O Seguro na Nova Era Tecnológica

0

Por Voltaire Marensi, Advogado e Professor

Antes de adentrar no tema propriamente dito, gostaria de contextualizar nomes de dois filósofos um deles, Michel Foucault, de nacionalidade francesa, falecido em 1984 e outro espanhol, José Ortega y Gasset, falecido em 1955.

O primeiro na anunciada obra As Palavras e as Coisas se preconizou a “morte do homem”. O segundo filósofo, Ortega y Gasset, já antevia mudanças profundas com a era digital e seus ambientes pós-massivos na internet. Ele já bradava, naquela época, por volta dos anos 30, que “vivemos sob o brutal império das massas”.

Isto significa, literalmente, que o homem cada dia mais está se rendendo à tecnologia.

Voltaire Marensi

Com o lançamento do “PIX” (Sistema de Pagamentos Instantâneos), se permitirá que transferências e pagamentos sejam feitos em tempo real, que segundo se anuncia começará a funcionar a partir de 5 de outubro. Também outro método tecnológico, da nova era, é o “Open Banking” (Sistema que prevê o compartilhamento dos dados bancários do cliente entre as diferentes instituições).

Nestes novos negócios tecnológicos não só haverá desafios de segurança, bem como gestão de conflitos. Aí, é que entra o seguro como um verdadeiro aliado para através de um mercado criativo, se desenvolver lato senso um novo seguro no qual a responsabilidade civil, a meu sentir, é alçada como uma “pedra de toque”, objetivando dar segurança e proteção, quer aos milhões de usuários desses sistemas, quer às instituições financeiras que deverão criar métodos modernos para oferecer aos seus clientes.

Enfim, a nova era tecnológica não chega a extinguir o homem, ou colocá-lo num patamar de massificação, desde que todos estejam atentos ao desenvolvimento tecnológico que deve ser implementado para bem servir todos aqueles que estarão envolvidos nestes “novos nichos” mercadológicos.

Referi-me ao seguro de responsabilidade civil por abarcar uma gama enorme de coberturas securitárias, que, certamente, estarão presentes neste novo mundo que se apresenta aos nossos olhos.

A proteção deve já ser pensada para que os fatos sociais não atropelem de vez um mercado que, inquestionavelmente, há de surgir e permear nossas atividades negociais.

A “revolução tecnológica” cria desafios, que devem ser amparados dentro de normas técnicas de segurança para que a forte inovação e a continuidade da era digital não surpreendam o mercado e todos aqueles que lidam com o desenvolvimento de produtos e serviços postos à disposição do homem.

Creio que assim não haverá nem a morte do homem, nem tampouco o homem-massa preconizado pelos filósofos acima citados.

Com estas atitudes todos ganham, notadamente o mercado segurador.

Desafios são colocados para que o ser humano nunca se degrade e nem pereça diante de uma nova era tecnológica que já é realidade.

Portanto, mãos à obra!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais