Reforma Tributária em Tempos de Pandemia

0

Julio Batista

Em decorrência da atual crise econômica no Brasil e ao redor do mundo, oriunda dos efeitos da Pandemia da COVID-19, verifica-se que as reformas estruturais são vistas como de extrema necessidade pela equipe econômica do Governo, tanto é verdade que este tema tem tomado as manchetes da mídia nos últimos meses, como podemos notar da evolução das opiniões dos agentes políticos

No início da Pandemia, a votação para aprovação da Reforma Tributária seria muito improvável durante este período, apesar de que a Comissão Especial ficou de continuar os seus trabalhos por videoconferência.

Apesar disto, visando resguardar a economia do país, aumentar a segurança jurídica para os negócios e atrair investimentos, o Ministério da Economia enviou ao Congresso um ofício em que solicita celeridade na aprovação ainda nesse semestre, de propostas e projetos considerados prioritários, contando especialmente com a aprovação da Reforma Tributária, como elemento fundamental para rápida recuperação da economia brasileira, pós Pandemia.

Após esse fato, a Comissão Especial da Reforma Tributária, composta por 25 senadores e 25 deputados em audiência pública interativa, se comprometeu em elaborar propostas de emenda aos projetos que tramitam na Câmara (PEC 45/2019) e no Senado (PEC 110/2019), ocasião em que participaram a equipe econômica do Governo, que ficaram também de apresentar uma proposta.

Dentre essas propostas, a PEC 45/2019, que apresenta um fundamento mais amplo e atual, com base num estudo econômico, que visa obter a redução da carga tributária através da extinção de cinco tributos sobre consumo (PIS, Cofins, ISS, IPI e ICMS), para substituí-los por uma alíquota única, o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). Além disso, simplifica e desburocratiza o sistema tributário como um todo, sem, no entanto, reduzir a autonomia dos Estados e Municípios.

Diante disso, é imprescindível a aprovação da Reforma Tributária, que apesar do Brasil ostentar a posição dos países com as cargas mais elevadas do mundo em relação ao seu nível de renda, visa desonerar e simplificar a estrutura tributária e o cumprimento das obrigações principais e acessórias.

Este novo cenário estaria alinhado com as mudanças globais nos diversos setores da economia, com a evolução exponencial da tecnologia com grande potencial disruptivo com a inteligência artificial, internet, data science, blockchain, criptoativos dentre outras.

O resultado esperado da aprovação da Reforma Tributária incrementará a competitividade das empresas, a otimização dos aspectos tributários do contribuinte, além de servir como alavancagem da recuperação da economia do país logo após a Pandemia da COVID-19.

Julio Batista é Advogado, Economista, Diplomado em Estudos de Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra – ADESG, Pós-graduado em Direito Tributário pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo – GVlaw/SP, Especialização em Técnicas de Negociação/Metodologia de HARVARD – FEA/USP, Especialista e técnico em Contabilidade e Sócio do GUERRABATISTA Advogados.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais