profissional.

4 – Defina ferramentas de auxílio 

Existem softwares específicos que auxiliam as empresas a fazer o clipping jurídico. Veja as alternativas existentes e escolha aquela que melhor atenda seu orçamento e objetivo. As gratuitas, como o Google Alerts, são interessantes, mas é preciso saber manuseá-la.

Tenha um e-mail exclusivo e cadastre-o nas novidades do setor. Existem muitos jornais e portais jurídicos de qualidade, mas é preciso saber pesquisá-los. Há também a possibilidade de entrar em contato com essas empresas e saber se realizam esse trabalho.

5 – Sintetize tudo nos relatórios 

A última dica é a realização do monitoramento de todos os resultados obtidos, e o interessante é que assim como em centros de usinagem, existem softwares jurídicos que são especializados em emitir relatórios.

Você também pode montar uma planilha eletrônica com link da notícia, data, veículo de origem, quantas vezes utilizou o nome da empresa, do advogado, número de acessos e outros.

Todas essas informações organizadas de forma correta, tabuladas e apresentadas em reuniões ajudaram sua empresa a chegar nos objetivos propostos. A mídia é extremamente importante na conquista de novos clientes.

O ramo digital cresce cada vez com o tempo e as empresas jurídicas que não se adaptarem a elas tendem a serem esquecidas. Utilize sempre a tecnologia ao seu favor, da mesma forma que as ações e post das redes sociais são necessárias para engajamento.

O clipping é a mostra visual de como o escritório ou profissional está sendo divulgado na mídia, além de ajudar no andamento dos processos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LEITURAS RECOMENDADAS

A importância de um departamento jurídico para startups

Você gostaria de escrever e publicar no Âmbito Jurídico? Clique aqui para se cadastrar. Vanessa Muglia, CLO e cofundadora da BHub, dá dicas sobre como lidar com aspectos jurídicos e legais fundamentais para o funcionamento do negócio São Paulo, 18