Será o fim do ICMS-ST nas operações com vinhos em todo o Brasil?

0

*Por Nathalia Gomes de Sousa

O recolhimento de ICMS-ST passou a ser exigível nas operações interestaduais com vinhos inicialmente entre alguns Estados do Norte, Nordeste e Centro Oeste em conjunto com o Estado de Minas Gerais, através do Protocolo ICMS nº 13 de 2006.

Por consequência, o Estado do Rio Grande do Sul, que à época figurava como maior polo vinícola nacional, e porquanto era contra a adoção do regime em seu Estado, se viu de certa forma economicamente induzido a aderir, ao passo, a obrigação de recolher o ICMS antecipado devido aos Estados de destino nas operações interestaduais não era vantajoso do ponto de vista concorrencial e econômico.

Assim, o Estado do Rio Grande do Sul, firmou o Protocolo ICMS nº 96 de 2009 e passou a adotar este regime nas operações com vinhos entre os Estados do Espírito Santo, Minas Gerais e São Paulo.

Por fim, a partir da publicação do Protocolo ICMS nº 103 de 2012, seguidos dos Protocolos ICMS nº 28 e 63 de 2013 se pode afirmar que todos os Estados do Brasil estavam, de certa forma, envolvidos na sistemática do ICMS-ST, seja na condição de substituto tributário, seja na condição de adquirente sujeito ao recolhimento antecipado do ICMS no momento da Entrada do produto em seus Estados de destino.

Nesta época, a adoção da sistemática do ICMS-ST fazia sentido, na medida em que representava um prazo maior de pagamento do ICMS e facilitava o fluxo financeiro e operacional para o segmento.

Em Santa Catarina, por exemplo, a MVA Original prevista para as primeiras operações com vinhos e espumantes, quando do início da inclusão do produto na ST, era bem tímida. Em um curto espaço de tempo, passou de 94,27 para 43,03% – Decreto 1.159/2012 (DOE 06.09.2012).

Em contrapartida, os Estados precisaram lidar com o ônus da complexidade dessa forma de tributação do ICMS, que demanda o entendimento de diferentes regras, formas de cálculo e ajustes entre os Estados, além do aporte de capital de giro antecipado, o que não é um método incentivador ao micro e pequeno empresário.

 

O contexto da mudança

Hoje o mercado, mormente representado pelas entidades do setor, se une para traçar novas estratégias tributárias com o objetivo de atingir maior desoneração da cadeia produtiva e maior competitividade entre o mercado nacional e o importado.

Para contextualizarmos o motivo da mudança, é importante ressaltar que o volume de consumo de vinhos nacionais cresceu exponencialmente nesta última década, crescimento  que é especialmente devido à maioridade da geração millenium e o consumo do vinho espumante, que se tornou mais popular, de acordo com os dados do Instituto Brasileiro do Vinho – IBRAVIN.

Liderados pela entidade, os empresários do ramo e as lideranças fazendárias dos Estados reuniram-se neste sentido e decidiram que o fisco hoje possui mecanismos de controle tributários mais eficazes, de modo que não mais se justifica a necessidade de recolhimento do ICMS em toda a cadeia na saída da indústria ou do importador.

Confira a tabela e a data de revogação da ST nos Estados que já implementaram a mudança:

 

RS – Decreto nº 54.736/2019, com vigência a partir de 01/08/2019.

PR – Decreto nº 3.042/2019, com vigência a partir de 01/11/2019.

SC – Decreto n° 252/2019, com vigência a partir de 19/10/2019.

SP – Portaria CAT nº 68/2019, com vigência a partir de 01/02/2020.

 

Ainda neste momento, nas operações interestaduais entre Estados que possuem a sistemática de ICMS-ST previsto em suas legislações internas, é preciso observar a necessidade de recolhimento antecipado do ICMS devido nas operações subsequentes.

Assim, concluímos que a revogação do ICMS-ST incidente nas operações com vinhos é uma forte tendência a ser seguida pelos demais Estados da Federação, em razão do otimismo de que esta medida terá como consequência o desenvolvimento econômico do setor e, quem sabe, represente um reajuste favorável no valor do produto para o consumidor final.

 

* Nathalia Gomes de Sousa é Consultora Fiscal na Systax, empresa de inteligência fiscal e única a organizar um acervo com mais de 20 milhões de regras tributárias.

 

Sobre a Systax

A Systax Sistemas Fiscais acompanha diariamente as mudanças da legislação tributária para garantir a atualização constante dos parâmetros fiscais nos diversos ERPs e sistemas fiscais. Também valida as informações tributárias constantes da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), permitindo a correta geração do SPED. Para tanto, mantém uma base de dados com mais de 20 milhões de regras fiscais estaduais e federais, abrangendo ICMS, ICMS-ST, PIS, COFINS e IPI. Combinam essas regras para gerar e monitorar mais de 1 bilhão de itens dos clientes da Systax. Veja mais: http://www.systax.com.br/

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais Aceitar Leia mais